Travessias Artísticas de Ai Weiwei: Um Olhar Psicanalítico sobre o Sujeito, o Tempo e o Estrangeiro na Obra Lei da Jornada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i3.e10830

Palavras-chave:

psicanálise, arte, sujeito, tempo, estrangeiro

Resumo

Esse artigo analisa a obra Lei da jornada (Law of the journey) do artista contemporâneo Ai Weiwei. Para isso, utiliza-se o método psicanalítico da atenção flutuante de modo a investigar a obra como uma formação do inconsciente, sintoma de um tempo que interroga contextos e obras que extrapolam as intencionalidades do artista. Perscruta-se a densidade da imagem e do universo simbólico que constitui a obra, operando com os conceitos freud-lacanianos de sujeito, estrangeiro e uma concepção híbrida de tempo. A reflexão desdobra-se em discussões sobre o unheimliche (infamiliar), o trauma e a diferença, buscando, no enlace com a obra, problematizar questões subjetivas, políticas e históricas tocantes às jornadas dos refugiados.

Biografia do Autor

Lucas de Oliveira Alves, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicólogo, Psicanalista. Doutorando no PPG em Psicologia Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Ana Lúcia Mandelli de Marsillac, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicóloga, Psicanalista, Pós-doutora pela Universidade Nova de Lisboa. Dra. Artes Visuais – História, teoria e crítica Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora Adjunta do Departamento de Psicologia da UFSC. Professora do PPG em Psicologia UFSC.

Referências

Agamben, G. (2008). O que resta de Auschwitz: Arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). São Paulo: Boitempo.

Agamben, G. (2009). O que é contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos.

Alves, L. O., Bloss, G. M., & Marsillac, A. L. M. (2020). Politics of memory in the works of Rosângela Rennó: Body, trauma and anachronism. Funes. Journal of Narratives and Social Sciences, 4 (2020), 94-111. doi:10.6093/2532-6732/7469.

Arendt, H. (2013). Nós, os refugiados. Covilhã: Lusosofia. (Original publicado em 1943).

Marsillac, A. L. M. (2018). Aberturas utópicas: Arte, política e psicanálise. Curitiba: Appris.

Marsillac, A. L. M. (2019). Estrangeiros no deserto. Correio APPOA, 286. Recuperado em: http://www.appoa.org.br/correio/edicao/286/estrangeiros_no_deserto/705

Arroyo, F. (2018, abril). Giorgio Agamben: O estado de exceção se tornou norma. Recuperado em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/19/cultura/1461061660_628743.html

Artpil. (2017, 25 dezembro). Law of the journey / Ai Weiwei [Through Jan. 7, 2018. National Gallery Prague]. Recuperado em https://artpil.com/news/law-of-the-journey-ai-weiwei/

Barry, K. (2019). Art and materiality in the global refugee crisis: AiWeiwei’s artworks and the emerging aesthetics of mobilities. Mobilities, 14 (2), 204-217. doi: 10.1080/17450101.2018.1533683.

Bauman, Z. (1998). Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Zahar.

Benjamin, W. (1987a). Franz Kafka. A propósito do décimo aniversário de sua morte. In W. Benjamin. Magia e técnica: Arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 137-164). São Paulo: Editora Brasiliense. (Original publicado em 1934).

Benjamin, W. (1987b) Sobre o conceito de história. In W. Benjamin, Magia e técnica: Arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 222-234). São Paulo: Editora Brasiliense. (Original publicado em 1940).

Dantas, M. (2018). Ai Weiwei Raiz. São Paulo: UBU.

Didi-Huberman, G. (2010). O que vemos, o que nos olha (2a ed.). São Paulo. Editora 34.

Didi-Huberman, G. (2011). Sobrevivência dos Vaga-Lumes. Belo Horizonte: UFMG.

Didi-Huberman, G. (2015). Diante do tempo: História da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Freud, S. (1996a). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (Vol. 12, pp. 123-136). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1912).

Freud, S. (1996b). Psicologia de grupo e análise do ego. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (Vol. 18, pp.75-148). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1921).

Freud, S. (1996c). O ego e o id. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (Vol. 19, pp. 15-84). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1923).

Freud, S. (2019). O infamiliar [Das Unheimliche] - Edição comemorativa bilíngue. São Paulo: Autêntica. (Original publicado em 1919).

GQ. (2017, 15 março). Ai Weiwei prepara escultura inflável de 70 m sobre crise dos refugiados. Recuperado em: https://gq.globo.com/Cultura/noticia/2017/03/ai-weiwei-prepara-escultura-inflavel-de-70m-sobre-crise-dos-refugiados.html

Homero. (2017). A Odisseia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Original publicado no séc. VIII a. C.).

Kilomba, G. (2019). Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó Ed.

Koltai, C. (2000). Política e psicanálise: O estrangeiro. São Paulo: Escuta.

Lacan, J. (1985). O Seminário, Livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise (1954-55). Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Lacan, J. (1992). O Seminário, Livro 8: A transferência (1960-61). Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Lacan, J. (1995). O Seminário, Livro 4: A relação de objeto (1956-57). Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Lacan, J. (1999). O Seminário, Livro 5: As formações do inconsciente (1957-58). Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Lacan, J. (2007). O seminário, Livro 23: O sinthoma (1975-76). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 14: A lógica do fantasma (1966-67). Recife: Centro de Estudos Freudianos do Recife.

Lacan, J. (2016). Os não-tolos vagueiam (1973-74). Salvador: Espaço Moebius.

Lanzmann, C. (Direção). (1985). Shoah [Filme cinematográfico]. Les Films Aleph/Historia Films.

Levi, P. (2013). É isto um homem? São Paulo: Rocco.

Quinet, A. (2012). Os Outros em Lacan. Rio de Janeiro: Zahar.

Rivera, T. (2018). O avesso do imaginário: Arte contemporânea e psicanálise. São Paulo: Sesi-SP.

Rubin, N. (2015, 01 maio). Vik Muniz lança barquinho de papel no mar de Veneza. Recuperado em: https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/vik-muniz-lanca-barquinho-de-papel-no-mar-de-veneza-16033456

Safatle, V. (2018). O circuito dos afetos. Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Sousa, E. L. A. (2013). Agulhas para desativar bombas. Revista Polêm!ca, 12 (3), 385-396. Recuperado em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/8007/5843

Velasco, S. (2017, 14 agosto). Ai Weiwei fala de sua intimidade com a questão dos refugiados: ‘Sempre fui visto como estrangeiros’. Recuperado em https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/ai-weiwei-fala-de-sua-intimidade-com-questao-dos-refugiados-sempre-fui-visto-como-estrangeiro-21702268

Žižek, S. (2008). A visão em paralaxe. São Paulo: Boitempo.

Weiwei, A. (Direção). (2017). Human Flow [Filme cinematográfico]. AC Films/Participant Media.

Weiwei, A. (Direção). (2020). Coronation [Filme cinematográfico]. AWW Germany.

Downloads

Publicado

10.01.2022

Como Citar

Alves, L. de O., & de Marsillac, A. L. M. (2022). Travessias Artísticas de Ai Weiwei: Um Olhar Psicanalítico sobre o Sujeito, o Tempo e o Estrangeiro na Obra Lei da Jornada. Revista Subjetividades, 21(3), e10830. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i3.e10830

Edição

Seção

Estudos Teóricos