“Corpos encaliçados de prisão”: Mulheres e Subjetividades em Exceção

Caroline Cabral Nunes, João Paulo Macedo

Resumo


O artigo objetiva analisar a rede de poderes na prisão e os vetores de sujeição sobre os corpos de mulheres presas em uma penitenciária mista localizada no município de Parnaíba, no Piauí. Por meio das estratégias metodológicas de observação participante e de diálogos com essas mulheres são analisadas suas dimensões da vida, como saúde, sexualidade, trabalho, bem como outros comportamentos. Para isso, utiliza os conceitos de biopolítica, apresentado por Michel Foucault, e necropolítica, proposto por Achille Mbembe, como conceitos-chave de leitura para compreender o sistema prisional brasileiro, mais especificamente o massivo encarceramento feminino. Observa-se o controle biopolítico e necropolítico dos corpos femininos, como a ausência ou insuficiência dos serviços específicos para saúde feminina, a precária alimentação fornecida, a limitação de suas sexualidades, além do abandono ou esquecimento a que muitas são submetidas no cárcere. Constatou-se que o sistema penal opera por meio de práticas machistas, classistas e racistas, prolongamento da estruturação social excludente e discriminatória, concedendo às mulheres presas pesos maiores em suas penalizações. Mas também há resistência, como a organização e solidariedade do grupo, as transgressões de normas e a construção de amizades.

Palavras-chave


mulher; prisão; bipolítica; necropolítica; poder.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agamben, G. (2004). Estado de Exceção (I. D. Poleti, Trad.). São Paulo: Boitempo.

Agamben, G. (2007). Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua 1 (H. Burigo, Trad.). Belo Horizonte: UFMG.

Akotirene, C. (2019). Intersecionalidade. São Paulo: Polén.

Alves, D. (2017). Acusadas negras, jueces blancos: Género, raza y clase en la distribución de la punición en el sistema de justicia penal paulista. Revista CS, (21), 97-120. DOI: 10.18046/recs.i21.2218

Bento, B. (2018). Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos Pagu, (53), e185305. DOI: 10.1590/18094449201800530005

Bittencourt, N. A. (2015). A biopolítica sobre a vida das mulheres e o controle jurídico brasileiro. Gênero & Direito, 4 (3), 225-245. DOI: 10.18351/2179-7137/ged.2015n3p225-245

Candiotto, C. (2011). Cuidado da vida e dispositivos de segurança: A atualidade da bioplítica. In G. Castelo Branco & A. Veiga-Neto (Orgs.), Foucault: Filosofia & Política (pp. 81-96). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Caponi, S. (2014). Viver e deixar morrer: Biopolítica, risco e gestão das desigualdades. Revista Redbioética/Unesco, 2(10), 27-37.

Carvalho, D. T. P., & Mayorga, C. (2017). Contribuições feministas para os estudos acerca do aprisionamento de mulheres. Revista Estudos Feministas, 25(1), 99-116. DOI: 10.1590/1806-9584.2017v25n1p99

Crenshaw, K. W. (1994). Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. In M. A. Fineman, R. Mykitiuk (Orgs.), The Public Nature of Private Violence (pp. 93-118). New York: Routledge.

Davis, A. (2018). Estarão as prisões obsoletas? (M. Vargas, Trad.). Rio de Janeiro: Difel. (Originalmente publicado em 2003)

Departamento Penitenciário Nacional [Depen]. (2017). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - Infopen. Brasília: Depen. http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/relatorios-sinteticos/infopen-jun-2017-rev-12072019-0721.pdf

Departamento Penitenciário Nacional [Depen]. (2018). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - Infopen Mulheres. Brasília: Depen. http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen-mulheres/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf

Ferraz, H. G, & Joffily, T. (2019). Democracia e encarceramento em massa: provocações de teoria política ao estado penal brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 152, 383-422.

Foucault, M. (1999). História da sexualidade I: A vontade de saber (17ª ed., M. T. Albuquerque & J. A. Albuquerque, Trads.). Rio de Janeiro: Graal. (Originalmente publicado em 1988)

Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade (M. E. Galvão, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1975)

Foucault, M. (2010). Os anormais (E. Brandão, Trad.) São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1975)

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir: história da violência nas prisões (42a ed). (R. Ramalhete, Trad.) Petrópolis: Vozes. (Originalmente publicado em 1975)

Germano, I. M. P., Monteiro, R. A. F. G., & Liberato, M. T. C. (2018). Criminologia crítica, feminismo e interseccionalidade na abordagem do aumento do encarceramento feminino. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(spe2), 27-43. DOI: 10.1590/1982-3703000212310

Kastrup, V., & Barros, R. B. (2009). Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In E. Passos, V. Kastrup & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 76-91). Porto Alegre: Sulina.

Lima, F. S., & Miranda, C. D. A. (2019). Encarceramento feminino na américa latina e a política de guerra às drogas: seletividade, discriminação e outros rótulos. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas, 7(2), 446-474.

Mansano, S. R. V. (2009). Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da Unesp, 8(2), 110-117.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica (2a ed). São Paulo: n-1 edições.

Pelbart, P. P. (2007). Biopolítica. Sala Preta, 7, 57-66. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v7i0p57-66

Pelbart, P. P. (2013). Foucault versus Agamben? Revista Ecopolítica, 5, 50-64.

Pozzana de Barros, L., & Kastrup, V. (2009). Cartografar é acompanhar processos. In E. Passos, V. Kastrup & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 76-91). Porto Alegre: Sulina.

Ribeiro, T. (2018). A vertigem dos corpos: Violência, suplício e poder. Poiésis, 19(31), 179-194. DOI: 10.22409/poiesis.1931.179-194

Soares Filho, M. M., & Bueno, P. M. M. G. (2016). Demografia, vulnerabilidades e direito à saúde da população prisional brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, 21(7), 1999-2010. DOI: 10.1590/1413-81232015217.24102015




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i1.e10577

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia