A Noção de Futuro na Filosofia de Deleuze e o Pensamento Decolonial: Algumas Aproximações

Alana Soares Albuquerque, Tania Mara Galli Fonseca

Resumo


Este trabalho tem como objetivo analisar como a noção de futuro que Deleuze esboça em sua filosofia do tempo pode ser relacionada ao pensamento decolonial, especialmente quando este se refere à possibilidade de imaginar outros futuros, ainda não capturados pelas promessas das utopias modernas ou pelos cenários pós-apocalípticos das distopias tecnológicas. Como herança do pensamento científico e moderno, o futuro vem sendo sequestrado pelas mais diversas técnicas de predição e antecipação. Já no território ficcional, os futuros imaginários das narrativas clássicas de ficção científica também foram colonizados, pois têm sido predominantes nesse tipo de ficção certas noções que estão intimamente ligadas a um ponto de vista eurocêntrico, como a noção de civilização, de “sociedades desenvolvidas”, ou até mesmo de humanidade. Por essa razão, destacamos a necessidade de dissociar o futuro de perspectivas finalistas que o fixam em certo tempo por vir. Para isso, recorremos aos conceitos de “terceira síntese do tempo” e de “geofilosofia”, elaborados por Deleuze (o segundo em parceria com Guattari), em uma tentativa de libertar a categoria do futuro das perspectivas lineares e cronológicas do tempo, ressaltando, por outro lado, sua abertura e multiplicidade. A partir de uma aproximação entre essa abordagem do futuro e os estudos decoloniais, apostamos, por fim, em uma perspectiva especulativa que inclua a incerteza, para assim dar à luz outras versões do futuro, não aqueles já prováveis, mas futuros ainda não pensados, outros mundos que estão, neste exato momento, também reivindicando por um chamado à existência.

Palavras-chave


filosofia; tempo; história; futuro; pensamento decolonial.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Berardi, F. (2011). After the future. Oakland: AK Press.

Danowski, D., & Viveiros de Castro, E. (2014). Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie.

Debaise, D., & Stengers, I. (2017). The insistence of possibles: Towards a speculative pragmatism. Parse Journal, 7, 13-19.

Deleuze, G. (2006). Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2010). O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34.

Eshun, K. (2003). Further considerations on Afrofuturism. The New Centennial Review, 3(2), 287-302.

Gleick, J. (2016). Time travel: A history. New York: Pantheon Books.

Grosz, E. (2004). The nick of time: Politics, evolution and the untimely. Crows Nest: Allen & Unwin.

Lapoujade, D. (2013). As potências do tempo. São Paulo: n-1 edições.

Lévy, P. (1993). As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Editora 34.

Pelbart, P. P. (2010). O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva.

Koselleck, R. (2006). Futuro passado. Rio de Janeiro: Contraponto.

Koselleck, R. (2014). Estratos do tempo: Estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto.

Marinetti, F. T. (1909). Manifeste du Futurisme. Le Figaro, 51, 1-1.

Mignolo, W. (2011). The darker side of western modernity: Global futures, decolonial options. Durham: Duke University Press.

Quijano, A. (2007). Coloniality and modernity/rationality. Cultural studies, 21(2-3), 168-178.

Roberts, A. (2006). The history of Science Fiction. London: Palgrave Macmillan.

Rüdiger, F. (2016). As teorias da cibercultura: Perspectivas, questões e autores. Porto Alegre: Sulina.

Sodré, M. (1973). A ficção do tempo: Análise da narrativa de Science Fiction. Petrópolis: Vozes.

Stengers, I. (2015). No tempo das catástrofes. São Paulo: Cosac Naify.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e8293

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia