As Dimensões do Corpo na Perversão Comum: Objeto, Imagem e Borda

Andressa Marques Ferreira, João Luiz Leitão Paravidini

Resumo


O presente trabalho busca abordar os diferentes lugares que o corpo ocupa nas relações contemporâneas. Para isso, foi realizado um levantamento bibliográfico dos principais autores que tratam da temática, utilizando-se do método e da teoria psicanalítica como recurso para a produção fundante de uma análise interpretativa. Após a apresentação e introdução dos caminhos que conduziram a produção deste estudo, o corpo é situado na conjuntura da teoria psicanalítica e perpassa diferentes tópicos de discussão. Neste sentido, é abarcado como objeto na medida em que representa os investimentos da exploração industrial promotora da liberação e bombeamento das pulsões e situado como imagem através do imperativo de gozo. Nestes enfoques o corpo se faz ser representado por uma perversão comum nas tentativas de dar conta de aspectos singulares do mundo contemporâneo. O corpo também é concebido como borda quando resta como consistência na inscrição entre o sujeito e o outro, legitimando a constituição de relações. Reconhecer estas peculiaridades do contemporâneo nos coloca na posição de assumir que, para além das investigações psíquicas, os corpos precisam ser indagados e cuidados.

Palavras-chave


corpo; contemporaneidade; psicanálise; perversão.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alberti, S., & Ribeiro, M. A. C. (2004). Retorno do exílio: O corpo entre a psicanálise e a ciência. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Birman, J. (2003). Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ceccarelli, P. R. (2001). Uma breve história do corpo. In E. S. N. Lange, & L. C. Tardivo (Org.), Corpo, Alteridade e Sintoma: Diversidade e compreensão (pp. 15 - 34). São Paulo: Vetor.

Costa, A. (2001). Corpo e escrita: Relações entre memória e transmissão da experiência. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Cordeiro, N. M. L., & Bastos, A. (2011). O Supereu: Imperativo de gozo e voz. Revista Tempo psicanalítico, 43(2), 439- 457. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382011000200011&lng=pt&tlng=pt

Cunha, E. L. (2014). A dupla face do desmentido na atualidade: Entre o aniquilamento do outro e a felicidade em simulacro. In J. Birman, D. Kupermann, E. L. Cunha & S. Perelson. (Orgs.), A fabricação do humano: Psicanálise, subjetivação e cultura. São Paulo: Zagodoni.

Dolto, F. (1992). A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Perspectiva.

Dufour, D. R. (2013). A cidade perversa. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

Faria, M. R. (2014). Constituição do sujeito e estrutura familiar: O complexo de Édipo, de Freud a Lacan (3.ed.). Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária.

Fernandes, M. H. (2006). Entre a alteridade e a ausência: O corpo em Freud e sua função na escuta do analista. In E. U. Cintra (Org.) O corpo, o eu e o outro em psicanálise (p. 251). Goiânia: Ed. Dimensão.

Ferrari, A. B (1995). O eclipse do corpo: Uma hipótese psicanalítica. Rio de Janeiro: Ed Imago.

Ferreira, F. R. (2008). A produção de sentidos sobre a imagem do corpo. Botucatu: Interface, 12(26), 471-483. http://www.scielo.br/pdf/icse/v12n26/a02.pdf.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. (R. Ramalhete. Trad. 27. ed.). Petrópolis: Vozes. (Texto original publicado em 1975).

Freud, S. (1980). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de S. Freud (Vol. 7, pp. 121-252). Rio de Janeiro: Imago. (Texto original publicado em 1905).

Freud, S. (1996). Sobre o narcisismo: Uma introdução. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de S. Freud (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Texto original publicado em 1914)

Freud, S. (1990). O Ego e o Id. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 19). Rio de Janeiro: Imago. (Texto original publicado em 1923).

Grandino, A., & Nogueira, D. (1987). Sexo ou sexualidade. Porto Alegre: L&PM.

Herrmann, F. (1991). Andaimes do real: Livro primeiro, o método da psicanálise. (2. ed.) São Paulo: Brasiliense.

Lazarini, E., & Viana, T. (2006). O corpo em psicanálise. Revista Piscologia: Teoria e pesquisa, 22(2), 241-250. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ptp/v22n2/a14v22n2.pdf.

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In Escritos. Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1949)

Lacan, J. (1988). O seminário, livro 7: A Ética da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1959-1960).

Lacan, J. (2002). A terceira In Cadernos Lacan (Vol. 2). Porto Alegre: APPOA. (Original publicado em 1974).

Le Breton, D. (2003). Adeus ao corpo. Estudos de Sociologia, 12(1), 181-189.

Leo, A., & Vilhena, J. (2010). A dimensão corporal da experiência psíquica. Revista Tempo Psicanalítico, 42(1), 151-170. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382010000100008&lng=pt&tlng=pt.

Machado, O., & Cunha, L. F. (2016). Dossiê Psicanálise – “A substância do corpo é o gozo”. Rumo ao corpo falante. Revista Cult, 211, 36-37.

Mandet, E. S. C. (1993). La fascinacion de los significados una problemática acerca de la nocion de cuerpo en psiconanalisis. Psicoanalisis con niños e adolescentes, 4, 114-124.

Moreira, L. E. V. (2013) Corpo, discurso e laço social: Uma leitura dos Seminários XVI, XVII e XVIII de Jacques Lacan (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo.

Morici, S., & Wasserman, D. (2001) Quando o corpo é o destino. In R.B. Grana & A.B.S. Piva (Orgs.), A atualidade da Psicanálise de crianças: Perspectivas para um novo milênio (pp. 239-252). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mota, R., & Leal, C. E. (2007) A mulher e o corpo na sociedade contemporânea. Revista CES, 21, 153-163.

Moura, C. S., & Côrtes, L. S. (2015). O amor líquido na era do tinder: Uma análise da campanha publicitária do ministério da saúde sob a ótica Baumaniana. Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Rio de Janeiro.

Santos, S. M. B. (2014). O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Revista Psicologia e Saberes, 3(3), 1-11. https://revistas.cesmac.edu.br/index.php/psicologia/article/view/233

Sternick, M. V. D. C. (2010). A imagem do corpo em Lacan. Reverso, (59), 31-38.

Tralli, M. P. (2012). Mãe e filha na família incestuosa: A composição de um estranho lugar afetivo (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia.

Zucchi, M. (2014). Esse estranho que nos habita: O corpo nas neuroses clássicas e atuais. Opção Lacaniana Online, (14), 1-12. http//www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_14/esse_estranho_que_nos_habita.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i1.e6781

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia