O Mototaxista no mundo do Trabalho: Precarização, Desemprego e Informalidade

Abílio Rezende Macedo, Felizardo Tchiengo Bartolomeu Costa, José Sterza Justo

Resumo


O objetivo deste artigo é problematizar a informalidade no trabalho do mototaxista como um dos mecanismos de precarização do trabalho nos dias atuais. Parte-se do princípio de que a reorganização contemporânea do trabalho, ocasionada pelo avanço do capitalismo, tem levado à introdução de novas formas de exploração do trabalhador e de precarização do trabalho, às vezes, sem que se aperceba. Foi desenvolvida uma pesquisa qualitativa, com uso de técnica de observação direta e realização de entrevista com roteiro semiestruturado, realizadas no ambiente de trabalho dos mototaxistas. Para tratamento dos dados, utilizou-se a análise de conteúdo. Os resultados apontaram diversas dificuldades enfrentadas por esses trabalhadores no dia a dia de trabalho. Foi salientado pelos entrevistados as longas horas de trabalho, a instabilidade frente à atividade e o risco recorrente de se envolverem em acidentes de trânsito. Contudo alguns afirmaram que preferem esse tipo de trabalho, sem vínculo empregatício com a empresa ou o patrão, porque se sentem mais livres e com maior autonomia. Concluiu-se que o trabalho do mototaxista, enquanto um trabalho precário e informal, possui múltiplas facetas. Pelo olhar deles mesmos, trata-se de um trabalho ao qual se recorre, frequentemente, como última alternativa diante do desemprego, com pouca segurança e proteção social, no entanto que traz uma sensação de liberdade e autonomia maior do que o trabalho formal, amparado pelas leis trabalhistas.


Palavras-chave


mototaxista; precarização; trabalho.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agamben, G. (2002). Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Alves, M. A. (2011). Setor informal ou trabalho informal? Uma abordagem crítica sobre o conceito de informalidade. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Campinas.

Amadeo, E., Gill, I. S., & Neri, M. C. (2000). Brazil: The pressure points in labor legislation. Rio de Janeiro: FGV, EPGE.

Amorim, C. R., Araújo, E. M., Araújo, T. M., & Oliveira, N. F. (2012). Acidentes de trabalho com mototaxistas. Revista Brasileira de Epidemiologia, 15(1), 25-37. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000100003

Antunes, R. (1995). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho (2. ed.). São Paulo: Cortez.

Antunes, R., & Alves, G. (2004). As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação e Sociedade, 25(87), 335-351. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200003

Augé, M. (1994). Não lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barros, R. P., Sedlacek, G. L., & Varandas, S. (1990). Segmentação e mobilidade no mercado de trabalho: A carteira de trabalho em São Paulo. Pesquisa e Planejamento Econômico, 20(3), 87 - 103. Retrieved from http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/5849

Bauman, Z. (2004). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2005). Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2007). Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Cacciamali, M. C. (2001). Padrão de acumulação e processo de informalidade na América Latina contemporânea: Brasil e México. Pesquisa & Debate, 12(1), 5-42.

Cacciamali, M. C., & Britto, A. (2002). A flexibilização restrita e descentralizada das relações de trabalho no Brasil. Revista da ABET, 2(2), 91-120.

Cacciamali, M. C., & Silva, M. F. J. (2003). Mais informalidade, menos cidadania. Os efeitos criados por esse círculo vicioso sobre a formulação da política social na América Latina. Cadernos Prolam/USP, 2(2), 01-24. https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2003.83044

Cardoso, A. D. (2000) Movimento sindical: Políticas públicas e suas interações com o trabalho informal. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília.

Carneiro, F., & Henley, A. (2001). Modelling formal vs. informal employment and earnings: Micro-econometric evidence for Brazil. DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.289826

Carvalho, S. S. (2017). Uma visão geral sobre a reforma trabalhista. Mercado de Trabalho [Política em Foco], 63(10), 81-94. Retrieved from http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8130/1/bmt_63_vis%C3%A3o.pdf

Castel, R. (1998). As metamorfoses da questão social: Uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes.

Castells, M. (1999). Sociedade em rede: A era da informação. São Paulo: Paz e Terra.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Diniz, E. P. H. (2003). Entre as exigências de tempo e os constrangimentos do espaço: As condições acidentogênicas e as estratégias de regulamentação dos motociclistas profissionais. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Minas Gerais. Belo Horizonte.

Dultra, E. V. B. (2017). O PL nº 6.787/2016: Reforma da legislação ou afronta ao direito do trabalho? In G. T. Ramos, H. C. Melo Filho, J. E. Loguercio, & W. Ramos Filho (Eds.), O golpe de 2016 e a reforma trabalhista: Narrativas de resistência (pp. 90-97). Bauru: Editora Canal 6.

Ferreira, G. G. (2016). Conservadorismo, fortalecimento da extrema-direita e a agenda da diversidade sexual e de gênero no Brasil contemporâneo. Revista Lutas Sociais, 20(36), 1-13. Retrieved from https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/view/31855.

Ferreira, M. L. A. (2000). Trabalho informal feminino: Repensando atores e sujeitos no contexto de Montes Claros - MG. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília.

Funkhouser, E. (1996). The urban informal sector in Central America: Household survey evidence. World development, 24(11), 1737-1751. doi: https://doi.org/10.1016/0305-750X(96)00074-5

Grisci, C. L. I., Scalco, P. D., & Janovik, M. S. (2007). Modos de trabalhar e de ser de motoboys: A vivência espaço-temporal contemporânea. Psicologia Ciência e Profissão, 27(3), 446-461. https://doi.org/10.1590/S1414-98932007000300007

Harvey, D. (1998). Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2009). Pesquisa de informações básicas municipais. Retrieved from https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/perfilmunic/default.shtm

Justo, J. S. (2012). Vidas errantes: Políticas de mobilidade e experiências de tempo-espaço. Londrina: Eduel.

Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de 1974. Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6194.htm

Lei nº 12.009 de 29 de julho de 2009. Regulamenta o exercício das atividades dos profissionais em transporte de passageiros, “mototaxista”, em entrega de mercadorias e em serviço comunitário de rua, e “motoboy”, com o uso de motocicleta. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12009.htm

Lei nº 13.647, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm

Leite, M. R. (2011). Perfil e qualidade de vida do mototaxista em Corumbá na fronteira Brasil-Bolívia. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Campo Grande.

Lessa, Í. (2000). O novo e precário mundo do trabalho: Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. Revista Trabalho Necessário, 3(3), 1-5. https://doi.org/10.22409/tn.3i3.p4582

Lowy, M. (2015). Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Revista Serviço Social & Sociedade, (124), 652-664. https://doi.org/10.1590/0101-6628.044

Maestri, M. (2015). Brasil: As raízes do mundo do trabalho, a difícil luta pela autonomia dos trabalhadores. Revista de Políticas Públicas, 7(2), 39-58.

Mendes, R., & Campos, A. C. C. (2004). Saúde e segurança no trabalho informal: Desafios e oportunidades para a indústria brasileira. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 2(3), 209-223.

Neri, M. C. (2002). Decent work and the informal sector in Brazil. Rio de Janeiro: FGV, EPGE.

Noronha, E. G. (2003). “Informal”, ilegal, injusto: Percepções do mercado de trabalho no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(53), 111-129. https://doi.org/10.1590/S0102-69092003000300007

Pagés, C., & Márquez, G. (1998). Ties that bind: Employment protection and the labor outcomes in Latin America. IDB Working Paper, (309), 1-56. doi: http://doi.org/10.2139/ssrn.1816000

Pelbart, P. (2008). Vida e morte em contexto de dominação biopolítica. Revista de Políticas Públicas, 7(2), 39-58. Retrieved from http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/pelbartdominacaobiopolitica.pdf/at_download/file

Sousa, J. K. C., Ramalho, M., Leandro, D. P., & Luna, J. P. (2008). Precarização e degradação dos direitos trabalhistas: Uma análise do serviço de mototáxi em Campina Grande. Anais do XI Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba (pp. 2527-2530). Universidade do Vale do Paraíba. Campina Grande. Retrieved from http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2007/trabalhos/sociais/inic/INICG00943_01O.pdf

Tannuri-Pianto, M., & Pianto, D. (2002). Informal employment in Brazil - a choice at the top and segmentation at the bottom: A quantile regression approach. Anais do XXIV Encontro Brasileiro de Econometria, 2. Retrieved from http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.454.4705&rep=rep1&type=pdf

Vasconcellos, E. A. (2008). O custo social da motocicleta no Brasil. Revista dos Transportes Públicos–ANTP, 30/31(3/4),127-142. Retrieved from http://www.emdec.com.br/moto2012/downloads/artigo.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i1.e7257

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia