O Pai no Contexto da Depressão Pós-parto Materna – e seis anos depois, que lugar ocupa esse pai?

Milena Rosa da Silva, Andressa Milczarck Teodózio, Bruna Gabriella Pedrotti, Giana Bitencourt Frizzo

Resumo


A partir das proposições de Winnicott, o presente estudo teve como objetivo compreender o lugar do pai em dois diferentes momentos do desenvolvimento infantil: no primeiro ano de vida do bebê, no contexto de depressão pós-parto materna, e, posteriormente, no sexto ano de vida da criança. Participaram deste estudo duas famílias que, no momento inicial, realizaram uma psicoterapia breve pais-bebê e, no segundo momento, participaram de um processo de follow up. Os resultados obtidos indicaram que, no primeiro ano de vida dos bebês, os pais constituíram um bom relacionamento com seus bebês e puderam compreender a necessidade de intensa dedicação da mãe ao bebê, porém não forneceram todo o suporte necessário às esposas naquele momento e contexto. As sutis dificuldades observadas no primeiro ano de vida dos bebês, relativas ao papel que se esperaria desses pais, mostraram-se ainda evidentes no sexto ano de vida das crianças.

Palavras-chave


depressão pós-parto; pai; bebê; criança; família.

Texto completo:

PDF/A

Referências


American Psychiatric Association. (2014). Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais – DSM-5 (5a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Asper, M. M., Hallén, N., Lindberg, L., Månsdotter, A., Carlberg, M., & Wells, M. B. (2018). Screening fathers for postpartum depression can be cost-effective: An example from Sweden. Journal of Affective Disorders, 241, 154–163. DOI: 10.1016/j.jad.2018.07.044

Augustin, D., & Frizzo, G. B. (2016). A coparentalidade ao longo do desenvolvimento dos filhos: Estabilidade e mudança no 1º e 6º ano de vida. Interação em Psicologia, 19(1), 13-24. DOI: 10.5380/psi.v19i1.29239

Beck, A. T., & Steer, R. A. (1993). Beck Depression Inventory. Manual. San Antonio: Psychological Corporation.

Belo, F. R. R., Guimarães, M. R., & Fidelis, K. A. B. (2015). Pode um pai ser cuidadoso? Crítica à teoria da paternidade em Winnicott. Psicologia em Estudo, 20(2), 153-164. DOI: 10.4025/psicolestud.v20i2.24274

Benavides, F., & Boukobza, C. (1997). A clínica do holding. In: Wanderley, D. B. (Org.) Palavras em torno do berço: Intervenções precoces bebê e família (pp. 89-106). Salvador: Ágalma.

Brockington, I., Butterworth, R., & Glangeaud-Freudenthal, N. (2017). An international position paper on mother-infant (perinatal) mental health, with guidelines for clinical practice. Archives of Women’s Mental Health, 20, 113–120. DOI: 10.1007/s00737-016-0684-7

Cameron, E. E., Sedov, I. D., & Tomfohr-Madsen, L. M. (2016). Prevalence of paternal depression in pregnancy and the postpartum: An updated meta-analysis. Journal of Affective Disorders, 206, 189–203. DOI: 10.1016/j.jad.2016.07.044

Cantilino, M., Zambaldi, C. F., Sougey, E. B., & Rennó, J. (2010). Transtornos psiquiátricos no pós-parto. Revista de Psiquiatria Clínica, 37(6), 288-294. DOI: 10.1590/S0101-60832010000600006

Castoldi, L., Gonçalves, T. R., & Lopes, R. C. S. (2014). Envolvimento paterno da gestação ao primeiro ano de vida do bebê. Psicologia em Estudo, 19(2), 247-259. DOI: 10.1590/1413-737222105008

Chabrol, H., Bron, N., & Le Camus, J. (1996). Mother-infant and father-infant interactions in postpartum depression. Infant Behavior and Development, 19(1), 149-152. DOI: 10.1016/S0163-6383(96)90053-3

Coelho, D. N., & Santos, M. V. O. (2012). Apontamentos sobre o método na pesquisa psicanalítica. Analytica: Revista de Psicanálise, 1(1), 90-105. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/analytica/v1n1/v1n1a06.pdf

Cunha, J. A. (2001). Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ferreira, M. C., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2006). O pai ‘suficientemente bom’: Algumas considerações sobre o cuidado na psicanálise winnicottiana. Mudanças: Psicologia da Saúde, 14(2), 136-142. Recuperado de https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/MUD/article/viewFile/644/644

Frizzo, G. B., & Piccinini, C. A. (2005). Interação mãe-bebê em contexto de depressão materna: Aspectos teóricos e empíricos. Psicologia em Estudo, 10(1), 47-55. DOI: 10.1590/S1413-73722005000100007

Frizzo, G. B., Piccinini, C. A., Silva, M. R., & Lopes, R. C. S. (2009). Depressão pós-parto e psicoterapia pais-bebê: estudo de follow up aos 6 anos de vida das crianças. Projeto de pesquisa não publicado.

Fulgencio, C. D. R. (2007). A presença do pai no processo de amadurecimento um estudo sobre W. D. Winnicott. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Gabriel, M. R., Rosa, M. S., Portugal, P., & Piccinini, C. A. (2015). Depressão pós-parto materna e o envolvimento paterno no primeiro ano do bebê. Aletheia, 46, 50-65. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n46/n46a05.pdf

Grupo de Pesquisa em Infância, Desenvolvimento e Psicopatologia, & Núcleo de Infância e Família. (2003a). Entrevista sobre experiência da maternidade. Instrumento não publicado.

Grupo de Pesquisa em Infância, Desenvolvimento e Psicopatologia, & Núcleo de Infância e Família. (2003b). Entrevista sobre experiência da paternidade. Instrumento não publicado.

Hossain, Z., Field, T., Gonzalez, J., Malphurs, J., Del Valle, C., & Pickens, J. (1994). Infants of “depressed” mothers interact better with their nondepressed fathers. Infant Mental Health Journal, 15(4), 348-357. DOI: 10.1002/1097-0355(199424)15:4<348::AID-IMHJ2280150404>3.0.CO;2-Y

Iribarry, I. N. (2003). O que é pesquisa psicanalítica? Ágora, 6(1), 115-138. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/agora/v6n1/v6n1a07.pdf

Koch, S., Pascalis, L., Meurer Renner, A., Vivian, F., Murray, L., & Arteche, A. (2019). Effects of male postpartum depression on father–infant interaction: The mediating role of face processing. Infant Mental Health Journal, 40, 263–276. DOI: 10.1002/imhj.21769

Leung, B. M. Y., Letourneau, N. L., Giesbrecht, G. F., Ntanda, H., & Hart, M. (2017). Predictors of postpartum depression in partnered mothers and fathers from a longitudinal cohort. Community Mental Health Journal, 53, 420-431. DOI: 10.1007/s10597-016-0060-0

Piccinini, C. A., Frizzo, G. B., Brys, I., & Lopes, R. C. S. (2014). Parenthood in the context of maternal depression at the end of the infant’s first year of life. Estudos em Psicologia, 31(2), 203-214. DOI: 10.1590/0103-166X2014000200006

Piccinini, C., Prado, L., Lopes, R., Schwengber, D., Alfaya, C., Frizzo, G., et al. (2003). O impacto da psicoterapia para a depressão materna e para a interação pais-bebê: Estudo longitudinal do nascimento ao segundo ano de vida do bebê. Projeto de pesquisa não publicado.

Piccinini, C., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. S., & Tudge, J. (2012). O envolvimento paterno aos três meses do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. DOI: 10.1590/S0102-37722012000300006

Polli, R. G., Gabriel, M. R., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2016). Envolvimento paterno aos 12 meses de vida do bebê. Psico, 47(3), 198-208. DOI: 10.15448/1980-8623.2016.3.23205

Prado, L. C., Gomes, A. G., Silva, M. D. R., Frizzo, G. B., Alfaya, C. D. S., Schwengber, D. D. S., & Piccinini, C. A. (2009). Psicoterapia breve pais-bebê: Revisando a literatura. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 31(3, Suppl.), 1-13. DOI: 10.1590/S0101-81082009000400008

Prata, M. R. S. (2012). Os processos subjetivos e os jogos de verdade da psicanálise frente à transformação do lugar do pai. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 15(2), 217-232. DOI: 10.1590/S1516-14982012000200001

Rodrigues, J. M., & Peixoto, C. A., Jr. (2017). Sobre a noção de saúde decorrente da teoria do amadurecimento emocional de Donald Winnicott. Analytica, 6(11), 07-33. Recuperado de http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/analytica/article/view/2667/1766

Rodulfo, R. (2009). Trabajos de la lectura, lecturas de la violência: Lo creativo – lo destructivo em el pensamento de Winnicott. Buenos Aires: Paidós.

Rosa, C. D. (2009). O papel do pai no processo de amadurecimento em Winnicott. Natureza Humana, 11(2), 55-96. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-24302009000200003

Seabra, K. C., & Seidl-de-Moura, M. L. (2011). Cuidados paternos nos primeiros três anos de vida dos filhos: Um estudo longitudinal. Interação em Psicologia, 15(2), 135-147. DOI: 10.5380/psi.v15i2.17330

Silva, H. C. (2014). Indicadores de depressão materna e sintomas psicofuncionais em bebês: Uma compreensão psicanalítica. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil.

Silva, M. R. (2007). Paternidade e depressão pós-parto materna no contexto de uma psicoterapia breve pais-bebê. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.

Silva, M. R., & Piccinini, C. A. (2009). Paternidade no contexto da depressão pós-parto materna: Revisando a literatura. Estudos de Psicologia (UFRN), 14(1), 5-12. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/epsic/v14n1/a02v14n1.pdf

Stake, R. E. (1994). Case studies. In: N. Denzin & Y. Lincoln (Orgs.), Handbook of Qualitative Research (pp. 236-247). Londres: Sage.

Winnicott, D. W. (1956). A Preocupação Materna Primária. In: D. W. Winnicott (2000), Da pediatria à psicanálise (pp. 399-405). Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1957). Um homem encara a maternidade. In: D. W. Winnicott (1985), A Criança e o seu mundo (pp.15-19). Rio de janeiro: Zahar.

Winnicott, D. W. (1960). Teoria do relacionamento paterno-infantil. In: D. W. Winnicott (1983), O ambiente e os processos de maturação (pp. 38-54). Porto Alegre: Artmed.

Winnicott, D. W. (1963). Da dependência à independência no desenvolvimento do indivíduo. In: D. W. Winnicott (1983), O ambiente e os processos de maturação (pp. 79-87). Porto Alegre: Artmed.

Winnicott, D. W. (1964). O recém-nascido e a mãe. In: D. W. Winnicott (1988/2012), Os bebês e suas mães (pp. 29-42). São Paulo: Martins Fontes.

Winnicott, D. W. (1965). E o pai? In: D. W. Winnicott (1985), A Criança e o seu mundo (pp.127-134). Rio de janeiro: Zahar.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i3.e10074

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia