A Noção de Futuro na Filosofia de Deleuze e o Pensamento Decolonial: Algumas Aproximações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e8293

Palavras-chave:

filosofia, tempo, história, futuro, pensamento decolonial.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar como a noção de futuro que Deleuze esboça em sua filosofia do tempo pode ser relacionada ao pensamento decolonial, especialmente quando este se refere à possibilidade de imaginar outros futuros, ainda não capturados pelas promessas das utopias modernas ou pelos cenários pós-apocalípticos das distopias tecnológicas. Como herança do pensamento científico e moderno, o futuro vem sendo sequestrado pelas mais diversas técnicas de predição e antecipação. Já no território ficcional, os futuros imaginários das narrativas clássicas de ficção científica também foram colonizados, pois têm sido predominantes nesse tipo de ficção certas noções que estão intimamente ligadas a um ponto de vista eurocêntrico, como a noção de civilização, de “sociedades desenvolvidas”, ou até mesmo de humanidade. Por essa razão, destacamos a necessidade de dissociar o futuro de perspectivas finalistas que o fixam em certo tempo por vir. Para isso, recorremos aos conceitos de “terceira síntese do tempo” e de “geofilosofia”, elaborados por Deleuze (o segundo em parceria com Guattari), em uma tentativa de libertar a categoria do futuro das perspectivas lineares e cronológicas do tempo, ressaltando, por outro lado, sua abertura e multiplicidade. A partir de uma aproximação entre essa abordagem do futuro e os estudos decoloniais, apostamos, por fim, em uma perspectiva especulativa que inclua a incerteza, para assim dar à luz outras versões do futuro, não aqueles já prováveis, mas futuros ainda não pensados, outros mundos que estão, neste exato momento, também reivindicando por um chamado à existência.

Biografia do Autor

Alana Soares Albuquerque, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicóloga graduada pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Mestre e doutora em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Tania Mara Galli Fonseca, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

(in memoriam) Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ex-professora titular do Instituto de Psicologia da UFRGS e do PPG em Psicologia Social e Institucional.

Referências

Berardi, F. (2011). After the future. Oakland: AK Press.

Danowski, D., & Viveiros de Castro, E. (2014). Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie.

Debaise, D., & Stengers, I. (2017). The insistence of possibles: Towards a speculative pragmatism. Parse Journal, 7, 13-19.

Deleuze, G. (2006). Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2010). O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34.

Eshun, K. (2003). Further considerations on Afrofuturism. The New Centennial Review, 3(2), 287-302.

Gleick, J. (2016). Time travel: A history. New York: Pantheon Books.

Grosz, E. (2004). The nick of time: Politics, evolution and the untimely. Crows Nest: Allen & Unwin.

Lapoujade, D. (2013). As potências do tempo. São Paulo: n-1 edições.

Lévy, P. (1993). As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Editora 34.

Pelbart, P. P. (2010). O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva.

Koselleck, R. (2006). Futuro passado. Rio de Janeiro: Contraponto.

Koselleck, R. (2014). Estratos do tempo: Estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto.

Marinetti, F. T. (1909). Manifeste du Futurisme. Le Figaro, 51, 1-1.

Mignolo, W. (2011). The darker side of western modernity: Global futures, decolonial options. Durham: Duke University Press.

Quijano, A. (2007). Coloniality and modernity/rationality. Cultural studies, 21(2-3), 168-178.

Roberts, A. (2006). The history of Science Fiction. London: Palgrave Macmillan.

Rüdiger, F. (2016). As teorias da cibercultura: Perspectivas, questões e autores. Porto Alegre: Sulina.

Sodré, M. (1973). A ficção do tempo: Análise da narrativa de Science Fiction. Petrópolis: Vozes.

Stengers, I. (2015). No tempo das catástrofes. São Paulo: Cosac Naify.

Downloads

Publicado

15.09.2021

Como Citar

Albuquerque, A. S., & Fonseca, T. M. G. (2021). A Noção de Futuro na Filosofia de Deleuze e o Pensamento Decolonial: Algumas Aproximações. Revista Subjetividades, 21(2), Publicado online: 15/09/2021. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e8293

Edição

Seção

Estudos Teóricos