Mecanismos Promotores e Dificultadores da Resiliência Acadêmica: Concepção de Profissionais da Educação

Idonézia Collodel Benetti, Soraya Ivon Ramirez Moreno, Joicilene Lopes de Aguiar, Fernanda Ax Wilhelm, Ana Paula da Rosa Deon, João Paulo Roberti Junior

Resumo


O objetivo deste estudo, de natureza exploratória e descritiva, foi analisar a percepção de dez profissionais da educação sobre mecanismos promotores e fatores que dificultam a resiliência acadêmica no ensino fundamental. As informações foram obtidas utilizando-se um questionário. A análise dos dados foi pautada na abordagem qualitativa proposta por Bardin. Os resultados foram: a) mecanismos de proteção: diálogo, trabalho junto a órgãos de proteção, participação dos pais, inserção de um psicólogo no ambiente escolar; b) fatores de risco: problemas familiares, violência, questões financeiras, falta de amor à profissão e ao aluno. A escola estudada pode ser caracterizada como resiliente, reflexiva e dinâmica.


Palavras-chave


resiliência acadêmica; mecanismos de proteção; fatores de risco.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Allen, M.L., Rosas-Lee M., Ortega, L., Hang, M., Pergament, S., & Pratt, R. (2016). They Just Respect You for Who You Are: Contributors to Educator Positive Youth Development Promotion for Somali, Latino, and Hmong Students. J Prim Prev, 37(1), 71-86. https://doi.org/10.1007/s10935-015-0415-2

Andrada, E., Benetti, I., Carvalho, G., & Rezena, B. (2008). Fatores de risco e proteção para a prontidão escolar. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(3),536-547. https://doi.org/10.1590/S1414-98932008000300008

Antunes, A. (2003). Resiliência: A construção de uma nova pedagogia para uma escola pública de qualidade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Assis, S. G., Pesce, R. P., & Avanci, J. Q. (2005). Resiliência: Enfatizando a proteção dos adolescentes. Porto Alegre: Artmed.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Benneti, I. C. (2014). Resiliência: Construindo estratégias de enfrentamento para os desafios da docência e do cotidiano. Direcional Educador, 118, 14-16.

Benetti, I. C., & Crepaldi, M. A. (2012). Resiliência revisitada: Uma abordagem para principiantes. Revista Electrónica de Investigación y Docencia, 7(1),7-30.

Benneti, I., Deon, A. P., Wilhelm, F. A., & Rosa, J. S. (2015). Estratégias para promover a resiliência escolar. Pátio Ensino Médio, Profissional e Tecnológico, 23, 42-45.

Benetti, I., Grisard, E., & Figueiredo, O. (2014). Redes de apoio: Estado, família e escola como contextos promotores de desenvolvimento. Roteiro, 39(1), 240-260.

Brooks, F. M., Magnusson, J., Spencer, N., & Morgan, A. (2012). Adolescent multiple risk behaviour: An asset approach to the role of family, school and community. Journal of Public Health: Oxford Journals, 34(Suppl 1), p. 48-56. https://doi.org/10.1093/pubmed/fds001

Cassins, A. (2007). Manual de psicologia escolar. Curitiba: Editora Unificado.

Cyrulnik, B. (2004). Os patinhos feios. São Paulo: Martins Fontes.

Dell’Aglio, D., Koller, S., & Yunes, M. (2006). Resiliência e psicologia positiva. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fajardo, I., Minayo, M. C., & Moreira, C. O. (2010). Educação escolar e resiliência: Política de educação e a prática docente em meios adversos. Ensaio: Avaliação e políticas públicas em educação. Educação e Sociedade, 18(69),761-773. https://doi.org/10.1590/S0104-40362010000400006

Furrer, C. J., Skinner, E. A., & Pitzer, J. R. (2014). The influence of teacher and peer relationships on students’ classroom engagement and everyday resilience. In D. J. Shernoff & J. Bempechat (Eds.), Engaging youth in schools: Empirically-based models to guide future innovations (pp. 101–123). New York: Teachers College Press.

Garcia, S. C. (2008). Risco e resiliência em escolares: Um estudo comparativo com múltiplos instrumentos. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Carlos.

Garcia, N. R., & Boruchovitch, E. (2014). Atribuições de causalidade para o desempenho escolar e resiliência em estudantes. Psico-USF, 19(2), 277-286. https://doi.org/10.1590/1413-82712014019002003

Hall, M., Fullerton, L., FitzGerald C., Green, D. (2018). Suicide Risk and Resiliency Factors Among Hispanic Teens in New Mexico: Schools Can Make a Difference. J Sch Health. 88(3), 227-236. https://doi.org/10.1111/josh.12599

Hodder, K., Freund, M., Jenny, Luke W. J., Bowman, S. N., Dray, J., Kingsland M., Yoong, S. L., & Wigger, J. (2017). Systematic review of universal school-based ‘resilience’ interventions targeting adolescent tobacco, alcohol or illicit substance use: A meta-analysis. Prev. Med., 100, 248-268. https://doi.org/10.1016/j.ypmed.2017.04.003

Henderson, N., & Milstein, M. Resiliencia en la escuela. Buenos Aires: Paidós, 2008.

Henry, K. L., Knight, K. E., & Thornberry, T. P. (2012). School disengagement as a predictor of dropout, delinquency, and problem substance use during adolescence and early adulthood. Journal of Youth and Adolescence, 41(2), 156–166. https://doi.org/10.1007/s10964-011-9665-3

Krane, V., Karlsson, B., Ness, O., & Kim, H. S. (2016). Teacher–student relationship, student mental health, and dropout from upper secondary school: A literature review. Scandinavian Psychologist, 3(11), 1-22. https://doi.org/10.15714/scandpsychol.3.e11

Leal, G. (2010). Resiliência e formação humana em professores do ensino fundamental I da rede pública municipal: Em busca da integralidade. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Lévano, A. C. (2009). Felicidad, resiliencia y optimismo en estudiantes de colegios nacionales de la ciudad de Lima. Liberabit, 15(2), 133-141.

Lisboa, C., & Koller, S. H. (2004). Interações na escola e processos de aprendizagem: Fatores de risco e proteção. In B. Boruchovitch, & J. A. Bzuneck (Orgs.). Aprendizagem: Processos psicológicos e o contexto social na escola (pp. 201-224). Petrópolis: Vozes.

Luckesi, C. C. (1994). Filosofia da educação. São Paulo: Cortez.

Luthar, S. S. (2006). Resilience in development: A synthesis of research across five decades. In D. Cicchetti & D. J. Cohen (Eds.), Developmental psychopathology: Risk, disorder, and adaptation (pp. 739-795). Hoboken, US: John Wiley & Sons Inc.

Masten, A., & Coatsworth, J. D. (1998). The development of competence in favorable and unfavorable environments. American Psychologist, 53(2), 205-220. https://doi.org/10.1037/0003-066X.53.2.205

Mendel, P., & Pelisoli, C. (2012). Preciosa: A escola como um contexto potencializador de proteção e resiliência. Revista e Lato Sensu-FACOS/CNE, 2, 66-94.

Murata, M. P. F.(2013). Vulnerabilidade e resiliência: Fatores de risco e proteção em escolares com necessidades educativas especiais. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Carlos.

Neal, D. (2017). Academic resilience and caring adults: The experiences of former foster youth. Children and Youth Services Review, 79, 242-248. https://doi.org/10.1016/j.childyouth.2017.06.005

Paludo, S., & Koller, S. H. (2007). Psicologia positiva: Uma nova abordagem para antigas questões. Paidéia, 17(36), 9-20. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2007000100002

Paton, D., & Johnston, D. (2017). Disaster Resilience: An Integrated Approach. Illinois: Charles C. Thomas Publisher.

Poletti, R. (2007). Resiliência: A arte de dar a volta por cima. Petrópolis: Vozes.

Riecken, C. (2006). Sobreviver: Instinto de vencedor: Os 12 pontos da resiliência e a personalidade dos sobreviventes. São Paulo: Saraiva.

Rodríguez-Fernández A., Ramos-Díaz E, Fernández-Zabala A, Goñi E, Esnaola I, Goñi A. (2016). Contextual and psychological variables in a descriptive model of subjective well-being and school engagement. Int J Clin Health Psychol, 16(2), 166-174. https://doi.org/10.1016/j.ijchp.2016.01.003

Rosa, J. R. P. (2009). As relações entre uma prática pedagógica resiliente e a aprendizagem escolar. (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação). Universidade do Extremo Sul Catarinense-UNESC, Criciúma.

Rutter, M. (2008). Resilience, competence and coping. Child abuse, 31(3), 205-209. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2007.02.001

Sapienza, G., & Pedromônico, M. R. M. (2005). Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança. Psicologia em Estudo, 10(2), 209-216. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000200007

Skinner, E. A., & Pitzer, J. R. (2012). Developmental dynamics of student engagement, coping, and everyday resilience. In S. L. Christenson, A. L. Reschly, A. L., & C. Wylie. (Eds.), Handbook of research on student engagement (pp. 21–45). New York, NY: Springer Science. https://doi.org/10.1007/978-1-4614-2018-7_2

Southwick, S., & Charney, D. (2018). Resilience. In Resilience: The Science of Mastering Life’s Greatest Challenges (p. I). Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/9781108349246

Souza, M.T.S. (2009). Terapia familiar e resiliência. In L.C. Osório, & M.E.P. Valle. (Orgs.). Manual de terapia familiar (pp. 25-26). Porto Alegre: Artmed.

Theron, L. L., Munford, J. S. R., Rensburg, A. V., Rothmann, S., & Ungar, M. (2015). Bolstering resilience through teacher-student interaction: Lessons for school psychologists. School Psychology Intarnacional, 37(2).

Veiga, I. P. A. (2009). A aventura de formar professores. Campinas: Papirus.

Yang, C., Sharkey, J. D., Reed, L. A., Chen, C., & Dowdy, E. (2018). Bullying victimization and student engagement in elementary, middle, and high schools: Moderating role of school climate. School Psychology Quarterly, 33(1), 54-64. https://doi.org/10.1037/spq0000250

Yunes, M., & Szymanski, H. (2001). Resiliência: Noção, conceitos afins e considerações críticas. In J. Tavares, J. (Org.) Resiliência e educação (pp.13-42). São Paulo: Cortez.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i3.7142

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia