Enredo Familiar na Adoção Irregular: Construção de Caso na Clínica Psicanalítica

Fabiana Carolina de Souza Carvalho Dias, Anamaria Silva Neves

Resumo


A adoção configura um importante dispositivo legal para que crianças e adolescentes possam dispor do convívio familiar, contudo uma cifra imprecisa, com números ainda pouco tangenciados, remonta a adoção de crianças pela via informal. O presente trabalho buscou compreender a dinâmica familiar que envolve a adoção irregular. Metodologicamente, a pesquisa esteve amparada nos preceitos psicanalíticos e utilizou o estudo de caso como estratégia de análise. A família estudada acolheu duas crianças, irmãs, em uma adoção irregular. Inicialmente, foram realizados cinco atendimentos psicológicos na modalidade de acolhimento familiar e, posteriormente, o caso foi tomado em psicoterapia. A análise do caso inclui aspectos como a insegurança vivenciada pela família, a relação com a família de origem, o lugar simbólico das irmãs nas famílias e a repetição de padrões no funcionamento familiar. Emerge a premência de se explorar aspectos inconscientes imbricados na adoção irregular a fim de superar o silenciamento que os medos e as ameaças sustentam no imaginário familiar.


Palavras-chave


adoção irregular; vínculo; família; psicanálise.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abrão, M. S. (2014). Construindo vínculo entre pais e filhos adotivos. São Paulo: Primavera Editorial.

Bochnia, S. F. (2008). Da adoção: Categorias, paradigmas e práticas do direito de família. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná.

Bordallo, G. A. C. (2017). Adoção. In K. R. F. L. A. Maciel (Coord.), Curso de Direito da Criança e do Adolescente: Aspectos teóricos e práticos (10. ed., pp. 334-415). São Paulo: Saraiva.

Coêlho, B. F. (2011). O reconhecimento da adoção de fato após a morte do adotante. Âmbito Jurídico, 14(88). Retrieved from http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9267

Freud, S. (1996). Sobre o narcisismo: Uma introdução. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 9-37). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1914).

Freud, S. (2006). Além do princípio do prazer. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 2, pp. 11-75). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1920).

Ghirardi, M. L. A. M. (2016a). Origens pessoais e revelação na adoção de crianças e adolescentes. In M. L. A. M. Ghirardi, & M. P. Ferreira (Orgs.), Laços e rupturas: Leituras psicanalíticas sobre adoção e acolhimento institucional (pp. 29-136). São Paulo: Escuta.

Ghirardi, M. L. A. M. (2016b). O que há de ‘estranho’ na devolução de crianças adotadas. In M. L. A. M. Ghirardi, & M. P. Ferreira (Orgs), Laços e rupturas: Leituras psicanalíticas sobre adoção e acolhimento institucional (pp. 113-120). São Paulo: Escuta.

Goi, S. B. S. (2014). O complexo fraterno: Reflexões acerca do ciúme e da inveja entre irmãos. Rev. Bras. Psicoter., 16(2), 49-61.

Guerriero, I. C. Z. (2006). Aspectos éticos das pesquisas qualitativas em saúde. Tese de Doutorado, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.

Kaës, R. (2005). Espaços psíquicos compartilhados: Transmissão e negatividade. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kehl, M. R. (2000). Existe a função fraterna? In M. R. Kehl, Função fraterna (pp. 31-47). Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Kehl, M. R. (2002). Sobre ética e Psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras.

Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. (1990). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Lei n° 12.010, de 03 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção. (2009). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12010.htm

Levinzon, G. K. (2009). Adoção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lima, F. S., & Dombrowski, C. (2011). A adoção irregular no Brasil: Uma análise a partir da Doutrina da Proteção Integral e do princípio do melhor interesse da criança e do adolescente. Âmbito Jurídico, 14(94). Retrieved from http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=10591>.

Menezes, R. S. (2008). “Adoção Irregular”: A inobservância do cadastro de pretendentes à adoção em razão da formação de vínculos afetivos do adotando com o adotante em Santa Catarina. Monografia de Graduação, Universidade Federal de Santa Catarina.

Otuka, L. K., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2009). A configuração dos vínculos na adoção: Uma atualização no contexto Latino-Americano. Revista brasileira de crescimento e desenvolvimento humano, 19(3), 475-486. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822009000300013&lng=pt&tlng=pt. https://doi.org/10.7322/jhgd.19935

Paim, I. A., Filho. (2010). Compulsão à repetição: Pulsão de morte “trans-in-vestida” de libido. Revista Brasileira de Psicanálise, 44(3), 117-126. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2010000300012&lng=pt&tlng=pt.

Reis, M. E. B. T. (2014). Adoção do ponto de vista da criança. Rev. Bras. Psicoter, 16(3), 86-98.

Resolução CFP n° 010/2005. Dispõe sobre o Código de Ética Profissional do Psicólogo. (2005). Retrieved from https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo_etica.pdf

Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. (2012). Retrieved from http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Rocha, B.F.P. (2009). Fratria adotiva: Percepções e vivências de irmãos mais velhos nas fratrias constituídas por adoção. Dissertação de Mestrado, Curso de Mestrado em Psicologia Clínica, Universidade Católica de Pernambuco.

Rosa, M. D., & Lacet, C. (2012). A criança na contemporaneidade: Entre saber e gozo. Estilos da Clínica, 17(2), 359-372. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282012000200012&lng=pt&tlng=pt.

Schettini, S. S. M., Amazonas, M. C. L. A., & Dias, C. M. de S. B. (2006). Famílias adotivas: Identidade e diferença. Psicol. estud., 11(2), 285-293. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext”pid=S1413-73722006000200007”lng=en”nrm=iso.

Sousa, C. A., Seguim, C. B., Levisky, F. B., Rudge, L. L. T., & Ungaretti, S. S. G. (2016). O direito de construir a própria história: Contribuições psicanalíticas na clínica e no abrigo. In M. L. A. M. Ghirard, & M. P. Ferreira (Orgs.), Laços e Rupturas: Leituras psicanalíticas sobre adoção e acolhimento institucional (pp. 17-28). São Paulo: Escuta.

Sousa, E. S. (2013). A adoção intuitu personae em detrimento da ordem cadastral: Uma análise a partir do paradigma da socioafetividade. Monografia de Graduação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Retrieved from https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/104356.

Val, A. C., & Lima, M. A. C. (2014). A construção do caso clínico como forma de pesquisa em psicanálise. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 17(1), 99-115. https://doi.org/10.1590/S1516-14982014000100007

Weber, L. N. D. (2010). Pais e filhos por adoção no Brasil. Curitiba: Juruá.

Weber, L. N. D. (2015). Há diferenças na educação entre filhos biológicos e por adoção? Eduque com carinho. In 1º Congresso Nacional Online da ADOÇÃO (CONADOTE). Retrieved from http://www.onlinemeetingnow.com/seminar/?id=op24qb9o5t]

Zornig, S. M. A. (2010). Tornar-se pai, tornar-se mãe: O processo de construção da parentalidade. Tempo psicanalitico, 42(2), 453-470. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382010000200010&lng=pt&tlng=es.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i3.7361

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia