A (In)Visibilidade do Graffiti e da Pichação: Subjetivando Juventudes?

Andressa Sauzem Mayer, Lucas Motta Brum, Samara Silva dos Santos

Resumo


Esse trabalho tem como objetivo compreender o significado do graffiti e da pichação para os jovens transgressores, assim como as motivações, sentimentos e relações sociais implícitas nessas práticas. Fizeram parte deste estudo seis jovens em conflito com a lei, que possuíam envolvimento com pichação numa cidade no interior do estado do Rio Grande do Sul. Os critérios de seleção para a participação neste estudo foram: possuir envolvimento com pichação ou graffiti, ter idade entre 15 a 29 anos. Como instrumento para a coleta de dados, foi utilizada uma entrevista com roteiro semiestruturado, que abordou os seguintes tópicos: dados sociodemográficos, informações sobre as vivências relacionadas ao envolvimento com graffiti e pichação, e os significados atribuídos a essa infração. Os dados obtidos com as entrevistas foram analisados qualitativamente. As informações foram organizadas em duas categorias temáticas: “Adrenalina e Visibilidade” e “Expressão e Subjetividade”. Os resultados evidenciaram questões relacionadas à necessidade dos jovens de se expressar e se comunicar, enquanto sujeitos, ressaltando a importância de compreender por quais espaços circulam, que lugar ocupam no contemporâneo e o que querem por meio dessas intervenções. Por fim, destaca-se a forma com que a juventude tem se relacionado com o risco e como tem sido tratada no contemporâneo, em meio a espaços restritos e limitados, em que a marginalização e a criminalização dessas manifestações sociais se fazem presentes. Desse modo, ressaltam-se as potencialidades do graffiti e da pichação enquanto poder criativo, transformador e subjetivador para além da transgressão.


Palavras-chave


juventude, arte urbana, subjetividade, ato infracional, risco

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abramovay, M., Cunha, A. L., Calaf, P. P., Carvalho, L. F., Castro, M. G., Feffermann, M., ... Maciel, M. (2010). Gangues, Gênero e Juventudes: Donas de Rocha e Sujeitos Cabulosos. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos. Retrieved from http://www.emdialogo.uff.br/sites/default/files/Livro_Gangues_genero_e_juventudes.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Brasil: Edições 70.

Birman, J. (2005). Mal estar na atualidade (5. ed). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Birman, J. (2012). O sujeito na contemporaneidade: Espaço, dor e desalento na atualidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Caldeira, T. P. R. (2012). Inscrição e circulação: Novas visibilidades e configurações do espaço público em São Paulo. Novos Estudos - CEBRAP, (94), 31-67. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002012000300002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Campos, R. (2009). Entre as luzes e as sombras da cidade: Visibilidade e invisibilidade no graffiti. Etnográfica, 13(1), 145-170. Retrieved from http://etnografica.revues.org/1292

Campos, R. (2010). Juventude e visualidade no mundo contemporâneo: Uma reflexão em torno da imagem nas culturas juvenis. Sociologia, Problemas e Práticas, (63), 113-137. Retrieved from http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?pid=S0873-65292010000200007&script=sci_arttext

Campos, R. (2013). Liberta o herói que há em ti: Risco, mérito e transcendência no universo graffiti. Tempo Social, 25(2), 205-225. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ts/v25n2/a11v25n2.pdf

Ceará, A. T., & Dalgalarrondo, P. (2008). Jovens pichadores: Perfil psicossocial, identidade e motivação. Psicologia USP, 19(3), 277-293. Retrieved from http://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/41964/45632

Costa, C. R. B. S. F., & Assis, S. G. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em conflito com a lei no contexto socioeducativo. Psicologia & Sociedade, 18(3), 74-81. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/psoc/v18n3/a11v18n3.pdf

Furtado, J. R. (2012). Tribos urbanas: Os processos coletivos de criação no grafitti. Psicologia & Sociedade, 24(1), 217-226. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822012000100024

Furtado, J. R., & Zanella, A. V. (2009). Graffiti e cidade: Sentidos da intervenção urbana e o processo de constituição dos sujeitos. Revista Mal Estar e Subjetividade, 9(4), 1279-1302. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1518-61482009000400010&script=sci_arttext

Gallo, A. E., & Williams, L. C. A. (2005). Adolescentes em conflito com a lei: Uma revisão dos fatores de risco para conduta infracional. Psicologia: Teoria e Prática, 7(1), p. 81-95. Retrieved from http://www.redalyc.org/pdf/1938/193817415007.pdf

Gomes, I. D. (2014). “A gente vive de sonho”: Sentidos de futuro para adolescentes privados de liberdade (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. Retrieved from http://www.teses.ufc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=12258

Hamann, C., Cardoso, J. G. M., Tedesco, P. C., & Pizzinato, A. (2013). Entre o público e o privado: Discurso de mulheres em movimentos de grafite. Ex aequo, (28), 45-58. Retrieved from http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-55602013000200005&lng=pt&tlng=en

Ivo, A. B. L. (2007).Cidade: Mídia e arte de rua. Caderno CRH, 20(49), 107-122. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-49792007000100009&script=sci_arttext

Kehl, M. R. (2004). A juventude como sintoma da cultura. In R. Novaes, & P. Vanucchi. (Orgs.), Juventude e Sociedade: Trabalho, educação, cultura e participação (pp. 89-129). São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências (1998). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9605.htm#art65

Lei nº 12.408, de 25 de maio de 2011. Altera o art. 65 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos (2011). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12408.htm

Lei nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional (2012). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12594.htm

Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. (2013).Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm

Magnani, J. G. C. (2005). Os circuitos dos jovens urbanos. Tempo Social, 17(2), 173-205. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ts/v17n2/a08v17n2

Mariani, B., & Medeiros, V. (2014). Discurso urbano e enigmas no Rio de Janeiro: Pichações, grafites, decalques. Revista Rua, 20(1), 127-143. Retrieved from www.labeurb.unicamp.br/rua20anos/web/rua2/.../1/revistaRua_1_8.pdf

Mariani, B., & Medeiros, V. (2013). “E quando a pichação é da prefeitura? Pichar, proscrever, dessubjetivar”. Revista Rua, 19(1), Retrieved from http://www.labeurb.unicamp.br/rua/pages/pdf/19-1/1-19-1.pdf

Nardi, F. L., & Dell’Aglio, D. D. (2010). Delinquência juvenil: Uma revisão teórica. Acta Colombiana de Psicología, 13(2), 69-77. Retrieved from http://www.redalyc.org/pdf/798/79819279007.pdf

Nascimento, L. H. P. (2015). Pixacao: A arte em cima do muro. Cachoeiro do Sul: Monstro dos Mares.

Penrod, J., Preston, D. B., Cain, R., & Starks, M. T. (2003). A discussionofchainreferral as a methodofsampling hard-to-reachpopulations. Journalof Transcultural Nursing, 14(2), 100-7. Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12772618

Pereira, A. B. (2010). As marcas da cidade: A dinâmica da pixação em São Paulo. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (79), 143-162. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-64452010000100007&script=sci_arttext

Pizzinato, A., Tedesco, P. C., & Hamann, C. (2017). Intervenções visuais urbanas: Sensibilidade(s) em arte, grafite e pichação. Psicologia & Sociedade, 29, e169375. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822017000100240&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Ramos, S. (2009). Meninos do Rio: Jovens, violência armada e polícia nas favelas cariocas. Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, boletim segurança e cidadania, 8(13), 01-28. Retrieved from http://www.unicef.org/brazil/pt/BoletimCESeCNo13MeninosdoRio.pdf

Resolução CNS n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. (2012) Retrieved from http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Sebenello, D. C., Kleba, M. E., & Keitel, L. (2016). Práticas de lazer e espaços públicos de convivência como potência protetiva na relação entre juventude e risco. Revista Katálysis, 19(1), 53-63. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802016000100053&lng=pt&nrm=iso

Silva, R. C., & Iapechino, M. N. K. (2010). A possibilidade de um “não-possível”: O grafite em uma perspectiva didática. Revista Encontros de Vista, (6), 52-73. Retrieved from http://www.encontrosdevista.com.br/Artigos/A_POSSIBILIDADE_DE_UM_NAO-POSSIVEL_O_GRAFITE%20EM_UMA_PERSPECTIVA_DIDATICA.pdf

Silva, R. L. (2004). Escutando a adolescência nas grandes cidades através do grafite. Psicologia: Ciência e profissão, 24(4), 2-11. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932004000400002

Silveira, N. E. (1991). Superfícies alteradas: Uma cartografia dos grafites da cidade de São Paulo (Dissertação de Mestrado) Universidade Estadual de Campinas.

Soares, T. N. (2015).O difícil combate: As pichações como um problema de ordem política e social em recife durante a ditadura civil-militar. Recôncavo, 5(8), 72-95. http://revista.uniabeu.edu.br/index.php/reconcavo/article/view/1952

Spinelli, L. (2007). Pichação e comunicação: Um código sem regra. Logos 26: Comunicação e conflitos urbanos, 14(1), 111-121. Retrieved from http://www.logos.uerj.br/PDFS/26/08lucianospen.pdf

Spink, M. J. P. (2001). Trópicos do discurso sobre risco: Risco-aventura como metáfora na modernidade tardia. Cad. Saúde Pública, 17(6), 1277-1311. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/csp/v17n6/6944.pdf

Trancoso, A. E. R., & Oliveira, A. A. S. (2015). Conceito dinâmico de juventudes e sua implicação na política pública. In A. M. P. Caniato (Ed.), Psicologia social, violência e subjetividade (pp. 242- 259). Florianópolis: ABRAPSO Editora, Edições do Bosque CFH/UFSC. Retrieved from https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/133720/Book%20IV%20final%20A.pdf?sequence=3&isAllowed=y

Ventura, T. (2009). Hip-hop e graffiti: Uma abordagem comparativa entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Análise Social, (192), 605-634. Retrieved from http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?pid=S0003-25732009000300007&script=sci_arttext

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Temáticas, 22, (44): 203-220. Retrieved from https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/tematicas/article/view/2144/1637

Wainer, J., & Oliveira, R. T. (2013) PIXO: Documentário sobre pichação e pichadores. Sindicato Paralelo Filmes. Youtube. Retrieved from https://www.youtube.com/watch?v=skGyFowTzew

Zan, D., Batista, E., Campos, M. T. A., Raggi, N., & Almeida, T. L. (2010). Grafite e pichação: formas de resistência e participação juvenis? Educação, 35(3), 465-478. Retrieved from http://cascavel.cpd.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reveducacao/article/view/2356/1423

Zanella, A. V., Brito, R. V. A., Carvalho, R. M., & Rozenfeld, T. (2014). O projeto ArteUrbe: Tecnologia e produção de subjetividade. Revista Polis e Psique, 4(3), 217-233. Retrieved from http://www.seer.ufrgs.br/PolisePsique/article/download/44998/pdf_19




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i1.e8845

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia