O Ressentimento no Contexto do Trabalho Imaterial Afetivo

Sonia Regina Vargas Mansano

Resumo


O presente artigo busca analisar como o trabalho imaterial pode abrir espaço para expressão do ressentimento, trazendo consequências afetivas para trabalhadores, usuários e organizações. Notadamente, o trabalho imaterial ganhou relevância tanto nas organizações quanto entre os profissionais liberais, sendo que dimensões afetivas, como a cordialidade, a atenção e a confiança, passaram a fazer parte das relações de trabalho contemporâneas, sendo apresentadas pelo mercado como um diferencial. Ocorre que o campo afetivo, tal qual será argumentado neste artigo teórico, configura-se por meio de variações subjetivas imprevisíveis, que produzem efeitos os mais diversos nas relações sociais cotidianas. Desconsiderando essa dimensão variável, emerge uma tentativa de prescrever, treinar e controlar os afetos com vistas a produzir mais capital. O estudo mostra, por meio da psicologia social, da filosofia e da sociologia, como tal situação é propícia para instalação e disseminação do ressentimento no contexto do trabalho imaterial afetivo.

Palavras-chave


trabalho imaterial; ressentimento; afeto; psicologia social.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Câmara dos Deputados. (2015). Câmara aprova projeto de lei que permite terceirização da atividade-fim de empresas. https://www.camara.leg.br/noticias/456381-camara-aprova-projeto-que-permite-terceirizacao-da-atividade-fim-de-empresa/

Clot, Y. (Org.) (1996). Les histoires de la psychologie du travai. Paris: Ed. Octarès.

Deleuze, G. (1988). Nietzsche e a filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, G. (1997). Crítica e Clínica. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G. (2009). Curso sobre Spinoza (Vincennes, 1978 – 1981). Fortaleza: EdUECE.

Demo, P. (2000). Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (1992). A Loucura do trabalho: Estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez.

Deus, R. M.; Battistelle, R. A. G., & Silva, G. H. R. (2015). Resíduos sólidos no Brasil: Contexto, lacunas e tendências. Engenharia Sanitária e Ambiental, 20(4), 685-698. DOI: http://doi.org/10.1590/S1413-41522015020040129347

Enriquez, E. (2000). O indivíduo preso na armadilha da estrutura estratégica. In F. C. P. Motta, & M. E. Freitas (Orgs.), Vida Psíquica e organização (pp. 23-40). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Forrester, V. (1997). O Horror econômico. São Paulo: Ed. UNESP.

Foucault, M. (1998). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Gazeta do Povo. (2015). Violência de Curitiba é assunto de jornais internacionais. http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/violencia-em-curitiba-e-assunto-de-jornais-internacionais-1cxznhyic9dhvr0dxijnq6x18

Hardt, M., & Negri, A. (2001). Império. Rio de Janeiro: Record.

Hardt, M., & Negri, A. (2005). Multidão: Guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record.

Hardt, M., & Negri, A. (2016). Bem estar comum. Rio de Janeiro: Record.

Gorz, A. (2005). O imaterial: Conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume.

Houaiss, A., Villar, M. S., & Franco, F. M. M. (2009). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Lazzarato, M. (2014). Signos, máquinas, subjetividades: Capitalismo e produção de subjetividade. São Paulo: Edições Sesc São Paulo e N-1 Edições.

Lazzarato, M. (2017). O governo do homem endividado. São Paulo: N-1 Edições.

Lapoujade, D. (2017). As existências mínimas. São Paulo: N-1 Edições.

Le Guillant, L. (2006). Introdução a uma psicopatologia social. In E. A. Lima (Org.), Escritos de Louis Le Guillant: Da ergoterapia à psicopatologia do trabalho (pp. 23-74). Petrópolis: Vozes.

Lei n. 13.428, de 31 de março de 2017. Altera dispositivos da Lei no6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13429.htm

Machado, R. (1985). Nietzsche e a verdade. Rio de Janeiro: Rocco.

Naffah Neto, A. (1991). O inconsciente como potência subversiva. São Paulo: Escuta.

Pelbart, P. P. (2017). O avesso do niilismo: Cartografias do esgotamento. São Paulo: Edições N-1.

Pelbart, P. P. (2018). Necropolítica tropical. São Paulo: Edições N – 1.

Sassen, S. (2016). Expulsões: Brutalidade e complexidade na economia global. Rio de Janeiro / São Paulo: Paz & Terra.

Schlindwein, V. L. C. (2013). Histórias de vida marcadas por humilhação, assédio moral e adoecimento no trabalho. Psicologia & Sociedade, 25(2), 430-439.

Sennett, R. (2000). A corrosão do caráter: Consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Scheinvar, E. (2014). A indústria da insegurança e a venda da segurança. Psicologia em Estudo, 19(3), 481-490. DOI: http://doi.org/10.1590/1413-73725000811

Spinoza, B. (2017). Ética. Belo Horizonte: Editora Autêntica. (Originalmente publicado em 1677).

Yonezawa, F. H. (2014). Afirmar uma psicologia fortalecedora da vida com Nietzsche e Deleuze. Fractal Revista de Psicologia, 26(3), 853-876. DOI: http://doi.org/10.1590/1984-0292/980




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i2.e8823

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia