Urgência Subjetiva em Emergência Obstétrica de Alto Risco: Um Estudo Psicanalítico

Edcarla Melissa Oliveira Barboza, Telma Costa de Avelar, Juliana Carneiro Torres, Thayrine Bezerra do Nascimento

Resumo


O período gestacional pode vir acompanhado de complicações emergenciais, capazes de ocasionar iminente ameaça de morte à vida materna e/ou fetal, contribuindo para a crescente taxa de mortalidade nessa população. O encontro com o inesperado, nesses casos, pode provocar experiências em que o sujeito se vê diante de um insuportável, impossível de simbolizar. Em psicanálise, esse momento pode ser atribuído ao conceito de urgência subjetiva. Diante disso, o presente artigo procurou discutir de que maneira a mulher em situação de emergência obstétrica de alto risco pode ser afetada pela experiência da urgência subjetiva e quais desdobramentos diante desse encontro. Propomo-nos a compreender o conceito de urgência subjetiva à luz da teoria psicanalítica e identificar seus entrelaçamentos com a emergência obstétrica de alto risco. Trata-se de uma pesquisa teórica em psicanálise, qualitativa e exploratória, realizada a partir de seleção bibliográfica. A análise dos dados encontrados consistiu na identificação e discussão de conceitos que se entrelaçam com a urgência subjetiva, na tentativa de pensar essa conexão em situações de emergência obstétrica de alto risco. A literatura evidenciou que a urgência subjetiva está associada a um momento de crise, indicando uma ruptura na dimensão discursiva, expondo o sujeito ao real avassalador e desordenado, de modo que angústia, trauma e tempo foram identificados como alguns dos conceitos entrelaçados à urgência subjetiva. No que concerne às situações de emergência obstétrica de alto risco, elementos como perdas, acontecimentos inesperados e rupturas podem indicar a possibilidade de inscrição da urgência subjetiva. No entanto, evidenciou-se que, por vezes, esses acontecimentos são tratados pela via do imediatismo, impossibilitando ao sujeito ressignificar sua experiência. Assim, atenta-se para que, diante do caos instaurado nesses ambientes, dê-se lugar para uma pausa, a fim de resgatar a cadeia discursiva, anteriormente diluída, e o sujeito possa vir a se reorganizar.

Palavras-chave


emergência obstétrica; alto risco; psicanálise; urgência subjetiva.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Amaral, J. J. F. (2007). Como fazer uma pesquisa bibliográfica. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. Recuperado de http://200.17.137.109:8081/xiscanoe/courses-1/mentoring/tutoring/Como%20fazer%20pesquisa%20bibliografica.pdf

Azevedo, E. C. (2016). Não há tempo... a perder: o tempo lógico na clínica da urgência subjetiva. Dissertação de Mestrado, Programa de Mestrado em Psicologia, Universidade Federal de São João del-Rei.

Barreto, F. P. (2004). Urgência subjetiva na saúde mental (uma introdução). Opção Lacaniana: Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, 40, 47-51.

Barros, M. R. C. R. (2015). Trauma, uma nova perspectiva sobre um real. Opção Lacaniana online nova série, 6(16).

Barros, R. R., & Moschen, S. Z. (2014). Implicações éticas perante a angústia e a urgência. Cad. Psicanál., 36(30), 149-169.

Batista, G., & Rocha, G. M. (2013). A presença do analista no Hospital Geral e o manejo da transferência em situação de urgência subjetiva. Rev. SBPH, 16(2).

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Gestação de alto risco: Manual técnico (5a ed.). Brasília, Brasil: Editora do Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Portaria nº 1.020, de 29 de maio de 2013. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1020_29_05_2013.html.

Brasil. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. (2016). Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Brasília: Ministério da Saúde.

Calazans, R., & Bastos, A. (2008). Clínica subjetiva e clínica psicanalítica. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., 11(4), 640-652.

Calazans, R., & Azevedo, E. C. (2016). “Não há tempo... A perder”: Questões sobre a atuação do Psicanalista no hospital geral. Vínculo, 13(1), 56-64.

Calderon, I. M. P., Cecatti, J. G., &Vega, C. E. P. (2006). Intervenções benéficas no pré-natal para prevenção da mortalidade materna. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., 28(5), 310-315.

Conselho Federal de Medicina. (1995). Resolução CFM n° 1.451/95. Recuperado de http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/1995/1451_1995.htm.

Duarte, M. M. P., Freire, E. E. G., & Oliveira, J. F. B. (2015). Assistência de enfermagem à gestante em trabalho de parto prematuro. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, 3(1).

Freud, S. (1976a). Inhibición, síntoma y angustia ¿Pueden los legos ejercer el análisis? y otras obras. In S. Freud, Obras Completas (Vol. 20, 71-164). Buenos Aires: Amorrortu. (Originalmente publicado em 1926).

Freud, S. (1976b). Lo Ominoso. In S. Freud, De la historia de una neuroses infantil y otras obras. Obras Completas (Vol. 17, pp. 215-219). Buenos Aires: Amorrortu. (Originalmente publicado em 1919).

Freud, S. (1992). Sobre el mecanismo psíquico de fenómenos histéricos: Comunicación preliminar. In S. Freud, Estudios sobre la histeria. Obras Completas (Vol. 2, pp.27-45). Buenos Aires: Amorrortu. (Originalmente publicado em 1893).

Freud, S. (2010). Princípios básicos da Psicanálise. In S. Freud, Obras Completas (Vol. 10, pp.204-210). Brasil: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1913).

Garcia-Roza, L. A. (1993). A pesquisa acadêmica em psicanálise. In: Anuário Brasileiro de Psicanalise (pp. 118-121). Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed). São Paulo: Atlas.

Lacan, J. (1953). Lo simbólico, lo imaginario y lo real. Conferencia pronunciada en el Anfiteatro del Hospital Psiquiátrico de Sainte-Anne, París. Recuperado de https://www.lacanterafreudiana.com.ar/2.5.1.4%20%20%20LO%20SIMB,%20LO%20IMAG%20Y%20LO%20REAL,%201953..pdf

Lacan, J. (1986). O seminário, livro 1. Os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1953-1954).

Lacan, J. (1998). O tempo lógico e a asserção de certeza antecipada. In J. Lacan, Escritos (pp. 197-213). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1945-1966).

Lacan, J. (2001). O lugar da psicanálise na medicina. Opção Lacaniana, 32. (Originalmente publicado em 1966).

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10. A angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Originalmente publicada em 1962-1963).

Laurent, E. (2006). Hijos del trauma. In G. Belaga (Org.), La urgencia generalizada: La práctica en el hospital (2a ed., pp. 23-29). Buenos Aires: Gramma.

Macedo, L. F., Pimenta, J., Filho, Sotelo, M.; Belaga, G., & Santimaría, L. (2010). Análisis de la demanda e intervenciones en la urgencia en salud mental. Psicologia em Revista, 16(1), 1-16.

Martini, I. I. (2014). Um olhar psicanalítico em uma enfermaria de alto risco obstétrico. Revista de Psicanálise da SPPA, 21(2), 327-341.

Perez, G. H. O psicólogo na unidade de emergência. (2010). In S. M. C. Ismael (Org.), A prática psicológica e sua interface com as doenças (2a ed., pp. 53-65). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Prado, T. M. N. (2013). Qual saber há ‘no real’? Opção Lacaniana online nova série, 4(12).

Ratti, F. C., & Estevão, E. I. (2016). Violência, acidente e trauma: A clínica psicanalítica frente ao real da urgência e da emergência. Ágora, 19(3).

Rodrigues, P. M. (2012). Práticas psicanalíticas de regulação em urgências subjetivas no hospital. ASEPHallus,7(14), 97-105.

Santos, G. R. C. M., Molina, N. L., & Dias, V. F. (2007). Orientações e dicas práticas para trabalhos acadêmicos. Curitiba: Ibpex.

Sassi, A., & Oliveira, S. (2014). Os desafios do psicólogo no atendimento a pacientes internados no pronto socorro. Psic. Rev. São Paulo, 23(1), 97-107.

Seldes, R. (2004). La urgencia subjetiva, un nuevo tiempo. In G. Belaga (Org.), La urgencia generalizada: La práctica en el hospital (2a ed., pp. 31-42). Buenos Aires: Grama.

Simões, C. L. F. (2011). A clínica da urgência subjetiva: Efeitos da psicanálise em um pronto atendimento. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Silva, D. C., & Rocha, J. R. (2015). O hospital é o lugar da saúde? a psicologia da saúde frente ao processo saúde-doença. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, 4(1), 9-17.

Sotelo, I. (2007). Clinica de la urgência. Buenos Aires: JCE Ediciones.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i3.e7550

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia