Cartografias e Percursos de Mulheres Artesãs que Aprendem, Ensinam e Trabalham

Daniele Vitória Lima, Camila Barbosa Campelo, Ana Carolina Rios Simoni, Ana Karenina Arraes Amorim

Resumo


O presente artigo trata de uma pesquisa-intervenção que ocorreu atrelada ao estágio supervisionado do curso de Psicologia, nos meses de abril a setembro de 2019, tendo como foco uma imersão territorial no bairro das Rocas, da cidade de Natal/RN. As intervenções tiveram como foco o Centro de Convivência e Cultura (CECCO) das Rocas, dispositivo de saúde mental que integra a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Imersas no cotidiano do dispositivo, as intervenções buscaram fortalecer um dos grupos que compõe o CECCO, voltado para as oficinas de artesanato com mulheres com diagnóstico de transtorno mental. Para tanto, apoiaram-se nos valores da economia solidária, fomentando a geração de renda para as suas integrantes. Com a ação orientada pela cartografia e pelo referencial teórico-metodológico da análise institucional, buscou-se compreender como a produção de saúde, articulada à arte e ao trabalho, influencia na condição de mulher artesã e de um coletivo heterogêneo.

Palavras-chave


saúde mental; mulheres; artesanato.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alvarez, A. P. E., Silva, J. O., & Oliveira, A. C. M. (2016). Centro de convivência e cultura: Diálogos sobre autonomia e convivência. ECOS: Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 6(1), 5-19.

Amorim, A. K. A., & Dimenstein, M. (2009). Desinstitucionalização em saúde mental e práticas de cuidado no contexto do serviço residencial terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1),195-204, 2009. DOI: 10.1590/S1413-81232009000100025

Amorim, A. K. M. A., Severo, A. K. S., & Romagnoli, R. C. (2015). Cartografia de um grupo-pensamento em saúde mental: Experimentações rizomáticas no que a vida pode mais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 25(2), 657-678. DOI: 10.1590/S0103-73312015000200017

Baremblitt, G. (2002). Compêndio de análise institucional (4a ed.). Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Barroso, H. C., & Frota, M. H. P. (2010). A trama do trabalho artesanal para mulheres cearenses: Desvendando códigos de gênero. In Universidade Federal de Santa Catarina (Org.), Anais do 9º Seminário Internacional Fazendo Gênero. Florianópolis, SC: UFSC. Link

Benjamin, W. (1994). O narrador. In W. Benjamin, Magia e técnica, arte e política (pp. 197-221). São Paulo: Editora Brasiliense.

Cavalcante, S., Mourão, A., & Gunther, H. (2018). Perambular. In S. Cavalcante & G. A. Elali (Orgs.). Psicologia ambiental: Conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. (pp. 167-176). Petrópolis, RJ: Vozes.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). Introdução: Rizoma. In: G. Deleuze & F. Guattari, Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia (pp. 11-37). Rio de Janeiro: Ed. 34.

Favret-Saada, J. (2005). Ser afetado. Cadernos de Campo, 13, 155-161. Link

Foucault, M. (2001). História da sexualidade. Rio de Janeiro: Graal.

Guattari, F., & Rolnik, S. (1986). Micropolítica: Cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes.

João do Rio (s.d.). A alma encantadora das ruas [Domínio Público]. Link

Kastrup, V., & Passos, E. (2013). Cartografar é traçar um plano comum. Fractal, Revista de Psicologia, 25(2), 263-280. DOI: 10.1590/S1984-02922013000200004

Lei nº 10.216 de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Link

Lourau, R. (1990). Implication et surimplication. La Revue du Mauss, 10, 110-119.

Lourau, R. (2004). Implicação e sobreimplicação. In S. Altoé (Org), René Lourau: Analista institucional em tempo integral (pp.186-198). Rio de Janeiro: Hucitec.

Mónico, L. S., Alferes, V. R., Castro, P. A., & Parreira, P. M. (2017). A observação participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. In Escola Superior de Enfermagem de Lisboa (Org.), Anais do VIII Congresso de Investigação Qualitativa em Ciências Sociais: CIAQ-2017 (vol. 3, pp. 724-733). Lisboa: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa. Link

Pacheco, M. L. (2013). Saúde mental e economia solidária: Trabalho como dispositivo de autonomia, rede social e inclusão. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília. Link

Pezzato, L. M., & L’abbate, S. (2011). O uso de diários como ferramenta de intervenção da análise institucional: Potencializando reflexões no cotidiano da saúde bucal coletiva. Physis Revista de Saúde Coletiva, 21(4), 1297-1314. DOI: 10.1590/S0103-73312011000400008

Portaria nº 3.088, de 23 dezembro de 2011. Republicada em 21 de maio de 2013. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Link

Ramos do Ó, J. (2019). Ouvir falar o pensamento, aprender a falar o pensamento no interior da universidade: O testemunho dos “professores” Michel Certeau, Gilles Deleuze, Michel Foucault e Roland Barthes. Revista Brasileira de Educação, 24, e240021. DOI: 10.1590/S1413-24782019240021

Rocha, M. L., & Aguiar, K. F. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(4), 64-73. DOI: 10.1590/S1414-98932003000400010

Rodrigues, A. C., & Yasui, S. (2016). Oficinas de geração de trabalho e renda na atenção psicossocial: Reflexões sobre um equipamento e suas produções de cuidado. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 8(20), 1-23. Link

Rodrigues, R. C., Marinho, T. P. C., & Amorim, P. (2010). Reforma psiquiátrica e inclusão social pelo trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 15(Suppl. 1), 1615-1625. DOI: 10.1590/S1413-81232010000700073

Romagnoli, R. C. (2014). O conceito de implicação e a pesquisa intervenção institucionalista. Psicologia & Sociedade, 26(1), 44-52. DOI: 10.1590/S0102-71822014000100006

Romero, M. L., & Zamora, M. H. (2016). Pesquisando cidade e subjetividade: Corpos e errâncias de um flâneur-cartógrafo. Psicologia em Estudo, 21(3), 451-461. DOI: 10.4025/psicolestud.v21i3.29787

Severo, A. K., & Freire, F. H. M. A. (2014). O delineamento da Rede de Atenção Psicossocial: Reflexões a partir das experiências dos trabalhadores de saúde e assistência social. In A. K. S. Severo, A. K. L. Lima & A. R. Ferreira Júnior (Orgs.), Compondo redes para atenção à saúde: Experiências diversas, olhares afins (pp. 67-88). Natal: EdUnP.

Singer, P. (2002). Introdução à economia solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Stopa, R. (2019). O direito constitucional ao Benefício de Prestação Continuada (BPC): O penoso caminho para o acesso. Serviço Social & Sociedade, (135), 231-248. DOI: 10.1590/0101-6628.176

Teixeira, R. R. (2015). As dimensões da produção do comum e a saúde. Saúde e Sociedade, 24(Suppl. 1), 27-43. DOI: 10.1590/s0104-12902015s01003

Zambillo, M., & Palombini, A. L. (2017). Autonomias errantes: Processos de autonomização em saúde mental. Estudos de Psicologia (Natal), 22(1), 78-88. DOI: 10.22491/1678-4669.20170009

Zanello, V., Fiuza, G., & Costa, H. S. (2015). Saúde mental e gênero: Facetas gendradas do sofrimento psíquico. Fractal: Revista de Psicologia, 27(3), 238-246. DOI: 10.1590/1984-0292/1483




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i1.e11351

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia