A Força do Silêncio na Criança: Um Relato de Experiência

Nathiele Berger Almeida, Marcos Vinícius Zoreck Portela

Resumo


Este relato de experiência surge da prática clínica da psicologia em um Programa de Residência Integrada e Multiprofissional, com área de concentração a saúde da criança e do adolescente. A partir do estudo da construção social da infância, do significado de infans (aquele que não fala) e do contexto de uma criança hospitalizada, abordaram-se as temáticas que permearam os atendimentos clínicos. Como objetivo, buscar-se-á refletir sobre a importância do atendimento psicológico à criança internada, focando nos seguintes temas: o silêncio, a transferência (relação paciente x analista) e a vivência da hospitalização. Será abordada a experiência clínica no atendimento a uma criança, que se apresenta diante de todos os membros da equipe de saúde recusando-se a falar, uma criança que “não fala”. As discussões e construções teóricas realizadas, durante os atendimentos e supervisões clínicas, ocorreram sob a orientação da teoria psicanalítica. Debate-se, ao longo do texto, a temática do silêncio, fator presente nesse tratamento psicanalítico e de extrema relevância para a experiência relatada. Ao final, fala-se sobre a importância da escuta psicológica para o silêncio da criança, do estabelecimento da relação transferencial, da criação de um espaço único de fala e das mudanças que o tratamento implicou a ela.

Palavras-chave


criança; hospital; psicanálise; silêncio.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Adatto, K. (1998, maio 25). Conceito de infância passa por transformação. O Estado de São Paulo. https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19980525-38204-nac-0010-ger-a10-not

Ariès, P. (1973). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar.

Bowlby, J. (1998). Apego e perda: Tristeza e depressão (2a ed). São Paulo: Martins Fontes.

Calvett, P. U., Silva, L. M., & Gauer, G. J. C. (2008). Psicologia da saúde e criança hospitalizada. Psic., 9(2), 229-234.

Carvalho, A. M. S. (2011) Psicanálise e hospital: Há ato analítico? Estudo sobre a especificidade da intervenção psicanalítica na pediatria e seus efeitos no tratamento da criança hospitalizada. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais, MG.

Demartini, P. (2002). Contribuições da sociologia da infância: Focando o olhar. Zero-A-Seis, 4(6), 33-44. Link

D`Incao, D. B. (2007). Silêncio que Cala, ou Silêncio que Fala? Contemporânea - Psicanálise e Transdisciplinaridade, (3), 254-260. http://www.revistacontemporanea.org.br/revistacontemporaneaanterior/site/wp-content/artigos/artigo107.pdf

Dunker, C., & Thebas, C. (2019). O palhaço e o psicanalista: Como escutar os outros pode transformar vidas. São Paulo: Planetas do Brasil.

Ferreira, J. B. (2009). Palavras do silêncio. Cad. Psicanálise, 31(22),13-36. http://www.cprj.com.br/imagenscadernos/03.PALAVRAS_DO_SILENCIO.pdf

Figueiredo, L. C. (1995). Investigação em Psicologia Clínica. In Conselho Federal de Psicologia (Org.), Psicologia no Brasil: Direções Epistemológicas (pp. 65-80). Brasília: Conselho Federal de Psicologia.

Freud, S. (2006). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In J. Strachey (Ed), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 125-133). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1912)

Freud, S. (2006). Sobre o início do tratamento. In J. Strachey (Ed), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 20, pp. 137-158). Rio de Janeiro: Imago (Publicado originalmente em 1913)

Freud, S. (2006). A questão da análise leiga: conversações com uma pessoa imparcial. In J. Strachey (Ed), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 20, pp. 173-241). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1926[1925])

Garcia, C. (1999). Prefácio. In M. D. Moura (Org.), A criança e sua dor (não paginado). Rio de Janeiro: Revinter.

Gessinger, H., & Leindecker, D. (2009). A força do silêncio [Gravada por Pouca Vogal]. Em Pouca Vogal (Ao vivo) [CD]. Porto Alegre, RS: Stereophonica.

Gurski, R. (2012). O lugar simbólico da criança no Brasil. Educação em revista, 28(1), 61-78. DOI: http://doi.org/10.1590/S0102-46982012000100004

Levin, E. (1997). A infância em cena – Constituição do sujeito e desenvolvimento psicomotor. Petrópolis, RJ: Vozes.

Levin, E. (2002). A função do filho: Labirintos da infância. Petrópolis, RJ: Vozes.

Mannoni, M. (1999). A criança, sua “doença” e os outros: O sistema e a palavra (3a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Maurano, D. (2006) A transferência. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Moretto, M. L. T. (2002). O que pode um analista no hospital? São Paulo: Casa do Psicólogo.

Moura, M. D. (1999). Psicanálise e hospital: A criança e sua dor. Rio de Janeiro: Revinter.

Nascimento, C. T., Brancher, V. R., & Oliveira, V. F. (2008). A construção social do conceito de infância: Algumas interlocuções históricas e sociológicas. Revista Contexto & Educação. 23(79), 47-63. https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/1051

Nasio, J.-D. (2010) O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Oliveira, L. C. S. (1999). A criança que se cala. In M. D. Moura (Org.), A criança e sua dor (pp. 27-32). Rio de Janeiro: Revinter.

Oliveira, R. R., Santos, L. F., Marinho, K. C., Cordeiro, J. A. B. L., Salge, A. K. M., & Siqueira, K. M. (2010). Ser mãe de um filho com câncer em tratamento quimioterápico: Uma análise fenomenológica. Ciênc Cuid Saúde 9(2), 374-382. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v9i2.11250

Padrão, C. B. (2009). Considerações sobre o silêncio na clínica psicanalítica: Dos primórdios aos dias atuais. Cad. Psicanálise, 31(22), 91-103. http://cprj.com.br/imagenscadernos/08.Consideracoes_sobre_o_silencio_na_clinica_psicanalitica.pdf

Perrotta, C. (2004). Um texto pra chamar de seu: Preliminares sobre a produção do texto acadêmico. São Paulo: Martins Fontes.

Quintana, A. M., Arpini, D. M., Pereira, C. R. R., & Santos, M. S. (2007). A vivência hospitalar no olhar da criança internada. Cienc Cuid Saude, 6(4), 414-423. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/3679

Ribeiro, C. A, & Ângelo, M. (2005). O significado da hospitalização para a criança pré-escolar: Um modelo teórico. Rev Esc Enferm USP, 39(4), 391-400.

Salles, L. M. F. (2005). Infância e adolescência na sociedade contemporânea: Alguns apontamentos. Estudos de Psicologia: Campinas, 22(1), 33-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342005000400004

Souza, M. R. L. (2010). A criança, sua doença e o hospital como espaço terapêutico. Percurso, 44(1). http://revistapercurso.uol.com.br/index.php?apg=artigo_view&ida=109&c_palavra3=A

Sousa, A. M. (2012). Fatores prognósticos para sobrevivência após transplante de medula óssea em portadores de anemia aplástica. Dissertação de Mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, RJ.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i2.e7564

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia