Revisão Narrativa sobre Schadenfreude: O Prazer Malicioso e as Relações Intergrupais

Saulo Santos Menezes Almeida, Vanessa Andrade de Assis, Ícaro Batista de Cerqueira

Resumo


Schadenfreude é um termo alemão que tem como significado o prazer malicioso frente à adversidade alheia. Esse sentimento possui relação com inúmeras variáveis, entre as quais: a inveja, o merecimento e os relacionamentos intergrupais. Sendo assim, esse sentimento pode impactar o contato entre os indivíduos, tanto de forma positiva quanto negativa. A importância do referido assunto para as relações sociais, econômicas e políticas, bem como as contradições e interrogações da schadenfreude, com a escassez de pesquisas dentro do âmbito nacional, fomentaram a construção desta revisão narrativa. A partir da literatura encontrada, foram contemplados 17 artigos, nacionais e internacionais, utilizando como critério de inclusão o termo schadenfreude no título ou nas palavras-chave. Além disso, deveriam relacionar-se à área da Psicologia, enfatizando seus resultados e suas limitações para extensão do conhecimento sobre o tema e para demarcações em direção à construção de novas pesquisas nessa área. Dessa forma, este artigo possibilita um entendimento da perspectiva e da compreensão do panorama sobre os estudos da schadenfreude, sendo associado com termos como simpatia, merecimento do infortúnio, moralidade e mecanismo evolutivo de aversão à iniquidade. Observa-se que a produção científica nacional ainda é escassa, de modo que se faz necessário seu crescimento, assim como das produções internacionais. Um fator positivo é a existência de estudos com levantamentos empíricos de coleta de dados que encontraram resultados efetivos, demonstrando que essa é uma área que pode ser mais bem explorada.

Palavras-chave


schadenfreude; relações grupais; revisão narrativa.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Boeckerr, L. et al. (2015) The face of schadenfreude: Differentiation of joy and schadenfreude by electromyography. Cognition and Emotion, 29, 1117-1125. doi: doi.org/10.1080/02699931.2014.966063

Cikara, M., & Fiske, S.T. (2012). Stereotypes and schadenfreude: Affective and physiological markers of pleasure at outgroups' misfortunes. Soc Psychol Personal Sci, Jan 1; 3(1): 10. doi: 1177/1948550611409245.

Cikara, M., & Fiske, S.T. (2013). Their pain, our pleasure: Stereotype content and Schadenfreude. Annals of the New York Academy of Sciences, 1299, 52–59.

Combs, D. J .Y, et al. (2009). Politics, schadenfreude, and ingroup identification: The sometimes-happy thing about a poor economy and death. Journal of Experimental Social Psychology, 45, 635–646.

Gordon. A. K. et al.(2013). Schadenfreude as a mate-value-tracking mechanism. Personal Relationships, 20, 524–545.

Goslinga. S, et al. (2009). The Impact of Deservingness on Schadenfreude and Sympathy: Further Evidence. The Journal of Social Psychology, 149(3), 290–292.

Houston, S., & Mark, T. (2015). Amor pela honra, emulação, e a psicologia dos vícios diabólicos. University of Arizon. Dossiê Naturalismo, Dissertatio - Volume Suplementar 02 | UFPel.

Lange, J. et. al. (in press). The painful duality of envy: Evidence for an integrative theory and a meta-analysis on the relation of envy and schadenfreude. Journal of Personality and Social Psychology.

Litter. J, & Cross. S. (2010). Celebrity and schadenfreude. Cultural Studies, 24, 3, 395-417.

Monteiro, M.C. (2011). Humor e prazer perante a alegria e o infortúnio dos outros: Identificação empática, contágio emocional ou prazer malicioso? Dissertação de Mestrado. ISCTE – IUL, Portugal.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem , 20 (2), v-vi. doi: dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

Shamay, T.S.G. et al (2014) There Is No Joy like Malicious Joy: Schadenfreude in Young Children. PLoSONE 9(7), 100-233. doi:10.1371/ journal.pone.

Spurgin, E. (2015). An emotional-freedom defense of schadenfreude. Ethical Theory and Modern Practice, 18, 767–784.

Van de Ven, N. et al. (2014). When envy leads to Schadenfreude. Cognition and Emotion. Advance online publication. doi:10.1080/02699931.2014.961903.

Van Dijk, W. W. et al. (2011). Towards understanding pleasure at the misfortunes of others: The impact of self-evaluation threat on schadenfreude. Cognition & Emotion, 25, 2, 360-368.

Van Dijk, W. W. et al. (2012). “So You Wanna Be a Pop Star?”: Schadenfreude Following Another's Misfortune on TV. Basic & Applied Social Psychology, 34, 2, 168-174.

Van Dijk, W. W. et al. (2011). Self-esteem, self-affirmation, and schadenfreude. Emotion, 11 (6): 1445.

Wilco, W. et al. (2015). Ouwerkerk, Richard H. S. Schadenfreude as a mate‐value‐tracking mechanism: Replication and extension of Colyn and Gordon. Personal Relationships, 22, 299–307. doi: 10.1111/pere.12081.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20iEsp1.e8817

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia