A Compreensão dos Processos de Saúde-Doença em Médiuns de Incorporação da Umbanda

Ettore Fonseca Scalon, Fabio Scorsolini-Comin, Alice Costa Macedo

Resumo


A partir da abordagem cultural dos processos saúde-doença, as consultas mediúnicas na umbanda fazem parte do sistema popular de cuidado. Objetivou-se investigar como médiuns de incorporação compreendem os processos saúde-doença, especificamente os relacionados ao adoecimento psíquico. Foram entrevistados sete médiuns de incorporação, com idades entre 26 e 58 anos, membros de um terreiro na cidade de Uberaba/MG, Brasil. O tempo médio de atuação como médium de incorporação foi de 8,28 anos. As concepções de saúde e doença fazem referência tanto ao modelo ontológico como ao modelo relacional de saúde. Conclui-se que o terreiro centraliza o processo saúde-doença, cuidando de quem cuida (médiuns) e também de quem procura por cuidado (consulente), em uma perspectiva que deve ser compreendida em sua complexidade e potencialidade para a integralidade.

Palavras-chave


cura pela fé; espiritualidade; etnopsicologia; antropologia da saúde; saúde mental.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed.

Aubrée, M., & Lula, G. C. L. A. (2017). Os cientistas franceses e o estudo do paranormal: Controvérsias e avanços. Religare, 14(1), 60-89.

Bairrão, J. F. M. H. (2001). A imaginação do outro: Intersecções entre psicanálise e hierologia. Paidéia, 11(21), 11-26.

Bastide, R. (2016). Transe místico, psicopatologia e psiquiatria. In R. Bastide, O sonho, o transe e a loucura (pp. 105-127). São Paulo: Três Estrelas.

Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101.

Castilho, C. N., & Cardoso, P. T. (2015). Espiritualidade, religiosidade e religião nas políticas públicas de saúde: Um olhar para a integralidade. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, 3(1), 28-39.

Chen, M. F., Ho, C. H., Lin, C. F., Chung, M. H., Chao, W. C., Chou, H. L., & Li, C. K. (2016). Organisation-based self-esteem mediates the effects of social support and job satisfaction on intention to stay in nurses. Journal of Nursing Management, 24(1), 88-96.

Conselho Regional de Psicologia [CRP-SP]. (2016). Volume 1: Laicidade, religião, direitos humanos e políticas públicas (Coleção Psicologia, Laicidade e as relações com a Religião e a Espiritualidade). São Paulo: Conselho Regional de Psicologia.

Costa-Rosa, A. (2008). Práticas de cura místico-religiosas, psicoterapia e Subjetividade contemporânea. Psicologia USP, 19(4), 561-590.

Cunha, V. F., & Scorsolini‐Comin, F. (2019a). Best professional practices when approaching religiosity/spirituality in psychotherapy in Brazil. Counselling and Psychotherapy Research, 19(4), 523-532. DOI: https://doi.org/10.1002/capr.12241

Cunha, V. F., & Scorsolini‐Comin, F. (2019b). A religiosidade/espiritualidade (R/E) como componente curricular na graduação em Psicologia: Relato de experiência. Psicologia Revista, 28, 193-214.

Devereux, G. (1972). Ethnopsychanalyse complémentariste. Paris: Flammarion.

Godoy, D. B. O. A., & Bairrão, J. F. M. H. (2014). O método psicanalítico aplicado à pesquisa social: A estrutura moebiana da alteridade na possessão. Psicologia Clínica, 26, 47-68.

Gomes, M. L. P., Silva, J. C. B., & Batista, E. C. (2018). Escutando quem cuida: Quando o cuidado afeta a saúde do cuidador em saúde mental. Revista Psicologia e Saúde, 10(1), 03-07.

Helman, C. (2009). Cultura, saúde & doença (5a ed). Porto Alegre: Artmed.

Jabert, A., & Facchinetti, C. (2011). A experiência da loucura segundo o espiritismo: Uma análise dos prontuários médicos do Sanatório Espírita de Uberaba. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 14(3), 513-529.

Kleinman, A. (1980). Patients and healers in the contexto of culture. Berkeley: University of California Press.

Koenig, H. G. (2009). Research on religion, spirituality, and mental health: A review. The Canadian Journal of Psychiatry, 54(5), 283-291.

Koenig, H. G. (2012). Religion, spirituality, and health: The research and clinical implications. ISRN Psychiatry, 278730. DOI: https://doi.org/10.5402/2012/278730

Laplantine, F. (1986). Antropologia da doença. São Paulo: Martins Fontes.

Laplantine, F. (1994). Aprender etnopsiquiatria (R. A. Vasques, Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Leal de Barros, M., & Bairrão, J. F. M. H. (2010). Etnopsicanálise: Embasamento crítico sobre teoria e prática terapêutica. Revista da SPAGESP, 11(1), 45-54.

Macedo, A. C. (2015). Baiana lá e cá: O outro encontro consigo mesmo. In J. F. M. H. Bairrão & M. T. A. Coelho (Orgs.), Etnopsicologia no Brasil: Teorias, procedimentos e resultados (pp. 11-38). Salvador: Ed. UFBA.

Macedo, A. C., & Bairrão, J. F. M. H. (2011). Estrela que vem do Norte: Os baianos na umbanda de São Paulo. Paidéia, 21(49), 207-216.

Mantovani, A., & Bairrão, J. F. M. (2005). Psicanálise e religião: Pensando os estudos afro-brasileiros com Ernesto La Porta. Memorandum, 9, 42-56.

Menezes, A., Jr., Alminhana, L., & Moreira-Almeida, A. (2012). Perfil sociodemográfico e de experiências anômalas em indivíduos com vivências psicóticas e dissociativas em grupos religiosos. Revista Psiquiatria Clínica, 39(6), 203-207.

Montero, P. (1985). Da doença à desordem: A magia na umbanda. Rio de Janeiro: Graal.

Mota, C. S., & Trad, L. A. B. (2011). A gente vive pra cuidar da população: Estratégias de cuidado e sentidos para a saúde, doença e cura em terreiros de candomblé. Saúde e Sociedade, 20(2), 325-337.

Neubern, M. (2012a). O que significa acolher a espiritualidade do outro? Considerações de uma clínica etnopsy. In M. H. Freitas, G. J. Paiva & C. C. Moraes (Orgs.), Psicologia da religião no mundo ocidental contemporâneo: Desafios da interdisciplinaridade (pp. 85-104). Brasília: Universa.

Neubern, M. (2012b). Hipnose, espiritualidade e cultura: Problemas de pesquisa clínica. In T. Viana, G. S. Diniz, L. F. Costa & V. Zanello. (Orgs.), Psicologia clínica e cultura contemporânea (pp. 509-528). Brasília: Liber Livro.

Opipari, C. (2009). O candomblé: Imagens em movimento: São Paulo - Brasil (A. L. Costa, Trad.). São Paulo: EDUSP.

Pereira, K., & Holanda, A. F. (2016). Espiritualidade e religiosidade para estudantes de psicologia: Ambivalências e expressões do vivido. Revista Pistis Práxis: Teologia Pastoral, 8(2), 385-413.

Précoma, D. B., Oliveira, G. M. M., Simão, A. F., Dutra, O. P. (Eds.). (2019). Atualização da diretriz de prevenção cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 113(4), 787-891.

Rabelo, M. C. M. (2014). Enredos, feituras e modos de cuidado: Dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador: EDUFBA.

Ramos, A. (2007). O negro brasileiro: Etnografia religiosa e psicanálise. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 10(4), 729-744. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142007000400015

Ribeiro, R. P., Marziale, M. H. P., Martins, J. T., Ribeiro, P. H. V., Robazzi, M. L. C. C., & Dalmas, J. C. (2015). Prevalence of metabolic syndrome among nursing personnel and its association with occupational stress, anxiety and depression. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(3), 435-440.

Rocha, J. G. (2011). A intolerância religiosa e religiões de matrizes africanas no Rio de Janeiro. Revista África e Africanidades, 4(14-15), 1-20.

Rodrigues, R. N. (2010). Os africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Rotta, R. R., & Bairrão, J. F. M. H. (2012). Sentidos e alcance psicológicos de caboclos nas vivências umbandistas. Memorandum, 23, 120-132.

Scorsolini-Comin, F. (2015). Um toco e um divã: Reflexões sobre a espiritualidade na clínica etnopsicológica. Contextos Clínicos, 8(2), 114-127.

Scorsolini-Comin, F., Bairrão, J. F. M. H., & Santos, M. A. (2017). Com a licença de Oxalá: A ética na pesquisa etnopsicológica em comunidades religiosas. Revista da SPAGESP, 18(2), 86-99.

Scorsolini-Comin, F., & Campos, M. T. A. (2017). Narrativas desenvolvimentais de médiuns da umbanda à luz do modelo bioecológico. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 17(1), 364-385.

Silva, L. M. F., & Scorsolini-Comin, F. (2020). Na sala de espera do terreiro: Uma investigação com adeptos da umbanda com queixas de adoecimento. Saúde e Sociedade, 29(1), e190378.

Souza, K. M. J., Castellanos, M. E. P., Sá, L. D., & Palha, P. F. (2013). Experiência de adoecimento e narrativas: Apontamentos teóricos e metodológicos. In L. P. Mello, D. M. R. Gualda, & E. A. Campos (Orgs.), Antropologia, Saúde e Enfermagem (pp. 105-146). São Paulo: Manole.

Trevino, K. M., & Pargament, K. I. (2017). Medicine, spirituality, religion, and psychology. In M. J. Balboni & J. R. Peteet (Eds.), Spirituality and religion within the culture of medicine: From evidence to practice (p. 233-262). Oxford University Press. DOI: https://doi.org/10.1093/med/9780190272432.003.0015

Weber, S. R., & Pargament, K. I. (2014). The role of religion and spirituality in mental health. Current Opinion in Psychiatry, 27(5), 358-363. https://journals.lww.com/co-psychiatry/toc/2014/09000

Zangari, W. (2005). Uma leitura psicossocial do fenômeno da mediunidade de umbanda. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 25(3), 70-88.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i2.e10003

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia