Cartagrafias: A Escrita Acadêmica entre Cuidado, Pesquisa e Acolhimento

Bruna Moraes Battistelli, Lílian Rodrigues da Cruz

Resumo


Como narrar a construção de um processo metodológico? Orientado por esta pergunta este artigo tem como objetivo discutir as possibilidades de construção de uma dissertação na forma de objeto a partir dos conceitos de coleção de Walter Benjamin (1987a; 1987b) e de fragmento de Gilles Deleuze (2011; 2013), articulados através do uso de cartas em uma metodologia denominada pela primeira autora como cartagrafia. O conceito de coleção, oriundo da obra de Walter Benjamin, fundamenta a busca por outras possibilidades de montagem para a dissertação em contraponto aos modelos instituídos. Este trabalho relata a experiência de pesquisa durante o mestrado da primeira autora orientada pela segunda autora, a partir de uma pesquisa realizada no campo do acolhimento institucional de crianças e adolescentes, pensando a produção de cuidado na política de Assistência Social. A criação de uma caixa como objeto final teve como foco a abertura da dissertação para múltiplas experimentações. Já o conceito de fragmento auxilia a pensar a escrita e a constituição do processo de pesquisa enquanto ferramenta de produção de cuidado. A escrita de cartas como parte do processo metodológico e da política de escrita teve como fundamentação a necessidade de ampliar os diálogos possíveis no texto acadêmico e aumentar sua capacidade polifônica. O encontro entre Walter Benjamin e Gilles Deleuze se origina na escrita e confecção do objeto final (dissertação) e teve como intenção discutir a possibilidade das cartas e da dissertação-caixa-coleção-de-cartas enquanto política de pesquisa e como ferramenta de produção acadêmica.

Palavras-chave


cartas; escrita; coleção; fragmento

Texto completo:

PDF/A

Referências


Aquino, J. G. (2011). A escrita como modo de vida: Conexões e desdobramentos educacionais. Educação e Pesquisa, 37(3), 641-656. DOI: 10.1590/S1517-97022011000300013

Barros, M. (2010). Poesia completa. São Paulo: Leya.

Battistelli, B. M. (2017). Carta-grafias: entre cuidado, pesquisa e acolhimento. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, 2017. Link

Benjamin, W. (1984). Origem do drama barroco alemão (S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (1987a). Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política (3a ed., S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (1987b). Obras escolhidas II: Rua de mão única (R. R. Torres Filho & J. C. M. Barbosa, Trads.). São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (2009). Passagens (I. Aron, Trad.). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Bolle, W. (2009). Um painel com milhares de lâmpadas: Metrópole & megacidade. In W. Benjamin, Passagens (pp. 1141-1159, I. Aron, Trad.). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Borges, H. (2019a). A clínica contemporânea e o abismo do sentido. Rio de Janeiro: 7Letras.

Borges, H. (2019b). Sopros da pele, murmúrio do mundo. Rio de Janeiro: 7Letras.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2004). Política Nacional de Assistência Social. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Link

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2009). Orientações técnicas: Serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Comte-Sponville, A. (1997). Bom dia, angústia. São Paulo: Martins Fontes.

Corrêa, C. S., & Jobim, S. (2016). Walter Benjamin e o problema do texto na escrita acadêmica. Mnemosine, 12(2), 2-25. Link

Deleuze, G. (2011). Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G. (2013). Conversações. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1997). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia (Vol. 4). São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G., &Parnet, C. (1998). Diálogos (E. A. Ribeiro, Trad.). São Paulo: Escuta.

Demos, T. J. (2002). Duchamp’s Boîte-en-valise: Between Institutional Acculturation and Geopolitical Displacement. Grey Room, 8, 7–37. Link

EPS em Movimento. (2014). Uma conversa sobre fontes narrativas. Link

Ferreira, M. S. (2014). Sobre escrever cartas. In A. G. Bernardes, G. M. Tavares & M. Moraes (Eds.), Cartas para pensar: Políticas de pesquisa em psicologia (pp. 15-22). Vitória: EDUFES.

Foucault, M. A. (2012). Escrita de si. In M. B. Motta (Org.), Ditos e escritos V: Ética, sexualidade, política (3a ed., pp. 141-157). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

Guerra, R. R., Filho. (2016). FLORianópolisNOSãojosédosCAMPOS. Na mala, autobiografemas: Sonoro, imagético e verbal. Tese de Doutorado, Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, SP. Link

Larrosa, J. (2015). Tremores: Escritos sobre experiência. São Paulo: Autêntica.

Lazzaratto, G. D. R. (2012). Experimentar.In T. M. G. Fonseca, M. L. Nascimento & C. Maraschin (Orgs.), Pesquisar na diferença (pp. 101-103). Porto Alegre: Sulina.

Maraschin, C., &Raniere, E. (2012). Bricolar.T. M. G. Fonseca, M. L. Nascimento & C. Maraschin (Orgs.), Pesquisar na diferença (pp. 41-44). Porto Alegre: Sulina.

Merhy, E. (Org.). (2011). Pesquisa saúde mental: Acesso e barreira em uma complexa rede de cuidado: O caso de Campinas (Relatório final CNPq, Processo 575121/2008 4). Campinas: UNICAMP.

Moraes, M. (2010). Pesquisar COM: Política ontológica e deficiência visual. In: M. Moraes & V. Kastrup (Orgs.). Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa COM pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau Editora / Faperj.

Ó, J. R., & Aquino, J. G. (2014). Em direção a uma nova ética do existir: Foucault e a experiência da escrita. Educação e Filosofia, 28(55), 199-231. DOI: 10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v28n55a2014-p199-231

Rolnik, S. (2011). Cartografia sentimental:Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina.

Rolnik, S. (2018). Esferas da insurreição: Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 Edições.

Schiffer, A. C. R., & Abrahão, A. L. (2014). Interferindo nos microprocessos de cuidar em saúde mental. In M. P. C. Gomes, & E. E. Merhy (Eds.), Pesquisadores IN-MUNDO: Um estudo da produção do acesso e barreira em saúde (pp. 89-103). Porto Alegre: Editora Rede UNIDA. Link

Sehn, C. (2012). Cartas-corpos. Trabalho de Conclusão da Residência, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS. Link

Silva, E. (2009). O circo: Sua arte e seus saberes. In E. Silva, & L. A. Abreu, Respeitável público... O circo em cena (pp. 37-194). Rio de Janeiro: Funarte. Link

Zucolotto, M. P. R. (2014). A escrita em transversal: Tempo, errância e experimentações no escrever. Tese de Doutorado, Departamento de Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS. Link




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e11048

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia