Características da Violência Contra Professores de Escolas Públicas

Francisco Pablo Huascar Aragão Pinheiro, Raquel Pereira Belo, Ana Raquel Cardoso Feijão, Ana Alice Pereira

Resumo


O trabalho docente no Brasil sofre com questões estruturais, entre as quais está a violência escolar. As investigações brasileiras e internacionais sobre esse tema tendem a se concentrar nas agressões sofridas pelos alunos. As pesquisas nacionais sobre professores carecem de informações sobre as taxas gerais de vitimização, os tipos de agressões sofridas, os perpetradores dos atos violentos e as variáveis preditoras. A pesquisa ora apresentada teve como objetivos: 1) determinar a natureza e a dimensão da violência direcionada a professores, considerando o tipo de agressão e o respectivo perpetrador; 2) analisar aspectos demográficos que estão associados às vitimizações relatadas. Participaram 744 professores, da educação infantil e do ensino fundamental de escolas públicas de um município cearense, que responderam voluntariamente a um instrumento padronizado autoaplicável. Os resultados revelaram que 62,2% dos professores relataram ao menos uma forma de vitimização e, destes, 42,5% indicaram ter sofrido atos violentos oriundos de alunos. Mais da metade da amostra reportou ao menos um ato de assédio verbal; quase um terço afirmou ter sofrido atentados contra a propriedade; 21,5% apontaram terem sido vítimas de agressões físicas e 8,6% afirmaram ter recebido ofertas de drogas. Os achados indicaram que havia uma maior probabilidade de homens, bem como professores que atuavam em classes de ensino fundamental II e docentes com contratos efetivos, relatarem uma frequência superior de atos violentos. Não houve diferenças nas taxas de vitimização quando se observaram a raça e a etnia dos participantes, com exceção dos indivíduos que se declararam amarelos, indígenas ou que preferiram não dar essa informação, para os quais houve uma maior incidência de insultos sexistas.

Palavras-chave


violência escolar; professores; escolas públicas; preditores

Texto completo:

PDF/A (English) PDF/A

Referências


Agresti, A., & Finlay, B. (2012). Métodos Estatísticos para as Ciências Sociais. Porto Alegre, RS: Penso.

Assunção, A. Á., & Oliveira, D. A. (2009). Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, 30(107), 349-372. DOI: 10.1590/S0101-73302009000200003

Charlot, B. (2002). A violência na escola: Como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, (8), 432-443. DOI: 10.1590/S1517-45222002000200016

Espelage, D., Anderman, E. M., Brown, V. E., Jones, A., Lane, K. L., McMahon, S. D., … Reynolds, C. R. (2013). Understanding and preventing violence directed against teachers. Recommendations for a national research, practice, and policy agenda [Compreender e prevenir a violência dirigida contra os professores. Recomendações para uma pesquisa nacional, para a prática e para uma agenda política]. American Psychologist, 68(2), 75-87. DOI: 10.1037/a0031307

Ferreira, A. C., Santos, E. R. dos, & Rosso, A. J. (2016). Representação social da indisciplina escolar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 199-208. DOI: 10.1590/0102-37722016012074199208

Ferreira, L. P., Latorre, M. R., & Giannini, S. P. (2011). A violência na escola e os distúrbios de voz de professores. Distúrbios da Comunicação, 23(2), 165-72. Link

Galand, B., Philippot, P., Buidin, G., & Lecocq, C. (2004). Violences à l’école en Belgique francophone : différences entre établissements et évolution temporelle [Violência nas escolas da Bélgica francófona: diferenças entre escolas e evolução temporal]. Revue Française de Pédagogie, 149, 83-96. DOI: 10.3406/rfp.2004.3175

Galand, B., Philippot, P., Petit, S., Born, M., & Buidin, G. (2005). Regards croisés sur les phénomènes de violence en milieu scolaire: Elèves et équipes éducatives [Cruzando perspectivas sobre os fenômenos de violência nas escolas: alunos e equipes educacionais]. Revue des Sciences de l’Éducation, 30, 465-486. DOI: 10.7202/012078ar

Gasparini, S. M., Barreto, S. M., & Assunção, A. Á. (2006). Prevalência de transtornos mentais comuns em professores da rede municipal de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22(12), 2679-2691. DOI: 10.1590/S0102-311X2006001200017

Lelis, I. (2012). O trabalho docente na escola de massa: Desafios e perspectivas. Sociologias, 14(29), 152-174. DOI: 10.1590/S1517-45222012000100007

Levandoski, G., Ogg, F., & Cardoso, F. L. (2011). Violência contra professores de educação física no ensino público do estado do Paraná. Motriz: Revista de Educação Física, 17(3), 374-383. DOI: 10.1590/S1980-65742011000300001

Macedo, J. M. de., & Lima, M. M. (2017). Fundamentos teóricos e metodológicos da precarização do trabalho docente. Revista, Trabalho, Política e Sociedade, 2(3), 219-242. DOI: 10.29404/rtps-v2i3.3680

McMahon, S. D., Martinez, A., Espelage, D., Rose, C., Reddy, L. A., Lane, K., … Brown, V. (2014). Violence directed against teachers: Results from a national survey [Violência dirigida contra professores: resultados de uma pesquisa nacional]. Psychology in the Schools, 51(7), 753-766. DOI: 10.1002/pits.21777

Medeiros, A. M., Assunção, A. A., & Barreto, S. M. (2012). Absenteeism due to voice disorders in female teachers: A public health problem [Absenteísmo por distúrbios de voz em professoras: Um problema de saúde pública]. International Archives of Occupational and Environmental Health, 85(8), 853-864. DOI: 10.1007/s00420-011-0729-1

Mendes, A. M., Ferreira, M. C., & Cruz, R. M. (2007). Inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento – ITRA: Instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas (pp. 111-126). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Moon, B., & McCluskey, J. (2016). School-based victimization of teachers in Korea: Focusing on individual and school characteristics [Vitimização escolar de professores na Coreia: focando em características individuais e escolares]. Journal of Interpersonal Violence, 31(7), 1340-136. DOI: 10.1177/0886260514564156

Nesello, F., Sant’Anna, F. L., Santos, H. G. dos, Andrade, S. M., Mesas, A. E., & González, A. D. (2014). Características da violência escolar no Brasil: Revisão sistemática de estudos quantitativos. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 14(2), 119-136. DOI: 10.1590/S1519-38292014000200002

Oliveira, D. A. (2010). Os trabalhadores da educação e a construção política da profissão docente no Brasil. Educar em Revista, (spe 1), 17-35. DOI: 10.1590/S0104-40602010000400002

Reddy, L, A., Espelage, D. L., Anderman, E. M., Kanrich, J. B., & McMahon, S. D. (2018). Addressing violence against educators through measurement and research [Abordar a violência contra educadores por meio de medições e pesquisas]. Aggression and Violent Behavior, 42, 9-28. DOI: 10.1016/j.avb.2018.06.006

Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo. (n.d.). Análise da pesquisa “Violência na escola: o olhar dos professores”. Link

Wilson, C. M., Douglas, K. S., & Lyon, D. R. (2011). Violence against teachers: Prevalence and consequences [Violência contra professores: prevalência e consequências]. Journal of Interpersonal Violence, 26(12), 2353–2371. DOI: 10.1177/0886260510383027




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v20iEsp.e8827

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia