Freud, a Alteridade e as Massas: Da Metapsicologia à Ética

Mauricio Rodrigues de Souza, Raphael Santos das Mercês

Resumo


O presente trabalho objetiva debater a noção de alteridade em Freud e suas implicações. Para tanto, partiu de uma pesquisa de cunho teórico que privilegiou um texto em particular. Trata-se de Psicologia das Massas e Análise do Eu, o qual, pela via de conceitos metapsicológicos, como os de libido e identificação, traça uma linha de raciocínio sobre a diferença que transita de maneira fluida entre terrenos aparentemente tão díspares quanto aqueles do individual e do coletivo. Em termos de resultados, destaca o quanto a perspectiva freudiana aponta para um eu que se constitui não pela via de algum solipsismo ingênuo e potencialmente deletério, mas a partir das interações que ele inevitavelmente estabelece com outro que se apresenta em uma míriade de imagos bastante variadas. À guisa de conclusão, reafirma tanto a abrangência quanto a importância do deslocamento promovido por Freud em seu trato com a questão da alteridade na medida em que este fornece uma perspectiva suplementar em relação aos discursos correntes, desvelando, assim, níveis mais complexos de sensibilidade acerca da diferença para além da mera referencialidade no interior de teias de sentido predeterminadas.

Palavras-chave


alteridade; pensamento freudiano; psicologia das massas.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Adorno, T. W. (2015). Teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. In T. W. Adorno, Ensaios sobre psicologia social e psicanálise (pp. 153-189). São Paulo: Editora UNESP.

Benjamin, W. (1987). A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In W. Benjamin, Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (7a ed., pp. 165-196). São Paulo: Brasiliense. (Originalmente publicado em 1955)

Birman, J. (2000). A psicanálise e a crítica da modernidade. In R. Herzog (Org.), A psicanálise e o pensamento moderno (pp. 109-130). Rio de Janeiro: Contra Capa.

Cassin, B. (2014). Dictionary of Untranslatables: A philosophical lexicon. United Kingdom: Princeton University Press.

Elia, L. (2010). O conceito de sujeito (3a ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Enriquez, E. (1999). Da horda ao estado: Psicanálise do vínculo social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Estevão, I. R. (2016). Narcisismo histórico ou constitutivo: entre a sociedade narcísica e o exercício da singularidade. In J. Birman et al (Orgs.), Amar a si mesmo e amar o outro: narcisismo e sexualidade na psicanálise contemporânea (1a ed., pp. 128-138). São Paulo: Zagodoni.

Ferreira, A. B. H. (2009). Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa (2a ed.). Curitiba: Positivo.

Freud, S. (2011). Psicologia das massas e análise do eu. In S. Freud, Sigmund Freud: Obras completas (Vol. 15, pp. 13-113). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1921)

Freud, S. (2013). O tabu da virgindade (Contribuições à psicologia do amor III). In S. Freud, Sigmund Freud: Obras completas (Vol. 9, pp. 364-387). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1918)

Fuks, B. B. (2007). O pensamento freudiano sobre a intolerância. Psicologia Clínica, 19(1), 2007, 59-73.

Guimarães, V., & Celes, L. (2007). O psíquico e o social numa perspectiva metapsicológica: O conceito de identificação em Freud. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3), 341-346.

Horkheimer, M., & Adorno, T. W. (1973). A massa. In M. Horkheimer & T. W. Adorno, Temas básicos da sociologia (pp. 78-91). São Paulo: Cultrix. (Originalmente publicado em 1956)

Houaiss, A. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Jonsson, S. (2013). After individuality: Freud’s mass psychology and Weimar politics. New German Critique, 40(2), 53-75.

Koltai, C. (2000). Política e psicanálise: o estrangeiro. São Paulo: Escuta.

Kristeva, J. (1994). Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco.

Kuster, E. M. P. (2007). Baudelaire e a construção do novo olhar sobre o espaço urbano. Territórios e Fronteiras, 7, 277-286.

Laclau, E. (2005). La razón populista. Buenos Aires: FCE.

Le Bon, G. (1995). Psychologie des foules (5a ed.). Paris: PUF.

Lothane, Z. (2006). Mass psychology of the led and the leaders. International Forum of Psychoanalysis, 15(3), 183-192.

McDougall, W. (1973). The group mind. Cambridge: Cambridge University Press.

Moscovici, S. (1986). The discovery of the masses. In S. Moscovici, & C. F. Graumann (Orgs.), Changing conceptions of crowd mind and behaviour (pp. 5-26). New York: Springer-Verlag.

Parker, I. (1997). Psychoanalytic Culture: Psychoanalytic Discourse in Western Society, London: Sage.

Penna, A. G. (1994). Freud e a sociologia. In A. G. Penna, Freud, as ciências humanas e a filosofia (pp. 9-30). Rio de Janeiro: Imago.

Penna, C. (2014). Inconsciente social. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Reino, L. M. G., & Endo, P. C. (2012). Três versões do narcisismo das pequenas diferenças em Freud. Trivium, 1, 16-26.

Scharinger, J. P., & Chatelard, D. S. (2010). Freud: pensador da diferença. Revista Mal-estar e Subjetividade, 10(2), 399-424.

Souza, M. R. (2015). Experiência do outro, estranhamento de si: Dimensões da alteridade em antropologia e psicanálise. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Tarde, G. (1992). As multidões e as seitas criminosas. In G. Tarde, A opinião e as massas (pp. 155-209). São Paulo: Martins Fontes.

Tarde, G. (1993). Les lois de l’imitation. Paris: Kimé. (Originalmente publicado em 1888)

Trotter, W. (1953). Instincts of the herd in peace and war. New York: MacMillan.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i1.e10887

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia