Modelo Relacional da Antiafeminação em Homens Não-Heterossexuais: Estudo Exploratório

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e10752

Palavras-chave:

afeminação, homofobia internalizada, masculinidade, homossexualidade, gênero.

Resumo

Homens gays e bissexuais afeminados são alvo de dupla estigmatização por conta da antiafeminação e da homofobia da sociedade mesmo entre a comunidade não-heterossexual. O objetivo deste estudo foi investigar, de forma exploratória, a estrutura relacional da antiafeminação por meio de uma análise de rede. Realizou-se um levantamento on-line com 1.123 homens não-heterossexuais brasileiros, maiores de 18 anos e com média de idade de 26,85 anos (DP = 8,51). O modelo relacional da antiafeminação produzido neste estudo encontrou associações com a homofobia internalizada (rp = 0,32) e a predileção por parceiros mais másculos (rp = 0,45). Além disso, foi possível identificar relação indireta com abertura da orientação sexual, que ocorre por meio da homofobia internalizada. Este estudo, além de ser o primeiro a desenvolver uma análise de rede sobre a antiafeminação, contribui para o entendimento do fenômeno no contexto brasileiro, fornecendo perspectivas para o aprofundamento de pesquisas no campo.

Biografia do Autor

Mozer de Miranda Ramos, Universidade Federal de Sergipe

Doutorando e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), membro do Grupo de Pesquisa em Sexualidade Saúde e Desenvolvimento Humano da UFS (SexUS-UFS).

Damião Soares de Almeida Segundo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e graduado em Direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor).

Wagner de Lara Machado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pesquisador 2 CNPq, coordenador do grupo de pesquisa Avaliação em Bem-estar e Saúde Mental (ABES) do PPG Psicologia da PUCRS. Professor permanente do PPG Administração da PUCRS. Doutor em Psicologia (UFRGS) e Psicólogo (ULBRA).

Elder Cerqueira-Santos, Universidade Federal de Sergipe

Pós-Doutorado pela University of Toronto (Canadá), Doutor em Psicologia pela UFRGS / University of Nebraska (USA) e Mestre pela UFRGS. Consultor da Childhood Foundation (WCF). Coordenador do SexUS-UFS.

Referências

Almeida, D. M. V. (2011). “Sou gay, porém totalmente discreto”: Os estereótipos e a criação do ethos em um site de relacionamento gay. Revele: Revista Virtual dos Estudantes de Letras, 3, 39-61. Link

Antunes, P. P. S. (2017). Homofobia Internalizada: O preconceito do homossexual contra si mesmo. São Paulo: Annablume.

Bento, B. (2015). Homem não tece a dor: Queixas e perplexidades masculinas (2a ed.). Natal: EDUFRN.

Braga, G. T. (2015). “Não estou cobrando o que eu não posso dar”: Masculinidade simétrica no homoerotismo virtual. Sexualidad, Salud y Sociedad-Revista Latinoamericana, 21, 225-261. DOI: 10.1590/1984-6487.sess.2015.21.12.a

Cerqueira-Santos, E., Calvetti, P. U., Rocha, K. B., Moura, A., Barbosa, L. H., & Hermel, J. (2010). Percepção de usuários gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, transexuais e travestis do Sistema Único de Saúde. Interamerican Journal of Psychology, 44(2), 235-245.

Cornejo, G. (2015). A guerra declarada contra o menino afeminado. In R. Miskolci, Teoria Queer: Um aprendizado pelas diferenças (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Costa, A. B., & Nardi, H. C. (2015). Homofobia e preconceito contra diversidade sexual: Debate conceitual. Temas em psicologia, 23(3), 715-726. DOI: 10.9788/TP2015.3-15

Costa, A. B., Peroni, R. O., Bandeira, D. R., & Nardi, H. C. (2013). Homophobia or sexism? A systematic review of prejudice against nonheterosexual orientation in Brazil. International Journal of Psychology, 48(5), 900-909. DOI: 10.1080/00207594.2012.729839

Costa, A. B., Peroni, R. O., Camargo, E. S., Pasley, A., & Nardi, H. C. (2015). Prejudice toward gender and sexual diversity in a brazilian public university: Prevalence, awareness, and the effects of education. Sexuality Research and Social Policy, 12(4), 261-272. DOI: 10.1007/s13178-015-0191-z

Epskamp, S., Cramer, A. O. J., Waldorp, L. J., Schmittmann, V. D., & Borsboom, D. (2012). Qgraph: Network visualizations of relationships in psychometric data. Journal of Statistical Software, 48, 1-18. DOI: 10.18637/jss.v048.i04

Ferreira, C. C., & Ferreira, S. P. A. (2015). Vivências escolares de jovens homossexuais afeminados: Estratégias de resistência e permanência. Tópicos Educacionais, 21(2), 103-138.

Friedman, J., Hastie, T., & Tibshirani, R. (2008). Sparse inverse covariance estimation with the graphical lasso. Biostatistics, 9(3), 432-441. DOI: 10.1093/biostatistics/kxm045

Herek, G. M., Cogan, J. C., Gillis, J. R., & Glunt, E. K. (1997). Correlates of internalized homophobia in a community sample of lesbians and gay men. Journal-Gay and Lesbian Medical Association, 2, 17-25.

Kimmel, M. S. (1998). A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes antropológicos, 4(9), 103-117. DOI: 10.1590/S0104-71831998000200007

Lira, A. N., & Morais, N. A. (2019). Evidências de Validade da Escala de Homofobia Internalizada para Gays e Lésbicas Brasileiros. Revista PsicoUsf, 24(2), 361-372. DOI: 10.1590/1413-82712019240212

Lopes, O. G. (2017). Gays afeminados ou a poluição homoerótica. Revista Periódicus, 1(7), 405-422. DOI: 10.9771/peri.v1i7.22287

Machado, W. L., Vissoci, J., & Epskamp, S. (2015). Análise de rede aplicada à Psicometria e à Avaliação Psicológica. In C. S. Hutz, D. R. Bandeira & C. M. Trentini (Orgs.), Psicometria (pp. 125-146). Porto Alegre: ArtMed.

Marques, D. M., & Nardi, H. C. (2011). Anormais, bárbaros e bárbaras: Trajetórias de vida e homossexuais e clínica psicológica. Aletheia, 35-36, 109-122.

Miller, B., & Behm-Morawitz, E. (2016). “Masculine Guys Only”: The effects of femmephobic mobile dating application profiles on partner selection for men who have sex with men. Computers in Human Behavior, 62, 176-185. DOI: 10.1016/j.chb.2016.03.088

Mosher, C. M. (2001). The social implications of sexual identity formation and the coming-out process: A review of the theoretical and empirical literature. The Family Journal, 9(2), 164-173. DOI: 10.1177/1066480701092011

Moura, R. G., Nascimento, R. P., & Barros, D. F. (2017). O problema não é ser gay, é ser feminino: O gay afeminado e as organizações. Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(11), 1478-1541.

Murgo, M. A. J., Huynh, K. D., Lee, D. L., & Chrisler, J. C. (2017). Anti-effeminacy moderates the relationship between masculinity and internalized heterosexism among gay men. Journal of LGBT Issues in Counseling, 11(2), 106-118. DOI: 10.1080/15538605.2017.1310008

Pachankis, J. E., Sullivan, T. J., Feinstein, B. A., & Newcomb, M. E. (2018). Young adult gay and bisexual men’s stigma experiences and mental health: An 8-year longitudinal study. Developmental psychology, 54(7), 1-13. DOI: 10.1037/dev0000518

Parizi, V. (2006). Überman: Mudanças na (auto) imagem masculina, homossexualidade e homofobia analisadas a partir de imagens produzidas por Tom of Finland. Revista História & Perspectivas, 1(35), 57-98.

Plöderl, M., & Tremblay, P. (2015). Mental health of sexual minorities. A systematic review. International review of psychiatry, 27(5), 367-385. DOI: 10.3109/09540261.2015.1083949

Pollak, M. (1984). “A Homossexualidade masculina, ou: A felicidade do gueto?”. In P. Ariès & A. Béjin, Sexualidades ocidentais. São Paulo: Brasiliense.

Puckett, J. A., Feinstein, B. A., Newcomb, M. E., & Mustanski, B. (2018). Trajectories of internalized heterosexism among young men who have sex with men. Journal of youth and adolescence, 47(4), 872-889. DOI: 10.1007/s10964-017-0670-z

Ramos, M. F. H., Pontes, F. A. R., Costa Silva, S. S., & Pereira, E. C. D. C. S. (2020). Técnicas de análise e visualização com grafos na Psicologia: Utilização do NodeXL. Research, Society and Development, 9(8), e608985759. DOI: 10.33448/rsd-v9i8.5759

Ramos, M. M., & Cerqueira-Santos, E. (2019). Escala de Atitudes Negativas sobre Afeminação (ANA): Adaptação e evidências de validade no Brasil. Psico, 50(2), 31342. DOI: 10.15448/1980-8623.2019.2.31342

Ramos, M. M., & Cerqueira-Santos, E. (2020). Afeminação, hipermasculinidade e hierarquia. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 72(1), 159-172.

Ramos, M. M., Costa, A. B., & Cerqueira-Santos, E. (2020). Effeminacy and anti-effeminacy: Interactions with internalized homophobia, outness, and masculinity. Trends in Psychology, 28(3) 1-16. DOI: 10.1007/s43076-020-00025-3

Rezende, R., & Cotta, D. (2015). Não curto afeminado: Homofobia e misoginia em redes geossociais homoafetivas e os novos usos da cidade. Contemporanea-Revista de Comunicação e Cultura, 13(2), 348-365. Link

Rich, A. (2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas-Estudos gays: Gêneros e Sexualidades, 4(5), 17-44.

Rocha, K. B., Barbosa, L. H. R., Barboza, C. Z., Calvetti, P. Ü., Carvalho, F. T., Cerqueira-Santos, E., ... Silva Moura, A. (2009). La atención a la salud en Brasil a partir de la percepción de travestis, transexuales y transgéneros. Forum: Qualitative Social Research, 10(2).

Ross, M. W., & Rosser, B. R. S. (1996). Measurement and correlates of internalized homophobia: A factor analytic study. Journal of Clinical Psychology, 52(1), 15-21. DOI: 10.1002/(SICI)1097-4679(199601)52:1%3C15::AID-JCLP2%3E3.0.CO;2-V

Sánchez, F. J., & Vilain, E. (2012). “Straight-acting gays”: The relationship between masculine consciousness, anti-effeminacy, and negative gay identity. Archives of Sexual Behavior, 41, 111-119. DOI: 10.1007/s10508-012-9912-z

Sánchez, F. J., Blas-Lopez, F. J., Martínez-Patiño, M. J., & Vilain, E. (2016). Masculine consciousness and anti-effeminacy among Latino and White gay men. Psychology of Men & Masculinity, 17(1), 54-63. DOI: 10.1037/a0039465

Silva, A. L. R. D., Finkle, M., & Moretti-Pires, R. O. (2019). Representações sociais de trabalhadores da atenção básica à saúde sobre pessoas LGBT. Trabalho, Educação e Saúde, 17(2), e0019730. DOI: 10.1590/1981-7746-sol00197

Silveira, A. P., & Cerqueira-Santos, E. (2019). Homofobia internalizada e satisfação sexual em casais homossexuais. Psicogente, 22(41), 1-18. DOI: 10.17081/psico.22.41.3307

Skidmore, W. C., Linsenmeier, J. A., & Bailey, J. M. (2006). Gender nonconformity and psychological distress in lesbians and gay men. Archives of sexual behavior, 35(6), 685-697. DOI: 10.1007/s10508-006-9108-5

Souza, E. M., & Pereira, S. J. N. (2013). (Re)produção do heterossexismo e da heteronormatividade nas relações de trabalho: A discriminação de homossexuais por homossexuais. Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 76-105. DOI: 10.1590/S1678-69712013000400004

Swann, G., Forscher, E., Bettin, E., Newcomb, M. E., & Mustanski, B. (2018). Effects of victimization on mental health and substance use trajectories in young sexual minority men. Development and psychopathology, 1-15. DOI: 10.1017/S0954579418001013

Taywaditep, K. J. (2001). Marginalization among the marginalized: Gay men’s negative attitudes towards effeminacy. Doctoral dissertation, University of Illinois at Chicago, Chicago.

Taywaditep, K. J. (2002). Marginalization among the marginalized: Gay men’s anti-effeminacy attitudes. Journal of Homosexuality, 42(1), 1-28. DOI: 10.1300/J082v42n01_01

Tskhay, K. O., & Rule, N. O. (2017). Internalized homophobia influences perceptions of men’s sexual orientation from photos of their faces. Archives of sexual behavior, 46(3), 755-761. DOI: 10.1007/s10508-015-0628-8

Whitman, C. N., & Nadal, K. L. (2015). Sexual Minority Identities: Outness and Well-Being Among Lesbian, Gay, and Bisexual Adults. Journal of Gay & Lesbian Mental Health, 19(4), 370-396. DOI: 10.1080/19359705.2015.1038974

Zago, L. F., & Seffner, F. (2008). Masculinidades disponíveis. Com sobre como dizer-se homem gay no ciberespaço. In Universidade Federal de Santa Catarina(Org.), VIII Anais do Congresso Fazendo Gênero: Corpo, Violência e poder. Florianópolis: UFSC.

Downloads

Publicado

15.09.2021

Como Citar

Ramos, M. de M., Almeida Segundo, D. S. de, Machado, W. de L., & Cerqueira-Santos, E. (2021). Modelo Relacional da Antiafeminação em Homens Não-Heterossexuais: Estudo Exploratório. Revista Subjetividades, 21(2), Publicado online: 15/09/2021. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e10752

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa