Clima Familiar e Saúde de Idosos: Análise por Conglomerados

Dóris Firmino Rabelo, Anita Liberalesso Neri

Resumo


A configuração e o clima familiar oferecem o cenário para as formas de a família lidar com as demandas de problemas de saúde física e mental de um membro idoso. O objetivo deste estudo foi descrever associações entre elementos do clima familiar, da configuração familiar e das condições de saúde física e psicológica de idosos. Participaram do estudo 134 idosos recrutados na comunidade, entrevistados em domicílio, dos quais se avaliaram o clima familiar (apoio, coesão, conflito e hierarquia), a configuração familiar (arranjos de moradia, chefia e contribuição financeira) e as condições de saúde física (saúde autorrelatada, nível de dependência funcional e envolvimento social) e psicológica (depressão e ansiedade). Os dados foram submetidos à análise de conglomerados pelo método de partição. As atividades básicas de vida diária (R2 =0,887) e o apoio familiar (R2 =0,242) foram as variáveis que mais contribuíram para a formação dos três conglomerados: 1) mulheres fisicamente, psicologicamente e financeiramente oneradas, com tendência ao isolamento, que avaliaram negativamente o clima familiar (n= 5); 2) homens financeiramente onerados, com tendência ao isolamento, com boa saúde física e psicológica e com avaliações negativas do clima familiar (n=74); 3) mulheres parcialmente responsáveis pelo sustento da família, com boa saúde, socialmente envolvidas e com avaliações positivas do clima familiar (n=55). Verificou-se a interação entre o ônus gerado pela responsabilidade no sustento da família, a posição hierárquica do idoso na estrutura familiar, suas condições de saúde e suas avaliações sobre o clima familiar.

Palavras-chave


relações familiares; desenvolvimento do adulto; saúde da família; idosos; família.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Almeida, O. P., & Almeida, S. A. (1999). Short version of the geriatric depression scale: a study of their validity for the diagnosis of major depressive episode according to ICD-10 and DSM-IV. International Journal of Geriatric Psychiatric, 14(10), 858-865.

Andrade, J. M., Duarte, Y. A. O., Alves, L. C., Andrade, F. C. D., Souza Junior, P. R. B., Lima-Costa, M. F., & Andrade, F. B. (2018). Perfil da fragilidade em adultos mais velhos brasileiros: ELSI-Brasil. Revista de Saúde Pública, 52(Supl. 2), 17s. DOI: 10.11606/s1518-8787.2018052000616

Borges, C. C., & Rocha-Coutinho, M. L. (2008). Família e relações intergeracionais no Brasil hoje: novas configurações, crises, conflitos e ambigüidades. In I. C. Gomes, E. F. M. Silvares, F. B. Assunção Junior & L. Priszkulnik (Orgs.), Família: diagnóstico e abordagens terapêuticas (pp. 43-59). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Brito, F. C., Nunes, M. I., & Yuaso, D. R. (2007). Multidimensionalidade em Gerontologia II: instrumentos de avaliação. In M. Papaléo Netto (Org.), Tratado de Gerontologia (pp. 133-146). São Paulo: Atheneu.

Chunkai, L., Shan, J., & Xinwen, Z. (2019). Intergenerational relationship, family social support, and depression among Chinese elderly: A structural equation modeling analysis. Journal of Affective Disorders, 248, 73-80. DOI: 10.1016/j.jad.2019.01.032

Cunha, J. A. (2001). Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Elias, H. C., Marzola, T. S., Molina, N. P. F. M., Assunção, L. M., Rodrigues, L. R., & Tavares, D. M. S. (2018). Relation between family functionality and the household arrangements of the elderly. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 21(5), 562-569. DOI: 10.1590/1981-22562018021.180081

Fingerman, K. L., & Birditt, K. S. (2011). Relationships between adults and their aging parents. In K. W. Schaie & S. L. Willis (Eds.), Handbook of Psychology of aging (pp. 219-229). San Diego: Elsevier.

Frías-Osuna, A., Moreno-Cámara, S., Moral-Fernández, L., Palomino-Moral, P. A., López-Martínez, C., & Del-Pino-Casado, R. (2018). Motivos y percepciones del cuidado familiar de mayores dependientes. Atención Primaria, 50(10), 571-582. DOI: 10.1016/j.aprim.2018.06.010

Giacomin, K. C., Duarte, Y. A. O., Camarano, A. A., Nunes, D. P., & Fernandes, D. (2018). Cuidado e limitações funcionais em atividades cotidianas ELSI-Brasil. Revista de Saúde Pública, 52 (Suppl 2). DOI: 10.11606/S1518-8787.2018052000650

Kaufman, L., & Rousseeuw, P. J. (1990). Finding groups in data: An introduction to Cluster Analysis. New York: John Wiley & Sons.

Leusin, J. F., Petrucci, G. W., & Borsa, J. C. (2018). Clima Familiar e os problemas emocionais e comportamentais na infância. Revista da SPAGESP, 19(1), 49-61.

Lino, V. T. S., Pereira, S. E. M., Camacho, L. A. B., Ribeiro Filho, S. T., & Buksman, S. (2008). Adaptação transcultural da Escala de Independência em Atividades de Vida Diária (Escala de Katz). Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 103-112.

Lins, A. E. S., Rosas, C., & Neri, A. L. (2018). Satisfação com as relações e apoios familiares segundo idosos cuidadores de idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 21(3), 330-341. DOI: 10.1590/1981-22562018021.170177

Marroquín, B. (2011). Interpersonal emotion regulation as a mechanism of social support in depression. Clinical Psychology Review, 31, 1276-1290.

Melo, N. C. V., Teixeira, K. M. D., & Silveira, M. B. (2017). Consumo e perfil social e demográfico dos diferentes arranjos domiciliares de idosos no Brasil: análises a partir dos dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 20(5), 607-617. DOI: 10.1590/1981-22562017020.170047

Melo, N. C. V., Teixeira, K. M. D., Barbosa, T. L., Montoya, A. J. A., & Silveira, M. B. (2016). Household arrangements of elderly persons in Brazil: analyses based on the national household survey sample (2009). Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 19(1), 139-151. DOI: 10.1590/1809-9823.2016.15011

Micheli, K., Ratsika, N., Vozikaki, M., Chlouverakis, G., & Philalithis, A. (2018). Family ties and functional limitation in the elderly: Results from the Survey of Health Ageing and Retirement in Europe (SHARE). Archives of Gerontology and Geriatrics,78, 23-29. DOI: 10.1016/j.archger.2018.05.023

Neri, A. L., & Guariento, M. E. (2011). Fragilidade, saúde e bem-estar em idosos: Dados do Estudo FIBRA Campinas. Campinas, SP: Alínea.

Pantoja, T. C., & Soto-López, N. (2018). Funcionalidad familiar, autovalencia y bienestar psicosocial de adultos mayores. Horizonte Médico, 18(1), 23-28. DOI: 10.24265/horizmed.2018.v18n1.04

Pereira, J. C. R. (1999). Análise de dados qualitativos: Estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: EdUSP-Fapesp.

Pinto Junior, E. P., Silva, I. T., Vilela, A. B. A., Casotti, C. A., Pinto, F. J. M., & Silva, M. G. C. (2016). Dependência funcional e fatores associados em idosos corresidentes. Cadernos Saúde Coletiva, 24(4), 404-412. DOI: 10.1590/1414-462x201600040229

Ribeiro, L. H. M., Neri, A. L., Pinto, J. M., Falsarella, G. R., Spósito, G., & Freitas, D. C. C. V. (2013). Desempenho de atividades de vida diária e fragilidade. In A. L. Neri (Org.), Fragilidade e qualidade de vida na velhice (pp.189-208). Campinas, SP: Alínea.

Rodríguez-Tovar, G. L., Medrano-Martínez, M. R., Castro-García, R. I., & Rivera-Vázquez, P. (2018). Depression and family functioning fu in elderly. International Journal of Family & Community Medicine, 2(4), 248-251.

Roncon, J., Lima, S., & Pereira, M. G. (2015). Qualidade de Vida, Morbilidade Psicológica e Stress Familiar em Idosos Residentes na Comunidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 31(1), 87-96. DOI: 10.1590/0102-37722015011637087096

Santos, I. E., & Dias, C. M. S. B. (2008). Homem idoso: Vivência de papéis desempenhados ao logo do ciclo vital da família. Aletheia (ULBRA), 27, 98-110.

Sousa, N. F. S., Lima, M. G., Cesar, C. L. G., & Barros, M. B. A. (2018). Active aging: Prevalence and gender and age differences in a population-based study. Cadernos de Saúde Pública, 34(11), e00173317. DOI: 10.1590/0102-311x00173317

Souza, R. A., Costa, G. D., Yamashita, C. H., Amendola, F., Gaspar, J. C., Alvarenga, M. R. M., ..., Oliveira, M. A. C. (2014). Funcionalidade familiar de idosos com sintomas depressivos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(3), 469-476. DOI: 10.1590/S0080-623420140000300012

Teodoro, M. L. M., Allgayer, M., & Land, B. (2009). Desenvolvimento e validade fatorial do Inventário do Clima Familiar (ICF) para adolescentes. Psicologia: Teoria e Prática, 11(3), 27-39.

Vink, D., Aartsen, M. J., & Shoevers, R. A. (2008). Risk factors for anxiety and depression in the elderly: A review. Journal of Affective Disorders, 106(1-2), 29-44.

Wozniak, D., & Falcão, D. V. S. (2016). Idosos centenário: A importância dos recursos individuais e psicológicos familiares para o bem-estar. In D. V. S. Falcão, L. F. Araújo, & J. S. Pedrosa (Orgs), Velhices: Temas emergentes nos contextos psicossocial e familiar (pp. 49-70). Campinas, SP: Alínea.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i3.e10214

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia