Um Corpo que Arde: Corporeidade e Produção de Subjetividade em Clarice Lispector

Giovanna Bucioli Pojar, Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


Este estudo tem como tema a corporeidade, entendendo a experiência do ser no mundo e sua subjetivação a partir do corpo. Procura investigar como a corporeidade aparece na obra de Clarice Lispector a partir da análise de dois de seus contos: Amor, do livro Laços de família, e Melhor do que arder, de A via crucis do corpo. A análise foi empreendida a partir da literatura sobre corporeidade, notadamente os estudos de Merleau-Ponty e de Foucault. Os contos levantam a questão do sujeito corpóreo, não cartesiano, valorizando o importante papel da corporeidade nos processos de subjetivação, que não se manifestam a partir de uma “consciência interior”, mas no próprio corpo, proporcionando uma reflexão acerca das práticas e da ideia de sujeito adotadas pela Psicologia.


Palavras-chave


Clarice Lispector; corporeidade; corpo; subjetividade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Baiocchi, A., & Niebielski, D. (2009). Psicologia e literatura: Um diálogo possível. Travessias, 3(3), 153-160.

Dentz, R. A. (2008). Corporeidade e subjetividade em Merleau-Ponty. Intuitio, 1(2), 296-307.

Dinis, N. F. (2003). Na busca da percepção perdida: Caminhos merleau-pontyanos em Clarice Lispector. Revista Letras, 59(1), 47-59. DOI: 10.5380/rel.v59i0.2835

Fensterseifer, P. E. (2006). Corporeidade e dormação do profissional na área da saúde. Revista Brasileira Ciência e Esporte, 27(3), 93-102.

Fonseca, A. S. S. (2009). Clarice Lispector: Imagens imaginadas sobre a vida, as emoções e o corpo. In B. J. Souza (Org.), Imaginário: Fronteiras, desafios e múltiplos olhares (pp. 119-131). Natal: IFRN Editora.

Foucault, M. (2014). História da sexualidade I – a vontade de saber (M. T. C. Albuquerque & J. A. G. Albuquerque, Trad.). São Paulo: Paz e Terra. (Texto original publicado em 1976)

Góis, E. C. A. (2007). O dever da faceirice: Corpo e feminidade no colunismo e na ficção de Clarice Lispector. Dissertação de Mestrado, Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Universidade de Brasília, Brasília.

Gotlib, N. B. (1995). Clarice: Uma vida que se conta (5a ed.). São Paulo: Editora Ática.

Leite, D. M. (2002). Psicologia e literatura (5a ed.). São Paulo: Editora Unesp.

Lispector, C. (2016). Todos os contos/Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco.

Merleau-Ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção (C. Moura, Trad.). São Paulo: Martins Fontes (Texto original publicado em 1945)

Nascimento, C. G. V. O. (2003). Da construção da identidade feminina em contos de Clarice Lispector: Uma análise semiótica. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Nóbrega, T. P. (2008). Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, 13(2), 141-148. DOI: 10.1590/S1413-294X2008000200006

Pires, C. M. P. (2014). As mortificações da carne e o desejo exposto: Controle sobre meninas em instituições católicas. Educação e Pesquisa, 40(3), 735-750. DOI: 10.1590/S1517-97022013005000028

Pozenato, J. C. (2010). Clarice Lispector: O olhar da mulher. Antares, 3(1), 161-178.

Rehfeld, A. (2004). Corpo e corporeidade: Uma leitura fenomenológica. Revista de Psicologia, 1(1), 1-5.

Salem, P., & Coelho, N. E., Jr. (2010). Corporeidade e ação nos processos de formação do eu. Estudos de Psicologia, 15(2), 189-197.

Santos, L. R. S., & Terra Nova, J. V. S. (2014). Corporeidade e suas interfaces na educação: Experimentação do corpo como forma de ser e estar no mundo. In 1° Seminário O Corpo Fala: A corporeidade e a educação. Sergipe: Universidade Federal de Sergipe.

Sá-Silva, J. R., Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: Pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 1-15.

Scorsolini-Comin, F. (2019). A infância clandestina em Clarice Lispector. Revista do SELL, 8(2), 185-203.

Scorsolini-Comin, F., & Amorim, K. S. (2008). Corporeidade: Uma revisão crítica na literatura científica. Psicologia em Revista, 14(1), 189-214.

Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2010). Todos passam pela via crucis: A corporeidade em Clarice Lispector. Psicologia em Estudo, 15(3), 623-632. DOI: 10.1590/S1413-73722010000300020

Scorsolini-Comin, F., & Silva, A. A. (2018). A mulher que salvou os peixes: Clarice Lispector e o universo infantil. Ribeirão Preto, SP: INEPAD.

Silva, C. M., & Nascimento, B. D. (2014). Clarice Lispector: Trajetórias de uma escritura. Letras em Revista, 5(1), 55-66.

Silva, J. C. (2014). Corpo e transgressão em perto do coração selvagem: As vastas interpretações de Joana. Trabalho de Conclusão de Curso, Graduação em Letras, Universidade Estadual da Paraíba, Paraíba.

Silveira, F. A., & Furlan, R. (2005). Corpos sonhados – vividos: A questão do corpo em Foucault e Merleau-Ponty. Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Warmling, D. L. (2016). O corpo e as três dimensões da sexualidade na fenomenologia da percepção de Maurice Merleau-Ponty. Cadernos do PET Filosofia, 7(13), 53-73.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i1.e7365

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia