Uma Compreensão Fenomenológico-Existencial em A redoma de vidro de Sylvia Plath

Anderson Barbosa de Araújo, Jéssyca Alana Oliveira Pereira, Polyana Luz de Lucena

Resumo


A literatura parece um caminho fecundo para as investigações teóricas da psicologia fenomenológico-existencial. Sendo assim, este estudo se propôs à compreensão de A redoma de vidro, único romance publicado da autora Sylvia Plath, que é descrita como uma das poetisas americanas mais importantes do século XX, e grande nome do movimento literário do confessionalismo. O romance, que é tido como a extensão em prosa de sua poesia, se desenvolve em torno de Esther Greenwood, uma jovem prodigiosa e bastante ambiciosa que aos 17 anos sai de sua cidade natal para um estágio em Nova York, e segue-se ao longo da história por uma profunda caminhada por dentro dos pensamentos e sentimentos conflitantes da personagem diante dos rumos de sua vida, um caminho cheio de perdas e encontros, da necessidade do suicídio e da internação psiquiátrica. Diante desse contexto e da defesa teórica de uma metodologia fenomenológica de estudo, foi realizada uma compreensão da obra, que possibilitou o desvelamento de uma série de sentidos, que, à luz de uma analítica existencial, tomando como ponto central a personagem Esther, revelou temas de interesse, sendo eles: a experiência de inautenticidade; a problemática do sentido da existência; a escolha e a náusea; e a atualização da existência frente ao movimento da consciência, temas esses que puderam ser discutidos a partir dos fenômenos de interesse presentes no romance e das reflexões teóricas existencialistas. Foi possível perceber, com isso, a relevância dessa obra de Plath para a discussão de temas relevantes no âmbito da psicologia fenomenológico-existencial, além da necessidade de novos estudos que se inclinem sobre outras temáticas pertinentes na obra e não trabalhadas neste estudo.

Palavras-chave


fenomenologia; existencialismo; Sylvia Plath; A redoma de vidro.

Texto completo:

PDF/A

Referências


André, W. (2018). Literatura e suicídio: Alguns operadores de leitura. Acta Scientiarum. Language and Culture, 40(2), 2-12.

Aquino, T. A. A., Dará, D. M.B., & Simeão, S. S. S. (2016). Depressão, percepção ontológica do tempo e sentido da vida. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 12(1), 35-41.

Barreira, C. R. A. (2017). Análise fenomenológica aplicada à psicologia: Recursos operacionais para a pesquisa empírica. In M. Mahfoud & J. S. Filho (Orgs), Diálogos com Edith Stein (pp 317-368). São Paulo: Paulus.

Camus, A. (2010). O mito de Sísifo. Bestbolso: São Paulo. (Originalmente publicado em 1941).

Castelo Branco, P. C., & Cirino, S. D. (2017). Fenomenologia nas obras de Carl Rogers: apontamentos para o cenário brasileiro. Revista de Psicologia, 8(2), 44-52.

Cândido, D. M. N. S. (2014). A ilusão da morte como libertação em a redoma de vidro, de Sylvia Plath. Travessias, 8(2), 136-150.

Carvalho, A. C. (1999). A poética do suicídio em Sylvia Plath. EmTese, 3(1), 21-29.

Clini, M. M. (2016). Contemplações entre arte e clínica: Por uma presença fenomenológico-hermenêutica. Tese de Doutorado, Programa de pós-graduação em Psicologia Social, Universidade de São Paulo, SP.

Corbiniano, S. A. M., & Bergamo, T. M. M. (2016). Consciência, intencionalidade e liberdade: contribuições de Sartre na formação do sujeito. Educar em Revista, 59(1), 263-275.

Costa, M. M., & Forteski, R. F. (2013). O constrangimento do ser e a alienação existencial como hipóteses Fenomenológico-Existenciais para o ato de suicidar-se. Psicopatologia Fenomenológica Contemporânea, 2(1), 42-56.

Ericksen, L. (2017). Subjetividade e “autenticidade” em Kierkegaard e a sua influência na on-tologia de Heidegger. Kalagatos, 14(1), 49-66.

Feijoo, A. M. L. C. (2018). Metà-hodós: Da fenomenologia hermenêutica à psicologia. Revista da Abordagem Gestáltica, 24(3), 329-339.

Feijoo, A. M. L. C., & Mattar, C. M. (2014). A fenomenologia como método de investigação nas Filosofias da Existência e na Psicologia. Psicologia: teoria e pesquisa, 30(4), 441-447.

Feijoo, A. M. L. C., & Goto, T. A. (2017). É possível a fenomenologia de Husserl como método de pesquisa em psicologia? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(4), 1-9.

Giacoia Júnior, O. (2000). Nietzsche. São Paulo: Publifolha.

Holanda, A. F. (2016). Fenomenologia e psicologia no Brasil: Aspectos históricos. Estudos de Psicologia, 33(3), 382-394.

Moreira, V., & Torres, R. B. (2013). Empatia e redução fenomenológica: Possível contribuição ao pensamento de Rogers. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 65(2), 182-197.

Naves, G. S., & Oliveira, M. M. (2013). Fundamentos para uma existência autêntica e ética: sobre a consciência, a angústia e o reconhecimento da finitude em Martin Heidegger. In Núcleo de Estudo e Pesquisa em Filosofia e Educação (Org.), Anais do V Congresso de Fenomenologia da Região Centro-oeste (Vol. 2, pp. 231-238). Goiânia: NEPEFE/FE-UFG.

Noronha, A. P. P., Oliveira, D. A., Barros, L. O., & Moreira, T. C. (2018). Variáveis associadas ao sentido de vida. Revista da Abordagem Gestáltica, 24(1), 35-43.

Plath, S (2014). A Redoma de Vidro. São Paulo: Biblioteca Azul. (Originalmente publicado em 1963).

Reis, B. B., Holanda, A. F., & Goto, T. A. (2016). Husserl e o Artigo para Enciclopédia Britânica (1927): Projeto de Psicologia Fenomenológica. Psicologia em Estudo (UEM), 21(4), 629-640.

Roehe, M. V., & Dutra, E. (2017). Compreendendo narrativas sobre suicídio com base na analítica existencial de Martin Heidegger. Revista da Abordagem Gestáltica, 23(1), 32-41.

Rogers, C. R. (2009). Tornar-se Pessoa. Martins Fontes: São Paulo. (Originalmente publicado em 1961).

Rogers, C. R. (1977). Uma maneira negligenciada de ser: A maneira empática. In C. R. Rogers & R. A. Rosenberg (Orgs.), A pessoa como centro (pp. 69-89). São Paulo: EPU.

Rogers, C. R., & Kinget, M. (1977). Psicoterapia e relações humanas: Teoria e prática da terapia não diretiva. Belo Horizonte: Interlivros.

Rogers, C. R. (1983). Um jeito de ser. São Paulo: EPU. (Originalmente publicado em 1980).

Santos, A. M. (2004). Novos Caminhos na Abordagem Centrada na Pessoa. In A. M. Santos, C. R. Rogers & A. C. V. Bowen (Orgs), Quando fala o coração: A essência da psicoterapia centrada na pessoa (pp. 43-67). Vetor: São Paulo

Sartre, J. (2012). O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Vozes. (Originalmente publicado em 1946).

Silva, J. L. L. L., & Cecchini, M. V. G. (2015). Articulação entre hermenêutica e fenomenologia para uma clínica psicológica com bases heideggerianas. Revista da Abordagem Gestáltica - Phenomenological Studies, 21(1), 14-82.

Sousa, K. S. S. (2012). Principais elementos do pessimismo Schopenhaueriano. Lampejo, 2(10), 114-129.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e10664

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia