O Desamparo na UTI: Uma Análise Psicanalítica da Experiência de Pacientes em um Hospital Universitário

Fernanda Caiado Guerra Emrich, Priscilla Melo Ribeiro de Lima

Resumo


O desamparo sempre foi um tema central à psicanálise, ao qual Freud se dedicou em textos como “O mal-estar na civilização” (1930/1996e) e “O futuro de uma ilusão” (1927/1996c). A partir desse conceito, realizamos uma pesquisa qualitativa com pacientes que haviam sido internados em uma Unidade de Terapia Intensiva de um hospital universitário. Utilizando do método de análise de conteúdo, as categorias desamparo e enlaçamento pulsional, desamparo e religiosidade, desamparo e finitude, e desamparo e transitoriedade foram analisadas a partir do referencial teórico psicanalítico. A análise nos possibilitou pensar na internação em terapia intensiva como uma vivência de (re)atualização do desamparo inicial que demanda do sujeito-paciente e do psicólogo/psicanalista lidar com questões que remontam à castração e à finitude. Diante da ameaça à vida e das fontes de sofrimento destacadas por Freud, o sujeito internado lança mão de algumas medidas paliativas para tentar amenizar sua angústia: a religiosidade, o apego às lembranças da família, a reflexão acerca da própria vida, fantasias acerca da volta para casa.

Palavras-chave


psicanálise; UTI; desamparo; angústia, morte; psicologia hospitalar.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70. (Obra original publicada em 1977)

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: Ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57, 611-614.

Coppus, A. N. S., & Netto, M. V. R. S. (2016). A inserção do psicanalista em uma unidade de tratamento intensivo. Psicologia: ciência e profissão, 36(1), 88-100.

Fattore, A. F. P. (2017). O analista na UTI: Angústia e o ato analítico. In M. R. Faria (Org.), O psicanalista na instituição, na clínica, no laço social, na arte (pp. 81-88). São Paulo: TORO Editora.

Flick, U. (2002). Entrevista episódica. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 114-126). Rio de Janeiro: Vozes.

Freud, S. (1996a). Além do princípio do prazer. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 18, pp. 135-167). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1920)

Freud, S. (1996b). O estranho. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 17, pp. 237-272). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1919)

Freud, S. (1996c). O futuro de uma ilusão. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 21, pp. 15-63) Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1927)

Freud, S. (1996d). Inibições, sintomas e ansiedade. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 14, pp. 82-167). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1926)

Freud, S. (1996e). O mal-estar na civilização. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 21, pp. 67-148). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1930)

Freud, S. (1996f). Reflexões para os tempos de guerra e morte. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 13, pp. 162-182). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1915)

Freud, S. (1996g). Sobre a transitoriedade. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 14, pp. 313-319). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1916)

Freud, S. (1996h). Esboço de psicanálise. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 23, pp. 89-134). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1940)

Freud, S. (1996i). O inconsciente. In Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 13, pp. 95-128). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1915)

Kehl, M. R. (2010). O tempo e o cão. São Paulo: Boitempo Editorial.

Machado, M. V. (2011). O lugar do psicanalista nos hospitais gerais: Entre os dispositivos clínicos e os dispositivos institucionais. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Moretto, M. L. T. (2019). O que pode um analista no hospital? Belo Horizonte: Artesã.

Pinto, J. M. (2005). Prefácio. In M. D. Moura (Org.), Psicanálise e hospital - novas versões do pai: Reprodução assistida e UTI (pp. 9-14). Belo Horizonte: Autêntica.

Simonetti, A. (2018). Manual de Psicologia hospitalar: O mapa da doença. Belo Horizonte: Artesã.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e10551

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia