Modos de Ser e Trabalhar de Caminhoneira: Estratégia de Viver a Vida

Daiane Boff, Rodrigo Luís Melz, Carmem Ligia Iochins Grisci

Resumo


O estudo destaca a estratégia de viver a vida de caminhoneira, suportado nas noções de trabalho imaterial e vida líquida. Caminhoneiras atuantes no transporte rodoviário de cargas de longo percurso e duração participaram da pesquisa exploratória por meio de entrevistas semiestruturadas. A análise do conteúdo apontou que a caminhoneira desempenha atividades que se aproximam da noção de trabalho imaterial e possibilitou estender a noção de estratégia tomada de Bauman à vida cotidiana. Seu dia a dia remete à vida líquida; remete à indistinção entre tempo/espaço de trabalho e vida; ao percurso e cenário que extrapolam a boleia; aos elementos culturais associados à estrada. Entre truques e traquejos, a estratégia de viver a vida concentra-se em reinícios indolores que demandam manter o jogo curto e o itinerário minimamente reconhecível. Para prosseguir na profissão, em perspectiva gradiente, a caminhoneira contempla facetas do turista, andarilho e jogador, conforme metáforas apresentadas por Bauman.


Palavras-chave


caminhoneira; motorista de caminhão; transporte rodoviário de cargas; trabalho imaterial; estratégia de viver a vida.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Barat, J. (1978). A evolução dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE/IPEA.

Barbosa, J. E. C., Lima, S. G. C., & Chagas, E. L. (2012). Estudo sobre a evolução dos processos logísticos no Brasil. E-Locução - Revista Científica Da Faex, 2(1), 115-123.

Bauman, Z. (2007). Vida Líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2011). Vida em fragmentos: Sobre a ética pós-moderna. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z., & Raud, R. (2018). A individualidade numa época de incertezas. Rio de Janeiro: Zahar.

Conselho Nacional de Transportes. (2016). Boletim Estatístico Boletim Estatístico - 12 - 2016. Retrieved from .

Departamento Nacional de Trânsito. (2015). Frota de Veículos. Retrieved from

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Giddens, A. (2005). Sociologia (4. ed.) Porto Alegre: Artmed.

Gorz, A. (2005). O imaterial: Conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2005). Pesquisa Anual de Serviços. Retrieved from

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2015). IPEADATA. Retrieved from

Instituto WCF Brasil – Childhood. (2006). O perfil do caminhoneiro no Brasil. Retrieved from

Lazzarato, M., & Negri, A. (2001).Trabalho imaterial: Formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A.

Lei nº 9.503 (1997, 23 de setembro). Institui o Código de Trânsito Brasileiro. (1997). Brasília. Retrieved from .

Minayo, M. (Org.) (1994). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2015). Classificação Brasileira de Ocupações. Retrieved from

Penteado, R. Z., Gonçalves, C. G. O., Costa, D. D., & Marques, J. M. (2008). Trabalho e saúde em motoristas de caminhão no interior de São Paulo. Saúde e Sociedade, 17(4), 1-16. https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000400005

Negri, A. (2003). Cinco lições sobre o império. Rio de Janeiro: DP&A.

Salvagni, J. (2013). As caminhoneiras: Uma carona nas discussões de gênero, trabalho e identidade. In Seminário Internacional Fazendo Gênero 10, Florianópolis, (Anais Eletrônicos), 1-8.

Seitz, S. (2015). Pixilated partnerships, overcoming obstacles in qualitative interviews via Skype: A research note. Qualitative Research, (1), 1-7.

Vilella, T. M. A., & Tedesco, G. M. I. (2011). Sistema de transporte rodoviário de cargas: Uma proposta para sua estrutura e elementos. Revista Transportes, 19(2), 57-65. https://doi.org/10.14295/transportes.v19i2.507




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i3.6976

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia