A Motivação para a Interrupção ou uso de Crack em Gestantes e Puérperas

Rovena Esmidre Silva, Sávio Silveira de Queiroz

Resumo


Este trabalho teve como objetivo investigar os aspectos afetivos presentes na motivação para a interrupção e/ou continuidade do consumo de crack durante o período gestacional. Entendemos a afetividade a partir da perspectiva teórica de Jean Piaget, compreendida como a energética da ação. Sendo assim, levantamos a hipótese de que os afetos atuam como motivadores da ação de interrupção ou de continuidade do consumo de drogas durante o período gestacional e puerperal, e nos questionamos quais são os aspectos afetivos envolvidos nessa conduta. Diante disso, realizamos um estudo de caso com uma gestante e três puérperas, com a faixa etária de 19 a 38 anos, que interromperam e/ou continuaram o uso de crack durante a gestação e o puerpério. Como instrumento de coleta de dados, utilizamos uma entrevista semiestruturada. O tratamento e a análise dos dados foram realizados a partir da análise de conteúdo de Bardin. Os resultados indicam que os aspectos afetivos atuam diretamente na decisão de interromper ou continuar o uso do crack. Na interrupção foram citados os sentimentos de culpa, vontade, amor e medo. Em contrapartida, no que diz respeito à continuidade do consumo da droga, surgiram os sentimentos de tristeza, prazer, raiva, vontade, solidão e ausência de vergonha. Todas as participantes atribuíram representações negativas ao crack e ao seu uso, especialmente durante a gestação. Dessa maneira, faz-se relevante a investigação dos aspectos afetivos envolvidos no consumo do crack a fim de aperfeiçoar as estratégias de cuidado voltadas a esse público.


Palavras-chave


uso de drogas; motivação; afetividade; gestação; puerpério; crack.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abruzi, J. C. (2011). A experiência da gestação na perspectiva de gestantes usuárias de crack internadas em uma unidade psiquiátrica de um hospital geral. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Arteiro, I. L., & Queiroz, E. F. (2011). O corpo na toxicomania: Uma primazia da sensação? Revista Mal-Estar e Subjetividade, 11(4), 1575-1596.

Bastos, F. I., & Bertoni, N. (2014). Pesquisa Brasileira sobre o uso do crack: Quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro: Editora ICICT/FIOCRUZ.

Carvalho, F. R. M., Brusamarello, T., Guimarães, A. N., Paes, M. R., & Maftum, M. A. (2011). Causas de recaída e de busca por tratamento referidas por dependentes químicos em uma unidade de reabilitação. Colombia Médica, 42(2), 57-62.

Costa, G. M., Soibelman, M., Zanchet, D. L., Costa, P. M., & Salgado, C. A. (2012). Pregnant crack addicts in a psychiatric unit. Jornal Bras. Psiquiatria, 61(1), 8-12. DOI: 10.1590/S0047-20852012000100003

Conner, B. T., Longshore, D., & Anglin, M. D. (2009). Modeling attitude towards drug treament: The role of internal motivation, external pressure, and dramatic relief. The Journal of Behavioral Health Services & Research, 36(2), 150-158. https://doi.org/10.1007/s11414-008-9119-1

Cruzeiro, M. S., Queiroz, S. S., Alencar, H. M., Canal, C. P. P., & Miranda, F. H. F. (2016). Psicologia da Moralidade: Sentimentos relativos ao consumo de crack com base no discurso de dependentes químicos. Schème: Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas, 8(1), p. 174 – 201.

Diehl, A. Cordeiro, D. C., & Laranjeira, R. (2011). Dependência química: Prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed.

Dietz, G., Santos, C. G., Hildebrandt, L. M., & Leite, M. T. (2011). Interpersonal relations and drug consumption by teenagers. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas, 7(2), 85-91. DOI: 10.11606/issn.1806-6976.v7i2p85-91

Duailibi, L. B., Ribeiro, M., & Laranjeira, R. (2008). Profile of cocaine and crack users in Brazil. Cad Saúde Pública, 24(4), 545-57. DOI: 10.1590/S0102-311X2008001600007

Economidoy, E., Klimi, A., & Vivilaki, V. G. (2012). Caring for substance abuse pregnant women: The role of the midwife. Health Science Journal, 6(1), 161-169.

Filho, O. F. F., Turchi, M. D., Laranjeira, R., & Castelo, A. (2003). Perfil sociodemográfico e padrões de uso entre dependentes de cocaína hospitalizados. Revista Saúde Pública, 37(6), 751-9. DOI: 10.1590/S0034-89102003000600010

Freire, K., Padilha, P. C., & Saunders, C. (2009). Fatores associados ao uso de álcool e cigarro na gestação. Rev bras ginecol obstet, 31(7), 335-41.

Freud, S. (1989). O mal-estar na civilização. In J. Strachey, Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud (Vol. XXI). Rio de Janeiro: Imago (Originalmente publicado em 1930 [1929]).

Gabatz, R. I. B., Schmidt, A. L., Terra, M. G., Padoin, S. M. M., Silva, A. A., & Lacchini, A. J. B. (2013). Percepção dos usuários de crack em relação ao uso e tratamento. RevGaúcha Enferm, 34(1), 140-146. DOI: 10.1590/S1983-14472013000100018

Goeders, N. E. (2004). Stress, motivation, and drug addiction. Current Directions in Psychological Science, 13(1) 33-35. DOI: 10.1111/j.0963-7214.2004.01301009.

Goodman, I. R. (2009). Understanding Substance Use Treatment Motivation: The Role of Social Network Pressurein Emerging Adulthood. Thesis of Master, University of Toronto.

Hermeto, E. M. C., Sampaio, J. J. C., & Carneiro, C. (2010). Abandono do uso de drogas ilícitas por adolescente: Importância do suporte familiar. Revista Baiana de Saúde Pública, 34(3), 639-652. DOI: 10.22278/2318-2660.2010.v34.n3.a62

Holztrattner, J. S. (2010) Crack, gestação, parto e puerpério: Um estudo bibliográfico sobre a atenção usuária. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Jalil, E., Coutinho, C., Bertoni, N., & Bastos, F. I. (2014). Perfil das mulheres usuárias de crack e/ou similares: Resultados do inquérito nacional. In F. I. Bastos, & N. Bertoni (Orgs.), Pesquisa Brasileira sobre o uso do crack: Quem são os usuários de crack e/ ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro: Editora ICIT/ FIOCRUZ.

Kassada, D., Marcon, S., & Waidman, M. A. (2014). Percepções e práticas de gestantes atendidas na atenção primária frente ao uso de drogas. Escola Anna Nery, 18(3), 428-434

Kassada, D., Marcon, S., Pagliarini, M. A., & Rossi, R. (2013). Prevalência do uso de drogas de abuso por gestantes. Acta Paul. Enferm. 26(5), 467-471. DOI: 10.1590/S0103-21002013000500010

La Taille, Y. (2002). Vergonha: A ferida moral. Petrópolis, RJ: Vozes.

La Taille, Y. (2006). Moral e ética: Dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre: Artmed.

Limberger, J., & Andretta, I. (2015). Novas problemáticas sociais: O uso do crack em mulheres e a perspectiva de gênero. CS, (15), 41-65. Retrieved from http://www.scielo.org.co/pdf/recs/n15/n15a03.pdf

Lopes, T. D., & Arruda, P. P. (2010). As repercussões do uso abusivo de drogas no período gravídico/puerperal. Revista Saúde e Pesquisa, 3(1), 79-83.

Marangoni, S. R., & Oliveira, M. L. F. (2012). Uso de crack por multípara em vulnerabilidade social: História de vida. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(1) 166-172. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v11i1.18874

Marongani, S. R., & Oliveira, M. L. (2015). Women users of drugs of abuse during pregnancy: Characterization of a series of cases. Acta Scientiarum Health Science, 37(1), 53-61. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v37i1.16754

Martinez, L. C., & Ferriani, M. G. C. (2004). Relación entre las características de la adolescente embarazada y la resistencia al consumo de droga [Special issue]. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 12, 333-339. DOI: 10.1590/S0104-11692004000700006

Matta, A., Soares, L. V., & Bizarro, L. (2011). Atitudes de gestantes e da população geral quanto ao uso de substâncias durante a gestação. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas, 7(3), 139-147. DOI: 10.11606/issn.1806-6976.v7i3p139-147

Monte, M. G., Sérvio, V. R. F. T., Santos, P. A. M., & Maia, J. A. (2017). Efeitos do uso de drogas ilícitas durante a gravidez. DêCiência em Foco, 1(2), 95-105.

Nascimento, J. C. C., Silva, P. N., & Silva, L. C. C. S. (2015). Crack: Construindo um caminho de volta. Revista Brasileira de Educação e Saúde, 5(1), 57-62. Retrieved from http://gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/2787/2807.

Nery Filho, A., MacRae, M., Tavares, L. A., & Rêgo, M. (2009). Toxicomanias: Incidências clínicas e socioantropológicas. Salvador: EDUFBA –CETAD. DOI: 10.7476/9788523208820

Oliveira, M. S., & Nappo, C. M. (2014). Perfil clínico e cognitivo de usuários de crack internados. Psicol. Reflex. Crit, 27(1), 24-32.

Olivenstein, C. (1980). A droga: Droga e os toxicômanos. São Paulo: Brasiliense.

Petternon, M., Guimarães, L. S. P., Pedroso, R. S., Woody, G. E., Pechansky, F. P., & Kessler, F. H. P. (2015). Careless and overprotective fathers are associated with antisocial crack users. Drug and Alcohol Dependence, 14, 15-28.

Piaget, J. (1994). O juízo moral na criança (2. ed., E. Lenardon, Trad.). São Paulo: Summus. (Original publicado em 1932).

Piaget, J. (2014). Relação entre a afetividade e a inteligência no desenvolvimento mental da criança (C. J. P. Saltini & D. B Cavenaghi, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Wak. (Trabalho original publicado em 1954).

Portela, G., Barros, L., Frota, N., Landim, A. P., Caetano, J., & Farias, F. (2013). Percepção da gestante sobre o consumo de drogas ilícitas na gestação. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 9(2), 58-63. DOI: 10.11606/issn.1806-6976.v9i2p58-63

Pratta, E. M. M., & Santos, M. A. (2009). O processo saúde-doença e a dependência, química: interfaces e evolução. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(2), 203-211. DOI: 10.1590/S0102-37722009000200008

Rezende, M. M., & Pelicia, B. (2013). Representation of crack addicts relapse. SMAD, Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 9(2), 76-81. DOI: 10.11606/issn.1806-6976.v9i2p76-81

Ribeiro, M., Dunn, J., Sesso, R., Dias, A.C., & Laranjeira, R. (2006). Causes of death among crack cocaine users. Rev Bras Psiquiatr. 28(3), 196-202. DOI: 10.1590/S1516-44462006000300010

Ribeiro, L. A, Sanchez, Z. V. D. M., & Nappo, S.A. (2010). Estratégias desenvolvidas por usuários de crack para lidar com os riscos decorrentes do consumo da droga. J Bras Psiquiatr, 59(3), 210-218. DOI: 10.1590/S0047-20852010000300007

Rigotto, S. D., & Gomes, W. B. (2002). Contextos de abstinência e de recaída na recuperação da dependência química. Psicologia Teoria e Pesquisa, 18(1), 95-106. DOI: 10.1590/S0102-37722002000100011

Romanini, M. & Roso, A. (2013). Midiatização da cultura, criminalização e patologização dos usuários de crack: Discursos e políticas. Temas em Psicologia, 21(2), 483-497. DOI: 10.9788/TP2013.2-14

Romanini, M., & Roso, A. (2012). Psicanálise, instituição e laço social: O grupo como dispositivo. Psicologia USP, 23(2), 343-365. DOI: 10.1590/S0103-65642012005000002

Rosenkranz, S. E., Henderson, J. L., Muller, R. T., & Goodman, I. R. (2012). Motivation and maltreatment history among youth entering substance abuse treatment. Psychology of Addictive Behaviors, 26(1), 171–177. DOI: 10.1037/a0023800

Saide, O. L. (2011). Depressão e uso de drogas. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, 10, 47-61.

Sanchez, Z. V. M., & Nappo, S. A. (2002). Sequência de drogas consumidas por usuários de crack e fatores interferentes. Revista de Saúde Pública, 36(4), 420-430. DOI: 10.1590/S0034-89102002000400007

Santos, C. E., & Costa-Rosa, A. (2007). A experiência da toxicomania e da reincidência a partir da fala dos toxicômanos. Estudos de Psicologia, 24(4), 487-502. DOI: 10.1590/S0103-166X2007000400008

Schimith, P. B. (2013). Psicologia da Moralidade e Psicanálise: Um estudo sobre a vergonha. (Dissertação de Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Silva T. P., & Tocci H. A. (2002). Efeitos obstétricos, fetais e neonatais relacionados ao uso de drogas, álcool e tabaco durante a gestação. Rev Enferm UNISA, 3, 50-56.

Silva, C. J., & Serra, A. M. (2004). Cognitive and Cognitive-Behavioral Therapy for substance abuse disorders. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26 (Suppl. 1), 33-39. DOI: 10.1590/S1516-44462004000500009

Sodelli, M. (2010). A abordagem proibicionista em desconstrução: Compreensão fenomenológica existencial do uso de drogas. Ciênc. saúde coletiva, 15(3), 637-644. DOI: 10.1590/S1413-81232010000300005

Souza, M. C. H., Mühlen, B. K. V., Coelho, L. R. M, Oliveira, C. P., Rodrigues, V. S., Oliveira, M. S., & Strey, M. N. (2014). Assertividade em mulheres dependentes de crack. Aletheia, (43-44), 105-115. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942014000100008&lng=pt&tlng=pt.

Tavares, G. P., & Almeida, R. M. M. (2010). Violência, dependência química e transtornos mentais em presidiários. Estudos de Psicologia, 27(4), 545-552. DOI: 10.1590/S0103-166X2010000400012

Yamaguchi, E. T., Cardoso, M. M., Torres, M. L., & Andrade, A. G. (2008). Drogas de abuso e gravidez. Rev. psiquiatr. clín. 35(suppl.1), 44-47. DOI: 10.1590/S0101-60832008000700010

Xavier, D. M, Gomes, G. C., Ribeiro, J. P., Mota, M. S., Alvarez, S. Q., & Silva, M. R. S. (2018). Puérperas usuárias de crack: Dificuldades e facilidades enfrentadas no cuidado ao recém-nascido. Aquichan, 18(1), 32-42. DOI: 10.5294/aqui.2018.18.1.4




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i3.6510

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia