Proposições para um Método Fenomenológico Hermenêutico para a Pesquisa de Campo

Ana Maria Monte Coelho Frota, Elza Maria Socorro Dutra

Resumo


Este artigo trata de reflexões acerca da construção de um método de pesquisa em psicologia inspirado na filosofia de Martin Heidegger. Para tanto, inicia discutindo sobre a fenomenologia. Em seguida, debruça-se sobre Heidegger, discutindo brevemente alguns elementos de sua ontologia, sempre no sentido de aproximação de um caminho possível de pesquisa fenomenológica que se oriente nessa direção. Finalmente, apresenta o círculo hermenêutico, tal qual proposto por Heidegger, sugerindo possíveis caminhos de pesquisa fenomenológica com inspiração heideggeriana. Mais do que apresentar um modelo de pesquisa, procura abrir discussões geradoras de novas reflexões.

Palavras-chave


hermenêutica; psicologia fenomenológica; metodologia; círculo hermenêutico.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Andrade, C. C., & Holanda, A. F. (2010). Apontamentos sobre pesquisa qualitativa e pesquisa empírico-fenomenológica. Revista Estudos de Psicologia (Campinas), 27(2), 259-268.

Azevedo, A. K. (2013). Não há você sem mim: Histórias de mulheres sobreviventes de uma tentativa de homicídio. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, RN.

Casanova, M. (2011). Introdução. In W. Dilthey, Ideias sobre uma psicologia descritiva e analítica. M. A. Casanova, Trad., (pp. 7-22). Rio de Janeiro: Via Verita.

Critelli, D. (1996). Analítica do sentido: Uma aproximação e interpretação do real. São Paulo: Brasiliense.

DeCastro, T. G., & Gomes, W. B. (2011). Aplicações do método fenomenológico à pesquisa em psicologia: tradições e tendências. Estudos de Psicologia, 28(2), 153-161.

Dilthey, W. (2011). Ideias sobre uma psicologia descritiva e analítica (M. A. Casanova, Trad.). Rio de Janeiro: Via Verita.

Dutra, E. (2002). A narrativa como técnica de pesquisa fenomenológica. Estudos de Psicologia (Natal), 7(2), 371-378.

Dutra, E. (2016). Rogers and Heidegger: Is a gathering for a new view of the self possible? Revista Estudos de Psicologia (Campinas), 33(3), 413-423.

Feijoo, A. M. L. C. (2018). Metà-Hodós: Da fenomenologia hermenêutica à psicologia. Phenomenological Studies - Revista da Abordagem Gestáltica, 24(3), 329-339.

Feijoo, A. M. L. C., & Goto, T. A. (2016). É possível a Fenomenologia de Husserl como método de pesquisa em Psicologia? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(4), 1-9.

Frota, A. M. M. C., & Dutra, E. (2018). Encontros e (des)encontros entre as hermenêuticas de Heidegger e Gadamer. In E. Dutra (Org.). O Dessassosego humano na contemporaneidade (pp. 45-68). Rio de Janeiro: Via Veritas.

Gadamer, H. (1997). Verdade e método: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gendlin, E. (1978/1979). Befindlickeit: Heidegger and the philosophy of Psychology. Journal of Existential Psychology and Psychiatry, 16(1-3), 43-71.

Gondin, E., & Rodrigues, O. (2009). O Transcendentalismo de Heidegger: Um resumo. Revista de Humanidades e Ciências Sociais, 5. Link

Goze, T., Paiva, J., Bloc, L., Naudin, J., & Moreira, V. (2019). A fenomenologia como base epistemológica e ética do movimento desalienista na França e no Brasil. Phenomenological Studies - Revista da Abordagem Gestáltica, 25(3), 274-281.

Heidegger, M. (2001). Seminários de Zollikon. Petrópolis, RJ: Vozes. (Originalmente publicado em 1987)

Heidegger, M. (2003). A caminho da linguagem. Petrópolis: Vozes. (Originalmente publicado em 1959)

Heidegger, M. (2008). Introdução à filosofia. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1996)

Heidegger, M. (2015). Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes. (Originalmente publicado em 1927)

Husserl, E. (2014a). Interpretações lógicas prolegômenos à lógica. São Paulo: Forense Universitária. (Originalmente publicado em 1900)

Husserl, E. (2014b). Investigações para a fenomenologia e a teoria do conhecimento. São Paulo: Forense Universitária. (Originalmente publicado em 1901)

Maux, A. A. B. (2014). Masculinidade à prova: um estudo de inspiração fenomenológico-hermenêutico sobre a infertilidade masculina. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, RN.

Maza, L. M. (2005). Fundamentos de la filosofía hermenêutica: Heidegger y Gadamer. Revista Teologia y Vida, XLVI, 122-138.

Missaggia, J. O. (2011). As origens do método heideggeriano: o desenvolvimento das indicações formais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, RS.

Moreira, R. B., & Souza, A. M. (2016). Contribuições do método fenomenológico empírico para estudos em psicologia no Brasil: Revisão integrativa da literatura. Revista NUFEN, 8(1).

Moreira, V. (2004). O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em Psicopatologia. Psicologia: reflexão e crítica, 17(3), 447- 456.

Sá, R. N., & Barreto, C. L. B. (2011). A noção fenomenológica de existência e as práticas psicológicas clínicas. Revista Estudos de Psicologia (Campinas), 28(3).

Schneider, D. R. (2019). Caminhos históricos e epistemológicos da psicopatologia: contribuições da fenomenologia e existencialismo. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 1(2), 62-76.

Silva, E. F. G. (2018). Pesquisa qualitativa em psicologia clínica: uma possibilidade metodológica em diálogo com a fenomenologia hermenêutica. Revista Pesquisa Qualitativa, 6(11), 145-159.

Silva, R. S. (2000). Gadamer e a Herança Heideggeriana. Revista Portuguesa de Filosofia, 56, 521-541.

Silva, R. S. (2012). Sentido, interpretação e verdade: Uma perspectiva analítica e hermenêutica. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.

Silva, R. S. (2013). O círculo hermenêutico e a distinção entre ciências humana se ciências naturais. Ektasis: Revista de Fenomenologia e Hermenêutica, 1(2), 54-72.

Stein, E. (1983). A questão do método na Filosofia: Um estudo do modelo heideggeriano. Porto Alegre: Movimento.

Stein, E. (2014). Gadamer e a Consumação da Hermenêutica. Problemata: Revista Internacional Filosofia, 5(1), 204-226.

Tolfo, R. (2010). Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento de Charles Guignon [Resumo]. In Universidade Estadual de Santa Cruz (Org.). Resumos do IV Seminário de História e Filosofia da Ciência (p. 8). Ilhéus: UESC.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e11305

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia