A “Masculinidade Tóxica” em Questão: Uma Perspectiva Psicanalítica

Yukimi Mori Mesquita, Hevellyn Cielly da Silva Corrêa

Resumo


O trabalho desenvolvido teve como objetivo investigar a “masculinidade tóxica”, termo que ganhou destaque e uso corrente para se referir à violência e à virilidade como características próprias ao masculino. Seu desenvolvimento consistiu em uma ampla pesquisa bibliográfica, que levantou questões acerca do masculino na psicanálise, direcionando-se às obras de Freud e Lacan, e as possíveis relações com as teorias de gênero. Partindo de uma noção não essencialista acerca da masculinidade, levantamos a hipótese de que a noção de homem ou masculino na psicanálise pode ser pensada a partir de, pelo menos, duas perspectivas: a primeira delas corresponde à tentativa de confirmação do semblante homem, no qual a violência aparece como uma tentativa de reparação do rasgo no semblante masculino; a segunda, a partir da noção de gozo fálico que, ao produzir um conjunto “todohomem”, exibe as contraditórias tentativas de unificação deste conjunto, diante das quais a violência e a virilidade são reconhecidas como características que mantêm a ilusão de unidade. Com este exercício de pensamento, consideramos que lançar luz sobre a complexa dinâmica que se condensa no adjetivo “tóxico”, retira-o do caráter insidioso e inescapável presente em seu uso, possibilitando a formulação de outros posicionamentos possíveis para o exercício da masculinidade.

Palavras-chave


masculinidade tóxica; gênero; psicanálise.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ambra, P. E. S. (2014). A noção de homem em Lacan: entre discurso e lógica. In P. E. S. Ambra & N. S. Silva (Orgs.), Histeria e Gênero: sexo como desencontro. (Cap. 7, pp. 172-198). São Paulo: nVersos editora.

American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5 (5a ed., M. I. C. Nascimento et al., Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Bourdieu, P. (2019). A dominação masculina. (15a ed., M. H. Kühner, Trad.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. (Obra original publicada em 1998)

Butler, J. (2017). Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Obra original publicada em 1990)

Courtine, J. (2013). Impossível virilidade. In J. Courtine (Dir.), História da Virilidade: 3. A virilidade em crise?: o século XX e XXI. (pp. 7-12). Rio de Janeiro: Vozes.

Danziato, L. J. B. & Souza, L. B. (2014). Das relações entre identificação e nomeação: o sujeito e o significante. Revista Subjetividades, 14 (Supl.), 53-61. doi: 10.5020/23590777.14.1.53-61

Federici, S. (2017). Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. (Coletivo Sycorax, Trad.). São Paulo: Elefante.

Freud, S. (2011a). A organização genital infantil. In S. Freud, Obras completas, volume 16: O Eu e o Id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925) (Cap.3, pp. 168-175). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1923)

Freud, S. (2011b). A dissolução do Complexo de Édipo. In S. Freud, Obras completas, volume 16: O Eu e o Id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925) (Cap. 6, pp. 203-213). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1924)

Freud, S. (2011c). Algumas consequências psíquicas da diferença anatômica entre os sexos. In S. Freud, Obras completas, volume 16: O Eu e o Id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925) (Cap. 12, pp. 283-299). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1925)

Freud, S. (2013a). Um tipo especial de escolha de objeto feita pelo homem (Contribuições à psicologia do amor I). In S. Freud, Obras completas, volume 9: Observações sobre um caso de neurose obsessiva [“O homem dos ratos”], uma recordação de infância de Leonardo da Vinci e outros textos (1909-1910). (pp. 334-346). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1910)

Freud, S. (2013b). Totem e Tabu. In S. Freud, Obras completas, volume 11: Totem e Tabu, Contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912-1914). (pp. 13-244). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1913)

Freud, S. (2016). A identificação. In S. Freud, Psicologia das massas e análise do eu (Cap. 7, pp. 98-108). Porto Alegre: L&PM. (Obra original publicada em 1921)

Freud, S. (2017). Os chistes e sua relação com o inconsciente. São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1905)

Freud, S. (2018a). A Interpretação dos sonhos – Vol 1 e 2. Porto Alegre: L&PM. (Obra original publicada em 1900)

Freud, S. (2018b). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. Porto Alegre: L&PM. (Obra original publicada em 1901)

Horney, K. (1924). Psicologia feminina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Klein, M. (1928). Estágios iniciais do complexo de edipiano. Rio de Janeiro: Imago.

Lacan, J. (1995). O Seminário, livro 4: A Relação de Objeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Obra original publicada em 1956-1957)

Lacan, J. (1998). A Significação do Falo. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Obra original publicada em 1958)

Lacan, J. (1999). O Seminário, livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Obra original publicada em 1957-1958)

Lacan, J. (2008a). O Seminário, livro 20: Mais Ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Obra original publicada em 1972-1973)

Lacan, J. (2008b). As duas vertentes da sublimação. In J. Lacan, O Seminário, livro 16: De um Outro a outro (Cap. 14, pp. 211-227). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Obra original publicada em 1968-1969)

Lacan, J. (2009). O homem e a mulher. In J. Lacan, O Seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante (Cap. 2, pp. 22-36). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Obra original publicada em 1971)

Lacan, J. (2012). O Seminário, livro 19: Ou Pior. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Obra original publicada em 1971-1972).

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (2001). Masculinidade - Feminidade. In J. Laplanche & J. B. Pontalis, Vocabulário de Psicanálise (pp. 273-274). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1982)

Laqueur, T. W. (2001). Inventando o Sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud (V. Whantely, Trad.). Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Ministério da Saúde. (2017). Ministério da Saúde lança agenda estratégica de prevenção do suicídio. Brasília: Autor. Link

Rubin, G. (1993). O tráfico de mulheres: notas sobre a “Economia Política” do Sexo. Recife: Editora SOS Corpo. (Obra original publicada em 1975)

Scott, J. (1989). Gênero: uma categoria útil para análise histórica (C. R. D. M. B. Ávila, Trad.). Link

Virgili, F. (2013). Virilidades inquietas, virilidades violentas. In J. Courtine, História da Virilidade: 3. A virilidade em crise?: o século XX e XXI (Cap. 3, pp. 82-115). Rio de Janeiro: Vozes.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i1.e10936

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia