No Início do Caminho tinha um Furo: Sujeito, Linguagem e Figuração do Real

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e10888

Palavras-chave:

linguagem, furo, discurso, real, simbólico.

Resumo

O presente artigo visa discutir as concepções de sujeito, linguagem, discurso e figuração do real como estando intimamente ligadas e articuladas pela noção lacaniana de furo (trou). Apesar de essa última noção ser explicitada tardiamente dentro do ensino desse psicanalista, podemos encontrar outras indicações do que seria esse furo estrutural desde o início de suas elaborações. A partir do estabelecimento de uma hipótese sobre uma falta de ordem simbólico-estrutural no nível da linguagem, iremos aproximá-la ao conceito de ato discursivo proposto por Benveniste. Sabemos que esses dois autores - Benveniste e Lacan - travaram um extenso diálogo ao longo da construção de suas ideias. Porém, aqui, nosso objetivo será demonstrar como as concepções de linguagem e realidade desses autores nos levam, irremediavelmente, à seguinte hipótese: não é porque o mundo é dizível que a linguagem existe, mas, ao contrário, é a linguagem que torna o mundo indizível, pois nela própria está a impossibilidade de dizê-lo.

Biografia do Autor

Keylla Barbosa, Université Paris Diderot - Paris VII

Psicóloga pela UFSCar, Especialista em Saúde Mental em Saúde Pública pela UNICAMP, Mestre em Linguística pela UNICAMP e doutoranda em Psicopatologia e Psicanálise pela Université de Paris.

Thalita Camargo Angelucci, Universidad Nacional de Rosario

Psicóloga pela UFSCar (Brasil) e bolsista de doutorado em Ciências da Educação pela UNR (Argentina). Professora Adjunta no curso de graduação em Ciências da Educação. Membro do grupo de estudos “Línguas, cultura e educação” no IRICE-CONICET (Argentina).

Referências

Althusser, L. (1973). Du Capital à la philosophie de Marx. In L. Althusser & E. Balibar, Lire le Capital (pp. 9-86). Paris: PUF.

Angelucci, T. C. (2017). La lengua materna en la lengua extranjera: Un arma de doble filo. In G. Cariello, G. Ortiz, J. Miranda, D. Bussola, F. Miranda (comp.). Tramos y Tramas IV: culturas, lenguas, literaturas e interdisciplina, estudios comparados (pp. 167-174). Rosario: Laborde Editora.

Angenot, M. (2010). El discurso social: Problemática de conjunto. In M. Angenot, El discurso social. Los límites históricos de lo pensable y lo decible (H. H. García, Trad., pp. 21-50). Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores.

Bajtín, M. M. (2002). El problema de los géneros discursivos. In M. M. Bajtín, Estética de la creación verbal (pp. 248-293). Argentina: Siglo Veintiuno Editores.

Bajtín, M. M., & Voloshínov, V. (1998). La construcción de la enunciación. In M. M. Bajtín, V. Voloshinov, ¿Qué es el lenguaje? La construcción de la enunciación. Ensayo sobre Freud (pp. 43-78). Buenos Aires: Almagesto.

Baricco, A. (2019). The Game. Barcelona: Anagrama.

Benveniste, E. (2015). Problemas de lingüística general I. México: Siglo Veintiuno Editores. (Originalmente publicado em 1966)

Cassin, B. (2016). Éloge de la traduction: Compliquer l'universel. Paris: Fayard.

Derrida, J. (2005). Qu’est-ce qu’une traduction ‘relevante’ ? In J. Derrida, Cahiers de l’Herne (pp. 561-576). Paris: L’Herne. (Originalmente publicado em 1998)

Derrida, J. (2012). El monolingüismo del otro, o la prótesis de origen. Buenos Aires: Manantial. (Originalmente publicado em 1996)

Frege, G. (1978). Sobre o sentido e a referência. In G. Frege, Lógica e Filosofia da Linguagem (pp. 59-86). São Paulo: Cultrix/USP. (Originalmente publicado em 1892)

Lacan, J. (1966-67). Le Séminaire, Livre XIV: La logique du Fantasme. Inédito.

Lacan, J. (1973-74). Le Séminaire, Livre XXI: Les non dupes errent. Inédito.

Lacan, J. (1974-75). Le Séminaire, Livre XX : RSI. Inédito.

Lacan, J. (1976). Clôture des journées des cartels de de l’École freudienne de Paris - EFP le 13 avril 75. Maison de la chimie. Lettre de l’École freudienne. Paris, 18, 263-270. Link

Lacan, J. (1976-77). Le Séminaire, Livre XXIV: L’ insu que sait de l’ une-bévue s ’aile à mourre. Link

Lacan, J. (1979-80). Lettre pour la Cause freudienne du 23 octobre 1980. In J. Lacan, Le Séminaire, Livre XXVII: Dissolution. Inédito.

Lacan, J. (1981). Le Séminaire, Livre III: Les psychoses (1955-56). Paris: Seuil.

Lacan, J. (1998a). Le Séminaire, Livre V: Les formations de l’inconscient (1957). Paris: Seuil.

Lacan, J. (1998b). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In J. Lacan, Escritos. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente pronunciado em 1960)

Lacan, J. (2003). O aturdito. In J. Lacan, Outros escritos (pp. 448-495, Vera Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1973)

Le Gaufey, G. (1991). L’incomplétude du Symbolique: De René Descartes à Jacques Lacan. Paris: EPEL.

Revuz, C. (1998). A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In I. Signorini, Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado (S. Serrani-Infante, Trad., pp. 213-230). Campinas: Mercado das Letras. (Originalmente publicado em 1992)

Safatle, V. (2016). O circuito dos afetos. São Paulo: Autêntica.

Saussure, F. (1977). Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix. (Originalmente publicado em 1916)

Wolfson, L. (1970). Le schizo et les langues. Paris: Gallimard.

Downloads

Publicado

15.09.2021

Como Citar

Barbosa, K., & Angelucci, T. C. (2021). No Início do Caminho tinha um Furo: Sujeito, Linguagem e Figuração do Real. Revista Subjetividades, 21(2), Publicado online: 15/09/2021. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e10888

Edição

Seção

Estudos Teóricos