Clínica da Pharresía: Possibilidades de Cuidado na Atenção Primária em Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e11466

Palavras-chave:

atenção primária à saúde, pessoal de saúde, Michel Foucault.

Resumo

Este artigo consiste em um ensaio teórico cujo objetivo é refletir, a partir de conceitos foucaultianos, sobre a construção da atuação clínica na Atenção Primária à Saúde (APS). Por meio da exposição de um caso fictício, são desenvolvidos argumentos por meio dos quais defendemos que a principal estratégia biopolítica utilizada na clínica realizada na APS, atualmente, é a governamentalidade. Apontamos algumas ferramentas teórico-metodológicas foucaultianas, inscritas na fase do ser-consigo ou da ética, como possíveis estratégias de análise para pensar possibilidades de ampliação da clínica, na perspectiva da inclusão do sujeito em sua construção. Para além do governo das condutas, que levam ao assujeitamento por meio da utilização de dispositivos de governamento, as noções de práticas de si, conhecimento de si e pharresía apontam para a possibilidade de construção de uma clínica na APS pautada por uma relação ética entre profissionais e usuários do sistema de saúde.

Biografia do Autor

Fernanda Carlise Mattioni, Universidade Federal do Rio Grande do SulGrupo Hospitalar ConceiçãoEscola de Saúde Pública - SES/RS

Doutoranda em Enfermagem do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRGS e Mestre em Saúde Pública pela ENSP/Fiocruz. Enfermeira do Grupo Hospitalar Conceição e Tutora da Escola de Saúde Pública do RS, SES/RS.

Cristianne Maria Famer Rocha, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora e Mestre em Educação pela UFRGS. Atua junto ao Curso de Bacharelado em Saúde Coletiva da UFRGS. É Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS.

Luis Felipe Zago, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel com Comunicação Social, Mestre e Doutor em Educação pela UFRGS. Pós-doutorando no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRGS. Pesquisador assistente na Escola de Enfermagem da USP.

Referências

Baliza, M. F., Bousso, R. S., Spineli, V. M. C. D., Silva, L., & Poles, K. (2012). Cuidados paliativos no domicílio: Percepção de enfermeiras da Estratégia Saúde da Família. Acta Paulista de Enfermagem, 25(spe2),13-18. DOI: 10.1590/S0103-21002012000900003

Castiel, L. D, Xavier, C., & Moraes, D. R. (2016). A procura de um mundo melhor: Apontamentos sobre o cinismo em saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Castro, E. (2016). Vocabulário de Foucault: Um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Cervelin, A. F, & Kruse, M. H. L. (2014). Espiritualidade e religiosidade nos cuidados paliativos: Conhecer para governar. Esc Anna Nery, 18(1), 136-142. DOI: 10.5935/1414-8145.20140020

Couto, M. T., & Dantas, S. M. V. (2016). Gênero, masculinidades e saúde em revista: A produção da área na revista Saúde e Sociedade. Saúde e Sociedade, 25(4), 857-868. DOI: 10.1590/S0104-12902016172308

Foucault, M. (2008). Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2014). Microfísica do Poder (28ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Foucault, M. (2018). A hermenêutica do sujeito (4ªed.) São Paulo: Martins Fontes.

Gros, F. (2018). Situação do curso. In M. Foucault, A hermenêutica do sujeito (4ª ed., pp.455-493). São Paulo: Martins Fontes.

Larrosa, J. (1994). Tecnologias do eu educação. In T. T. Silva (Org.), O Sujeito da Educação – Estudos Foucaultianos (pp. 35-86). Petrópolis: Vozes.

Lazzarato, M. (2008). Biopolítica/bioeconomia. In I. C. F. Passos, Poder, normalização e violência. Incursões foucaultianas para a atualidade (pp. 41-52). Belo Horizonte: Autêntica.

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Link

Maciel Jr., A. (2014). Resistência e prática de si em Foucault. Trivium, 6(1), 01-08. Link

Marcello, F. A., & Fischer, R. M. B. (2014). Cuidar de si, dizer a verdade: Arte, pensamento e ética do sujeito. Pro-Posições, 25(2), 157-175. DOI: 10.1590/S0103-73072014000200009

Melo, E. A., Mendonça, M. H. M., Oliveira, J. R., & Andrade, G. C. L. (2018). Mudanças na Política Nacional de Atenção Básica: Entre retrocessos e desafios. Saúde em Debate, 42(spe1), 38-51. DOI: 10.1590/0103-11042018S103

Morey, M. (1991). La cuestión del método. In.: Foucault, M. Tecnologías del yo y otros textos afines. Barcelona: Paidós Ibérica.

Ministério da Saúde (MS). (2004). HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Link

Ministério da Saúde (MS). (2020). Manual de Cuidados Paliativos. São Paulo: Hospital Sírio Libanês.

Penido, C. M. F., & Romagnoli, R.C. (2018). Apontamentos sobre a clínica da autonomia na Promoção da Saúde. Psicologia & Sociedade, 30. DOI: 10.1590/1807-0310/2018V30173615

Prado Filho, K. (2017). A genealogia como método histórico de análise de práticas e relações de poder. Revista de Ciências Humanas, 51(2), 311-327. DOI: 10.5007/2178-4582.2017v51n2p311

Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Institui a Política Nacional de Atenção Básica. Link

Souza, H. L., Zoboli, E. L. C. P., Paz, C. R. P., Schveitzer, M. C., Hohl, K. G., & Pessalacia, J. D. R. (2015). Cuidados paliativos na atenção primária à saúde: Considerações éticas. Revista Bioética, 23(2), 349-359. DOI: 10.1590/1983-80422015232074

Vega, T., Arrieta, E., Lozano, J. E., Miralles, M., Anes, Y., Gomez, C., … Ramos, J. N. (2001). Atención sanitaria paliativa y de soporte de los equipos de atención primaria en el domicilio. Gaceta Sanitaria, 25(3), 205-210. DOI: 10.1016/j.gaceta.2011.02.005

Veiga-Neto, A. J. (2003). Foucault e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Zorzanelli, R. T., & Cruz, M. G. A. (2018). O conceito de medicalização em Michel Foucault na década de 1970. Interface (Botucatu), 22(66), 721-731. DOI: 10.1590/1807-57622017.0194

Downloads

Publicado

15.09.2021

Como Citar

Mattioni, F. C., Famer Rocha, C. M., & Zago, L. F. (2021). Clínica da Pharresía: Possibilidades de Cuidado na Atenção Primária em Saúde. Revista Subjetividades, 21(2), Publicado online: 15/09/2021. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e11466

Edição

Seção

Estudos Teóricos