Modelo Relacional da Antiafeminação em Homens Não-Heterossexuais: Estudo Exploratório

Mozer de Miranda Ramos, Damião Soares de Almeida Segundo, Wagner de Lara Machado, Elder Cerqueira-Santos

Resumo


Homens gays e bissexuais afeminados são alvo de dupla estigmatização por conta da antiafeminação e da homofobia da sociedade mesmo entre a comunidade não-heterossexual. O objetivo deste estudo foi investigar, de forma exploratória, a estrutura relacional da antiafeminação por meio de uma análise de rede. Realizou-se um levantamento on-line com 1.123 homens não-heterossexuais brasileiros, maiores de 18 anos e com média de idade de 26,85 anos (DP = 8,51). O modelo relacional da antiafeminação produzido neste estudo encontrou associações com a homofobia internalizada (rp = 0,32) e a predileção por parceiros mais másculos (rp = 0,45). Além disso, foi possível identificar relação indireta com abertura da orientação sexual, que ocorre por meio da homofobia internalizada. Este estudo, além de ser o primeiro a desenvolver uma análise de rede sobre a antiafeminação, contribui para o entendimento do fenômeno no contexto brasileiro, fornecendo perspectivas para o aprofundamento de pesquisas no campo.

Palavras-chave


afeminação; homofobia internalizada; masculinidade; homossexualidade; gênero.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Almeida, D. M. V. (2011). “Sou gay, porém totalmente discreto”: Os estereótipos e a criação do ethos em um site de relacionamento gay. Revele: Revista Virtual dos Estudantes de Letras, 3, 39-61. Link

Antunes, P. P. S. (2017). Homofobia Internalizada: O preconceito do homossexual contra si mesmo. São Paulo: Annablume.

Bento, B. (2015). Homem não tece a dor: Queixas e perplexidades masculinas (2a ed.). Natal: EDUFRN.

Braga, G. T. (2015). “Não estou cobrando o que eu não posso dar”: Masculinidade simétrica no homoerotismo virtual. Sexualidad, Salud y Sociedad-Revista Latinoamericana, 21, 225-261. DOI: 10.1590/1984-6487.sess.2015.21.12.a

Cerqueira-Santos, E., Calvetti, P. U., Rocha, K. B., Moura, A., Barbosa, L. H., & Hermel, J. (2010). Percepção de usuários gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, transexuais e travestis do Sistema Único de Saúde. Interamerican Journal of Psychology, 44(2), 235-245.

Cornejo, G. (2015). A guerra declarada contra o menino afeminado. In R. Miskolci, Teoria Queer: Um aprendizado pelas diferenças (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Costa, A. B., & Nardi, H. C. (2015). Homofobia e preconceito contra diversidade sexual: Debate conceitual. Temas em psicologia, 23(3), 715-726. DOI: 10.9788/TP2015.3-15

Costa, A. B., Peroni, R. O., Bandeira, D. R., & Nardi, H. C. (2013). Homophobia or sexism? A systematic review of prejudice against nonheterosexual orientation in Brazil. International Journal of Psychology, 48(5), 900-909. DOI: 10.1080/00207594.2012.729839

Costa, A. B., Peroni, R. O., Camargo, E. S., Pasley, A., & Nardi, H. C. (2015). Prejudice toward gender and sexual diversity in a brazilian public university: Prevalence, awareness, and the effects of education. Sexuality Research and Social Policy, 12(4), 261-272. DOI: 10.1007/s13178-015-0191-z

Epskamp, S., Cramer, A. O. J., Waldorp, L. J., Schmittmann, V. D., & Borsboom, D. (2012). Qgraph: Network visualizations of relationships in psychometric data. Journal of Statistical Software, 48, 1-18. DOI: 10.18637/jss.v048.i04

Ferreira, C. C., & Ferreira, S. P. A. (2015). Vivências escolares de jovens homossexuais afeminados: Estratégias de resistência e permanência. Tópicos Educacionais, 21(2), 103-138.

Friedman, J., Hastie, T., & Tibshirani, R. (2008). Sparse inverse covariance estimation with the graphical lasso. Biostatistics, 9(3), 432-441. DOI: 10.1093/biostatistics/kxm045

Herek, G. M., Cogan, J. C., Gillis, J. R., & Glunt, E. K. (1997). Correlates of internalized homophobia in a community sample of lesbians and gay men. Journal-Gay and Lesbian Medical Association, 2, 17-25.

Kimmel, M. S. (1998). A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes antropológicos, 4(9), 103-117. DOI: 10.1590/S0104-71831998000200007

Lira, A. N., & Morais, N. A. (2019). Evidências de Validade da Escala de Homofobia Internalizada para Gays e Lésbicas Brasileiros. Revista PsicoUsf, 24(2), 361-372. DOI: 10.1590/1413-82712019240212

Lopes, O. G. (2017). Gays afeminados ou a poluição homoerótica. Revista Periódicus, 1(7), 405-422. DOI: 10.9771/peri.v1i7.22287

Machado, W. L., Vissoci, J., & Epskamp, S. (2015). Análise de rede aplicada à Psicometria e à Avaliação Psicológica. In C. S. Hutz, D. R. Bandeira & C. M. Trentini (Orgs.), Psicometria (pp. 125-146). Porto Alegre: ArtMed.

Marques, D. M., & Nardi, H. C. (2011). Anormais, bárbaros e bárbaras: Trajetórias de vida e homossexuais e clínica psicológica. Aletheia, 35-36, 109-122.

Miller, B., & Behm-Morawitz, E. (2016). “Masculine Guys Only”: The effects of femmephobic mobile dating application profiles on partner selection for men who have sex with men. Computers in Human Behavior, 62, 176-185. DOI: 10.1016/j.chb.2016.03.088

Mosher, C. M. (2001). The social implications of sexual identity formation and the coming-out process: A review of the theoretical and empirical literature. The Family Journal, 9(2), 164-173. DOI: 10.1177/1066480701092011

Moura, R. G., Nascimento, R. P., & Barros, D. F. (2017). O problema não é ser gay, é ser feminino: O gay afeminado e as organizações. Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(11), 1478-1541.

Murgo, M. A. J., Huynh, K. D., Lee, D. L., & Chrisler, J. C. (2017). Anti-effeminacy moderates the relationship between masculinity and internalized heterosexism among gay men. Journal of LGBT Issues in Counseling, 11(2), 106-118. DOI: 10.1080/15538605.2017.1310008

Pachankis, J. E., Sullivan, T. J., Feinstein, B. A., & Newcomb, M. E. (2018). Young adult gay and bisexual men’s stigma experiences and mental health: An 8-year longitudinal study. Developmental psychology, 54(7), 1-13. DOI: 10.1037/dev0000518

Parizi, V. (2006). Überman: Mudanças na (auto) imagem masculina, homossexualidade e homofobia analisadas a partir de imagens produzidas por Tom of Finland. Revista História & Perspectivas, 1(35), 57-98.

Plöderl, M., & Tremblay, P. (2015). Mental health of sexual minorities. A systematic review. International review of psychiatry, 27(5), 367-385. DOI: 10.3109/09540261.2015.1083949

Pollak, M. (1984). “A Homossexualidade masculina, ou: A felicidade do gueto?”. In P. Ariès & A. Béjin, Sexualidades ocidentais. São Paulo: Brasiliense.

Puckett, J. A., Feinstein, B. A., Newcomb, M. E., & Mustanski, B. (2018). Trajectories of internalized heterosexism among young men who have sex with men. Journal of youth and adolescence, 47(4), 872-889. DOI: 10.1007/s10964-017-0670-z

Ramos, M. F. H., Pontes, F. A. R., Costa Silva, S. S., & Pereira, E. C. D. C. S. (2020). Técnicas de análise e visualização com grafos na Psicologia: Utilização do NodeXL. Research, Society and Development, 9(8), e608985759. DOI: 10.33448/rsd-v9i8.5759

Ramos, M. M., & Cerqueira-Santos, E. (2019). Escala de Atitudes Negativas sobre Afeminação (ANA): Adaptação e evidências de validade no Brasil. Psico, 50(2), 31342. DOI: 10.15448/1980-8623.2019.2.31342

Ramos, M. M., & Cerqueira-Santos, E. (2020). Afeminação, hipermasculinidade e hierarquia. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 72(1), 159-172.

Ramos, M. M., Costa, A. B., & Cerqueira-Santos, E. (2020). Effeminacy and anti-effeminacy: Interactions with internalized homophobia, outness, and masculinity. Trends in Psychology, 28(3) 1-16. DOI: 10.1007/s43076-020-00025-3

Rezende, R., & Cotta, D. (2015). Não curto afeminado: Homofobia e misoginia em redes geossociais homoafetivas e os novos usos da cidade. Contemporanea-Revista de Comunicação e Cultura, 13(2), 348-365. Link

Rich, A. (2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas-Estudos gays: Gêneros e Sexualidades, 4(5), 17-44.

Rocha, K. B., Barbosa, L. H. R., Barboza, C. Z., Calvetti, P. Ü., Carvalho, F. T., Cerqueira-Santos, E., ... Silva Moura, A. (2009). La atención a la salud en Brasil a partir de la percepción de travestis, transexuales y transgéneros. Forum: Qualitative Social Research, 10(2).

Ross, M. W., & Rosser, B. R. S. (1996). Measurement and correlates of internalized homophobia: A factor analytic study. Journal of Clinical Psychology, 52(1), 15-21. DOI: 10.1002/(SICI)1097-4679(199601)52:1%3C15::AID-JCLP2%3E3.0.CO;2-V

Sánchez, F. J., & Vilain, E. (2012). “Straight-acting gays”: The relationship between masculine consciousness, anti-effeminacy, and negative gay identity. Archives of Sexual Behavior, 41, 111-119. DOI: 10.1007/s10508-012-9912-z

Sánchez, F. J., Blas-Lopez, F. J., Martínez-Patiño, M. J., & Vilain, E. (2016). Masculine consciousness and anti-effeminacy among Latino and White gay men. Psychology of Men & Masculinity, 17(1), 54-63. DOI: 10.1037/a0039465

Silva, A. L. R. D., Finkle, M., & Moretti-Pires, R. O. (2019). Representações sociais de trabalhadores da atenção básica à saúde sobre pessoas LGBT. Trabalho, Educação e Saúde, 17(2), e0019730. DOI: 10.1590/1981-7746-sol00197

Silveira, A. P., & Cerqueira-Santos, E. (2019). Homofobia internalizada e satisfação sexual em casais homossexuais. Psicogente, 22(41), 1-18. DOI: 10.17081/psico.22.41.3307

Skidmore, W. C., Linsenmeier, J. A., & Bailey, J. M. (2006). Gender nonconformity and psychological distress in lesbians and gay men. Archives of sexual behavior, 35(6), 685-697. DOI: 10.1007/s10508-006-9108-5

Souza, E. M., & Pereira, S. J. N. (2013). (Re)produção do heterossexismo e da heteronormatividade nas relações de trabalho: A discriminação de homossexuais por homossexuais. Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 76-105. DOI: 10.1590/S1678-69712013000400004

Swann, G., Forscher, E., Bettin, E., Newcomb, M. E., & Mustanski, B. (2018). Effects of victimization on mental health and substance use trajectories in young sexual minority men. Development and psychopathology, 1-15. DOI: 10.1017/S0954579418001013

Taywaditep, K. J. (2001). Marginalization among the marginalized: Gay men’s negative attitudes towards effeminacy. Doctoral dissertation, University of Illinois at Chicago, Chicago.

Taywaditep, K. J. (2002). Marginalization among the marginalized: Gay men’s anti-effeminacy attitudes. Journal of Homosexuality, 42(1), 1-28. DOI: 10.1300/J082v42n01_01

Tskhay, K. O., & Rule, N. O. (2017). Internalized homophobia influences perceptions of men’s sexual orientation from photos of their faces. Archives of sexual behavior, 46(3), 755-761. DOI: 10.1007/s10508-015-0628-8

Whitman, C. N., & Nadal, K. L. (2015). Sexual Minority Identities: Outness and Well-Being Among Lesbian, Gay, and Bisexual Adults. Journal of Gay & Lesbian Mental Health, 19(4), 370-396. DOI: 10.1080/19359705.2015.1038974

Zago, L. F., & Seffner, F. (2008). Masculinidades disponíveis. Com sobre como dizer-se homem gay no ciberespaço. In Universidade Federal de Santa Catarina(Org.), VIII Anais do Congresso Fazendo Gênero: Corpo, Violência e poder. Florianópolis: UFSC.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e10752

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia