A Clínica dos Sofrimentos Narcísico-Identitários e seus Dispositivos Clínicos

Autores

  • Natália de Oliveira de Paula Cidade Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Doutoranda
  • Silvia Maria Abu-Jamra Zornig Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica.

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i1.e8815

Palavras-chave:

Clínica psicanalítica, Sofrimentos narcísico-identitários, Intersubjetividade.

Resumo

O presente artigo visa a apresentar algumas modificações possíveis no dispositivo analítico à luz das problemáticas trazidas à clínica contemporânea pelos sofrimentos narcísico-identitários. Partindo do princípio de que tais analisandos sofrem de vividos que foram precariamente simbolizados, anteriores à aquisição da linguagem verbal, encontramos de antemão um possível problema com um enquadre clássico da psicanálise, que costuma valorizar e trabalhar majoritariamente a partir do conteúdo verbal que se apresenta nas sessões. Nesta direção, o lugar a ser ocupado pelo analista passa a ter um caráter mais ativo e atento às mensagens em potencial emanadas por outras vias – corpo e afeto. Essa extensão dos dispositivos analíticos abre caminho para pensar a intersubjetividade como momento instaurador da subjetividade, destacando sua importância na clínica, uma vez que esse processo passa necessariamente por um momento essencial de relação com um outro fundamental, que deve auxiliar no reconhecimento de si e no processo de subjetivação.

Biografia do Autor

Natália de Oliveira de Paula Cidade, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Doutoranda

Doutoranda em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio; Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio; Especialista em Clínica Psicanalítica pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro –  IPUB/UFRJ.

Silvia Maria Abu-Jamra Zornig, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica.

Membro psicanalista da Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle, Doutora em Psicologia Clinica PUC-Rj, Mestre em Saúde Mental, Columbia University, New York, Professora do programa de pós-graduação e graduação em Psicologia Clinica da PUC-Rio.

Referências

Anzieu, D. (1975). Le transfert paradoxal: de la communication paradoxale à la réaction thérapeutique négative. Nouvelle revue de psychanalyse, 12, 49-72.

Cidade, N. O. P. & Zornig, S. A.-J. (jul./dez. 2016). Trauma, temporalidade e inscrição psíquica. Cadernos de psicanálise (CPRJ), 38(35), 29-47. Recuperado a partir de http://cprj.com.br/imagenscadernos/caderno35_pdf/02Trauma,%20temporalidade%20e%20inscri%C3%A7%C3%A3o%20ps%C3%ADquica.pdf.

Freud, S. (1996a). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18, pp. 12-75). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1920).

Freud, S. (1996b). Inibições, sintomas e ansiedade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 20, pp. 81-171). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1926 e escrito em 1925).

Freud, S. (1996c). Construções em análise. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 23, pp. 271-287). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1937).

Freud, S. (1996d). Moisés e o monoteísmo. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 23, pp. 15-150). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1939 e escrito entre 1934 e 1938).

Freud, S. (1996e). A divisão do ego no processo de defesa. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 23, pp. 289-296). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1940 e escrito em 1938).

Fuchs, S. M. S. & Peixoto Junior, C. A. (2014). Sobre o trauma: contribuições de Ferenczi e Winnicott para a clínica psicanalítica. Tempo psicanalítico, 46(1), 161-183. Recuperado a partir de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tpsi/v46n1/v46n1a12.pdf.

Green, A. (1988). O analista, a simbolização e a ausência no contexto analítico. In A. Green, Sobre a loucura pessoal (pp. 36-65). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Originalmente publicado em 1975).

Roussillon, R. (1999). Agonie, clivage et symbolisation. Paris: PUF.

Roussillon, R. (2005). Aménagements du cadre analytique. In F. Richard & F. Urribarri (Orgs.), Autour de l’œuvre d’André Green: enjeux pour une psychanalyse contemporaine. Paris: PUF.

Roussillon, R. (2006a). Paradoxos e situações limites da psicanálise. São Leopoldo: Unisinos.

Roussillon, R. (2006b). Pluralité de l’appropriation subjective. In F. Richard & S. Wainrib. La subjectivation (pp. 59-80). Paris: Dunod.

Roussillon, R. (2010). Transferência paradoxal e modificações técnicas. Jornal de psicanálise, 43(78), 13-18.

Roussillon, R. (2011a). Primitive agony and symbolization. Londres: Karnac.

Roussillon, R. (2011b). A intersubjetividade e a função mensageira da pulsão. Revista brasileira de psicanálise, 45(3), 159-166.

Roussillon, R. (2012). As condições da exploração psicanalítica das problemáticas narcísico-identitárias. ALTER – Revista de estudos psicanalíticos, 30(1), 7-32. Recuperado a partir de https://reneroussillon.files.wordpress.com/2014/08/rennc3a9e-de-roussillon-artigo-alter.pdf.

Roussillon, R. (2013a). Comentários de René Roussillon. In L. C. Figueiredo, B. B. Savietto & O. Souza (Orgs.), Elasticidade e limite na clínica contemporânea (pp. 63-72). São Paulo, SP: Escuta.

Roussillon, R. (2013b). Teoria da simbolização: a simbolização primária. In L. C. Figueiredo, B. B. Savietto & O. Souza (Orgs.), Elasticidade e limite na clínica contemporânea (pp. 107-122). São Paulo, SP: Escuta.

Roussillon, R. (2014a). Deux paradigmes pour les situations limites: processus mélancolique et processus autistique. In V. Stellon. (Org.), Actualité des états limites (pp. 109-129). Toulouse: Érès.

Roussillon, R. (2014b). Pertinence du concept de symbolisation primaire. In A. Brun, R. Roussillon, A.Cialvadini, A. Ciccone, N. Dumet, G. Lavallée... K. L. Schwering. Formes primaires de symbolisation (pp. 155-174). Paris: Dunod.

Roussillon, R. (2015). Un processus sans sujet. Le Carnet PSY, 4(189), 31-35.

Urribarri, F. (2012). O pensamento clínico contemporâneo: uma visão histórica das mudanças do trabalho do analista. Revista brasileira de psicanálise, 46(3), 47-64.

Winnicott, D. W. (1975a). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 13-44). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1953).

Winnicott, D. W. (1975b). A localização da experiência cultural. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 133-143). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1967).

Winnicott, D. W. (1975c). O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 153-162). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1967).

Winnicott, D. W. (1975d). O uso de um objeto e relacionamento através de identificações. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 121-131). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1969).

Winnicott, D. W. (1994). O medo do colapso. In D. Winnicott, Explorações psicanalíticas (2ª ed., pp. 70-76). Porto Alegre: Artmed. (Originalmente publicado em 1974).

Downloads

Publicado

03.08.2020

Como Citar

Cidade, N. de O. de P., & Zornig, S. M. A.-J. (2020). A Clínica dos Sofrimentos Narcísico-Identitários e seus Dispositivos Clínicos. Revista Subjetividades, 20(1), Publicado online: 03/08/2020. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i1.e8815

Edição

Seção

Estudos Teóricos