Experiência Urbana Gay na Cidade: uma Revisão Sistemática

Conteúdo do artigo principal

Victor Hugo Belarmino
Magda Diniz Bezerra Dimenstein

Resumo

A experiência urbana nas cidades contemporâneas consiste em um tema que atrai o interesse de pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, movidos pelo compromisso ético-político de enfrentamento às racionalidades e discursos que corroboram para o esvaziamento da experiência urbana e reforçam mecanismos de exclusão nas cidades, disciplinarização, higienização, homogeneização e segregação dos corpos considerados abjetos e indesejáveis. Nesse campo, a experiência urbana de homens gays, entretanto, é um tema ainda pouco explorado, apesar de demonstrar ser capaz de produzir modos de subjetivação na cidade, subverter e ressignificar os usos esperados dos espaços. Portanto, partindo da interrogação acerca dos efeitos de uma cidade excitada pela homossexualidade, objetiva-se analisar de que modo a experiência urbana de homens gays cisgêneros tem sido abordada na literatura científica. Para tanto, realizou-se revisão sistemática da literatura de artigos indexados no Portal de periódicos CAPES publicados até abril de 2020. Ao longo dos anos, o tema cresce em número de publicações. Demonstrou ser majoritariamente desenvolvido nas Ciências Humanas, a partir de abordagem qualitativa. Há predomínio de pesquisadores do sexo masculino, os quais realizam imersão em campo. Dois eixos de análise condensam as principais discussões desses artigos: (1) Gestão das Diferenças na cidade; e (2) Homossociabilidade e fragmentação das experiências urbanas. O primeiro, aborda a articulação entre os processos de generificação-gentrificação dos espaços e os marcadores sociais da diferença: espaços públicos, estabelecimentos comerciais/de consumo/de lazer e ambientes virtuais apresentam diferentes graus de abertura à gestão das diferenças na cidade. O segundo, explora as próprias relações homossexuais mediadas por normas sociais e relações de poder, revelando uma homossexualidade estilhaçada em diversos estereótipos. A concentração em cidades metropolitanas, nos espaços e momentos de lazer/divertimento ou em usos mediados pelo consumo são algumas limitações desses estudos, ao reforçarem um modelo global de gay, descarrilhado das experiências cotidianas.

Detalhes do artigo

Seção
Estudos Teóricos
Biografia do Autor

Victor Hugo Belarmino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Magda Diniz Bezerra Dimenstein, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em Saúde Mental. Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFRN.

Referências

Albertini, R. Z., Costa, M. L., & Miranda, R. L. (2019). Narrativas fora do armário: A identidade sexual de homens gays na cidade. Revista Subjetividades, 19(2), 1-14. DOI: 10.5020/23590777.rs.v19i2.e9253

Almeida, Á., Castro, P., Razuck, F., & Mamede, W. (2017). Gênero e identidade masculina no novo milênio: A homoafetividade e a visão social baseada na filosofia comportamental gØy (g-zero-y). Psicología, Conocimiento y Sociedad, 7(1), 199-225. DOI: 10.26864/v7n1.9

Antunes, M. C., & Paiva, V. S. F. (2013). Territórios do desejo e vulnerabilidade ao hiventre homens que fazem sexo com homens: Desafios para a prevenção. Temas em Psicologia, 21(3), 1125-1143. DOI: 10.9788/TP2013.3-EE17PT

Batista, L. (2019). Cotidiano de uma experiência urbana informe: Dilaceramentos, trajetórias e políticas do comum. Psicologia & Sociedade, 31, e216914. DOI: 10.1590/1807-0310/2019v31216914

Braz, C. (2014). De Goiânia a ‘Gayânia’: notas sobre o surgimento do mercado “GLS” na capital do cerrado. Revista Estudos Feministas, 22(1), 277-296. DOI: 10.1590/S0104-026X2014000100015

Britto, F. D., & Jacques, P. B. (2012). Corpo e cidade: Coimplicações em processo. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, 19(1/2), 142-155. DOI: 10.35699/2316-770X.2012.2716

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de janeiro: Civilização Brasileira.

Butler, J. (2018). Corpos em aliança e a política das ruas: Notas para uma teoria performativa da assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Caggiano, S., & Segura, R. (2014). Migración, fronteras y desplazamientos en la ciudad. Dinámicas de la alteridad urbana en Buenos Aires. Revista de Estudios Sociales, 48, 29-42. DOI: 10.7440/res48.2014.03

Campos, D. A., & Moretti-Pires, R. O. (2018). Trajetórias sociais de gays e lésbicas moradores de rua de Florianópolis (SC), 2016. Revista Estudos Feministas, 26(2), e45995. DOI: 10.1590/1806-9584-2018v26n245995

Cardoso, W. (2015). Everyday anthropology and oldering experience or to think “ male homosexuality” and “gay aging” from soure (Marajó/Pará). Revista do NUFEN, 7(1), 87-108.

Carman, M. (2010) ¿La clase social entre paréntesis? El caso de la Aldea Gay en Buenos Aires. Revista Katálysis, 13(1), 49-58. DOI: 10.1590/S1414-49802010000100006

Chaves, A. P. N., & Aquino, J. G. (2016). Rastros de uma heterotopia urbana: O caso do Parque Ibirapuera, SP. ETD - Educação Temática Digital, 18(4), 802-819. DOI: 10.20396/etd.v18i4.8646408

Clemente, A., & Lavrador, M. C. C. (2013). Habitar a cidade, a via pública e a luz da meia noite. Mnemosine, 9(2), p. 250-270.

Costa, L. A. (2014). Da exclusão à exclusividade: As fronteiras da cidade como arquivo das infâmias. In T. M. G. Fonseca, C. A. Cardoso Filho & M. F. Resende (Orgs.), Testemunhos da infâmia: Rumores do arquivo (pp. 71-82). Porto Alegre: Editora Sulina.

Cunha, C. (2019). Gentrification: Os centros históricos e a nova realidade urbana pós-moderna. Holos, 1, 1-8. DOI: 10.15628/holos.2019.2368

Dallabona-Fariniuk, T., & Firmino, R. (2018). Smartphones, smart spaces? O uso de mídias locativas no espaço urbano em Curitiba, Brasil. EURE (Santiago), 44(133), 255-275. DOI: 10.4067/s0250-71612018000300255

Dalmolin, B. M., & Vasconcellos, M. P. (2008). Etnografia de sujeitos em sofrimento psíquico. Revista de Saúde Pública, 42(1), 49-54. DOI: 10.1590/S0034-89102008000100007

Dimenstein, M., Silva, G. N., Dantas, C., Macedo, J. P., Leite, J. F., & Alves-Filho, A. (2020). Gênero na perspectiva decolonial: Revisão integrativa no cenário latino-americano. Revista Estudos Feministas, 28(3), e61905. DOI: 10.1590/1806-9584-2020v28n361905

Facchini, R., Carmo, I. N., & Lima, S. P. (2020). Movimentos feminista, negro e LGBTI no Brasil: sujeitos, teias e enquadramentos. Educação & Sociedade, 41, e230408. DOI: 10.1590/es.230408

Flach, G. A., & Paulon, S. M. (2019). Da impossibilidade de conter: Intervenções urbanas e produção de subjetividade em Porto Alegre. Horizontes Antropológicos, 55(1), 291-317. DOI: 10.1590/S0104-83332007000100011

França, I. L. (2007). Sobre “guetos” e “rótulos”: tensões no mercado GLS na cidade de São Paulo. Cadernos Pagu, (28), 227-255. DOI: 10.1590/S0104-83332007000100011

França, I. L. (2015a). “Made in Brazil”: homossexualidade, diferença e desigualdade num circuito global de mercado. Maguaré, 29(2), 143-173.

França, I. L. (2015b). Diferencias y desigualdades en los desplazamientos: Turistas e inmigrantes gay brasileños entre São Paulo (Brasil) y Barcelona (España). Estudios y perspectivas en turismo, 24(4). 963-981.

Germano, I. M. P. (2009). As ruínas da cidade grande: Imagens da experiência urbana na literatura brasileira contemporânea. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(2), 425-446. DOI: 10.12957/epp.2009.9113

Heckert, A. L. C., Barros, M. E. B., & Carvalho, S. V. (2016). Cidades e políticas públicas. Fractal: Revista de Psicologia, 28(2), 266-274. DOI: 10.1590/1984-0292/1621

Jesus, D. S. V. (2017). ‘Só macho na encolha’: a heteronormatividade em aplicativos de redes geossociais gays em territórios criativos do Rio de Janeiro. Revista Ártemis, 23(1), 63-78. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2017v23n1.35786

Lanzarini, R. (2015). Homoerotismo durante los viajes. El placer sexual entre hombres en espacios anónimos en Brasil y Portugal. Estudios y Perspectivas en Turismo, 24(4), 943-962.

Leite, R. P. (2002). Contra-usos e espaço público: Notas sobre a construção social dos lugares na Manguetown. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(49), 115-134. DOI: 10.1590/S0102-69092002000200008

Lima, F. (2014). Corpos, gêneros, sexualidades: Políticas de subjetivação. Porto Alegre: Rede UNIDA. DOI: 10.18310/9788566659269

Lima, F. G. G., & Magalhães, S. M. C. (2010). Modernidade e declínio da experiência em Walter Benjamin. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 32(2), 147-155. DOI: 10.4025/actascihumansoc.v32i2.7396

Magnani, J. G. C. (2009). Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos, 15(32), p. 129-156. DOI: 10.1590/S0104-71832009000200006

Magrini, M., & Catalão, I. (2017). Del derecho al consumo al derecho a la ciudad: Contradicciones y convergencias. EURE (Santiago), 43(130), 25-46. DOI: 10.4067/s0250-71612017000300025

Maia, C. E. S., & Dutra, R. G. (2012). Liberdade, diversidade e excessos sob as cores do arco-íris: Reflexões sobre a rainbow fest juizforana. B. goiano. geogr., 32(2), 71-92. DOI: 10.5216/bgg.v32i2.21078

Mayer, C. S. (2017). Troubling queer metronormativity in latin american contexts: intersectionality in Madame Satã, XXY, and Pelo Malo (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Medeiros Neta, O. (2016). Por uma pedagogia da cidade: Espaços, práticas e sensibilidades. Holos, 5, 105-115. DOI: 10.15628/holos.2016.4683

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Hucitec.

Miskolci, R. (2013). Machos e Brothers: Uma etnografia sobre o armário em relações homoeróticas masculinas criadas on-line. Revista Estudos Feministas, 21(1), 301-324. DOI: 10.1590/S0104-026X2013000100016

Miskolci, R. (2016). Estranhos no paraíso: Notas sobre os usos de aplicativos de busca de parceiros sexuais em San Francisco. Cadernos Pagu, (47), e164711. DOI: 10.1590/18094449201600470011

Mortimer-Sandilands, C. (2011). Paixões desnaturadas? Notas para uma ecologia queer. Revista Estudos Feministas, 19(1), 175-195. DOI: 10.1590/S0104-026X2011000100014

Moutinho, L., Lopes, P., Zamboni, M., Ribas, M., & Salo, E. (2010). Retóricas ambivalentes: Ressentimentos e negociações em contextos de sociabilidade juvenil na Cidade do Cabo (África do Sul). Cadernos Pagu, (35), 139-176. DOI: 10.1590/S0104-83332010000200006

Peixoto, V. B. (2018). Violência contra LGBTs no Brasil: A construção sócio-histórica do corpo abjeto com base em quatro homicídios. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade de Brasília, DF.

Pereira, S. J. N., & Ayrosa, E. A. T. (2012). Corpos consumidos: Cultura de consumo gay carioca. Organizações & Sociedade, 19(61), 295-313. DOI: 10.1590/S1984-92302012000200007

Pocahy, F. A. (2012a). “Vem meu menino, deixa eu causar inveja”: ressignificações de si nas transas do sexo tarifado. Sexualidad, Salud y Sociedad, (11), 122-154. DOI: 10.1590/S1984-64872012000500006

Pocahy, F. A. (2012b). Entre vapores & vídeos pornôs: Dissidências homo/eróticas na trama discursiva do envelhecimento masculino. Revista Estudos Feministas, 20(2), 357-376. DOI: 10.1590/S0104-026X2012000200002

Puccinelli, B. (2016). Rua declinada no masculino: Sexualidades, mercado imobiliário e masculinidades no Centro de São Paulo (Brasil). Revista Punto Género, (6), 113-126. DOI: 10.5354/0719-0417.2016.42920

Puccinelli, B. (2017). “Perfeito para você, no centro de São Paulo”: Mercado, conflitos urbanos e homossexualidades na produção da cidade. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.

Reis, R. P. (2012). Eu tenho medo de ficar afeminado: Performances e convenções corporais de gênero em espaços de sociabilidade homossexual. Revista do NUFEN, 4(1), 73-87.

Reis, R. (2017). “É preciso ser bem-visto, não manchar a reputação, se dar o respeito”: dos regimes de visibilidade nas trajetórias de homens homossexuais. Revista Ártemis, 23(1), 38-54. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2017v23n1.35784

Ribeiro, A. F. (2016). Espaço e sociabilidades: Entre o beco e o gueto. Sexualidad, Salud y Sociedad, (24), 130-156. DOI: 10.1590/1984-6487.sess.2016.24.06.a

Rios, L. F. (2008). Corpos e prazeres nos circuitos de homossociabilidade masculina do Centro do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 13(2), 465-475. DOI: 10.1590/S1413-81232008000200022

Santos, É. N., & Pereira, P. P. G. (2016). Amores e vapores: Sauna, raça e prostituição viril em São Paulo. Revista Estudos Feministas, 24(1),133-154. DOI: 10.1590/1805-9584-2016v24n1p133

Saraiva, M. R. O. (2012). Territórios dos sentidos: da emergência dos processos de subjetivação na metrópole contemporânea. Revista Espaço Acadêmico, 11(132), 21-29.

Silva, E. A. (2011). Corpo, técnica, cidade: Artesanias entre pesquisa e cotidiano. Revista Polis e Psique, 1(2),111. DOI: 10.22456/2238-152X.22893

Silva, M. A. (2016). Localizando performances: Territorialidade e os estudos antropológicos de gênero e sexualidade. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos Sobre a Cidade, 7(2), 33-54. DOI: 10.20396/urbana.v7i2.8642605

Silva, V. G. (2007). A visibilidade do suposto passivo: Uma atitude revolucionária do homossexual masculino. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 7(1), 71-88.

Simões, J. A., França, I. L., & Macedo, M. (2010). Jeitos de corpo: cor/raça, gênero, sexualidade e sociabilidade juvenil no centro de São Paulo. Cadernos Pagu, (35), 37-78. DOI: 10.1590/S0104-83332010000200003

Simonetto, P. (2018). Intimidades disidentes. Intersecciones en las experiencias de homosexuales y lesbianas en Buenos Aires durante los sesenta y setenta. Trashumante: Revista Americana de História Social, 11, 28-50. DOI: 10.17533/udea.trahs.n11a02

Sousa, J. F. A. (2012). O modo de produção capitalista e a subjetividade individualista subjacente: Reflexos sobre a espacialidade urbana. Mnemosine,8(2), 70-95.

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8(1), 102-106. DOI: 10.1590/s1679-45082010rw1134

Teixeira, M. A. A. (2013). Presença incômoda: Corpos dissidentes na cidade modernista. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Arquitetura, Universidade de Brasília, DF.

Tonucci Filho, J. B. M. (2020). Do direito à cidade ao comum urbano: Contribuições para uma abordagem lefebvriana. Rev. Direito e Práx., 11(1), 370-404. DOI: 10.1590/2179-8966/2020/48273

Zago, L. F. (2013). “Armários de vidro” e “corpos-sem-cabeça” na biossociabilidade gay online. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 17(45), 419-432. DOI: 10.1590/S1414-32832013005000005