Conversando e Desenhando com Mães de Crianças Autistas: Investigação Psicanalítica

Jéssyca Borges Guimarães, Miriam Tachibana

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo investigar a experiência emocional de mães de crianças que foram diagnosticadas com autismo. Para tanto, foram realizadas entrevistas individuais com sete mulheres, que tinham um filho autista. As entrevistas foram mediadas pelo Procedimento de Desenhos-Estórias com Tema, segundo o tema “uma mãe que possui um filho diferente dos outros”. Após cada entrevista, a pesquisadora que a realizou redigiu uma narrativa transferencial sobre o respectivo encontro. O material foi analisado segundo o método psicanalítico, tal como prevê a “Teoria dos Campos”. Foram identificados três campos, intitulados “Quem é o culpado?”, “Quem vai cuidar da criança?” e “Quem vai cuidar de mim?”, por meio dos quais foi observado que as participantes experienciavam mal-estar por se sentirem ora culpabilizadas pelo quadro de autismo da criança, ora desamparadas pelos pais das crianças e pelos profissionais da saúde nos cuidados do filho autista. Os dados apontam a importância da atenção psicológica ao grupo de mães de crianças com diagnóstico de autismo, pois estas se sentem ocupando um lugar exclusivo no “cuidar do outro”, sem, em contrapartida, contar com uma postura de cuidado para com elas.

Palavras-chave


maternidade; autismo; relações mãe-criança.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abram, J. (1996). A linguagem de Winnicott. Dicionário das palavras e expressões utilizadas por Donald W. Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (1995). O uso de procedimentos projetivos na pesquisa de representações sociais: Projeção e transicionalidade. Psicologia USP, 6(2), 103-127.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (1999). Encontro com a loucura: Transicionalidade e ensino de Psicopatologia. Tese de Livre-Docência, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, SP.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. A., Machado, M. C. L., Ayouch, T., Caron, R., & Beaune, D. (2009). Les récits transferentiels comme présentation du vécu clinique: Une proposition méthodologique. In D. Beaune (Org.), Psychanalyse, Philosophie, Art: Dialogues (pp.39-52). Paris: L’Harmattan.

Agelet, P. C. (2016). Relato sobre el proceso psicoanalítico de un niño diagnosticado tempranamente: “Y si Lucas tiene autismo?”. Cuestiones de Infancia, 65-77.

Allen, H. (2016). Bad Mothers and Monstrous Sons: Autistic Adults, Lifelong Dependency, and Sensationalized Narratives of Care. Journal of Medical Humanities, 38(1), 63-75. DOI: 10.1007/s10912-016-9406-4

Avellar, L. Z. (2009). A pesquisa em Psicologia clínica: Reflexões a partir da leitura da obra de Winnicott. Contextos Clínicos, 2(1), 11-17. DOI: 10.4013/ctc.2009.21.02

Bernardino, L. M. F. (2016). Os “tempos de autismo” e a clínica psicanalítica. Estilos da Clínica, 21(2), 412-427.

Botero, G. R. C. (2019). Los avataresdel vínculo conyugal a lallegada de unhijocon autismo. Trabajo Social, 21(1), 169-193.

Castillo, A. U. (2020). El tratamiento de unniñocon autismo ensituación de vida complicada. Aperturas Psicoanalíticas, 63(3), 1-19.

Constantinidis, T. C., Silva, L. C. da, & Ribeiro, M. C. C. (2018). “Todo Mundo Quer Ter um Filho Perfeito”: Vivências de Mães de Crianças com Autismo. Psico-USF, 23(1), 47-58. DOI: 10.1590/1413-82712018230105

Cortezia, F. S. (2015). O desamparo de mães de crianças autistas: Impacto das características de espectro do autismo na maternidade. Monografia de Especialização em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS.

Ferreira, I. C., Costa, J. de J., & Couto, D. P. do. (2018). Implicações do diagnóstico de autismo para a vivência da maternidade. Pretextos, 3(5), 431-448.

Freud, S. (1996). Sobre o Narcisismo: Uma introdução. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (volume XIV, pp.77-108). Rio de Janeiro: Imago.

Gonçalves, A. P., Silva, B. da, Menezes, M., & Tonial, L. (2017). Transtornos do Espectro do Autismo e Psicanálise: Revisitando a literatura. Tempo Psicanalítico, 49(2), 152-181.

Granato, T. M. M., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2002). A preocupação materna primária especial. Psicologia Clínica, 14(2), 87-91.

Herrmann, F. (2007). Teoria dos campos: Uma pequena História. Jornal de Psicanálise, 40(73), 69-75.

Homercher, B. M., Peres, L. S., Arruda, L. F. dos S., & Smeha, L. N. (2020). Observação Materna: Primeiros Sinais do Transtorno do Espectro Autista Maternal. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 20(2), 540-558. DOI: 10.12957/epp.2020.52585

Jerusalinsky, J. (2018). Detecção precoce de sofrimento psíquico versus patologização da primeira infância: face à lei n 13438/17 referente ao Estatuto da criança e do adolescente. Estilos da Clínica, 23(1), 83-99. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v23i1p83-99

Leandro, J. A., & Lopes, B. A. (2018). Cartas de mães e pais de autistas ao Jornal do Brasil na década de 1980. Interface, 22(64), 153-163. DOI: 10.1590/1807-57622016.0140

Lopes, B. A. (2017). Autismo e Culpabilização das Mães: Uma Leitura de Leo Kanner e Bruno Bettelheim. [Texto completo]. In Universidade Federal de Santa Catarina (Org.), Anais eletrônicos do 11 Seminário Internacional Fazendo Gênero & 13th Women’s Worlds Congress. Florianópolis, SC: UFSC.

López, R. M. M. (2015). Identidade social: Mãe de autista. Agenda Social (9)2, 106-118.

Marcoccia, M. C. M. (2017). A experiência materna na clínica da obesidade: Estudo psicanalítico. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, SP.

Martin, J. S. (2019). Trabalho analítico no vínculo pais-bebê e a possível mudança no percurso psicoafetivo. In M. C. P. da Silva & M. M. de Almeida (Orgs.), Infância, vínculos e diversidade profissional: Espaços para interlocução (pp. 405-418). São Paulo: Blucher.

Martinez, L. L. (2015). O lugar do filho autista no desejo materno: Impactos e possibilidades na intervenção clínica. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, DF.

Moraes, N. de A. de, & Perrone, C. M. (2017). A Polêmica do Tratamento Psicanalítico do Autismo: Dimensões Políticas, Sociais e Econômicas. Revista Subjetividades, 17(2), 12-22. 10.5020/23590777.rs.v17i2.5242

Nunes, F., & Ortega, F. (2016). Ativismo político de pais de autistas no Rio de Janeiro: Reflexões sobre o “direito ao tratamento”. Saúde e Sociedade, 25(4), 964-975. DOI: 10.1590/s0104-12902016163127

Oliveira, L. B. (2019). O desejo da mãe a partir do diagnóstico de autismo. Psicologia em Revista, 25(3), 1287-1300. DOI: 10.5752/P.1678-9563.2019v25n3p1287-1300

Sanches, A., & Cardoso, H. R. (2006). Ruptura de campo: Proposta clínica e metodológica de Fabio Herrmann. [Texto completo]. In Universidade Estadual de São Paulo (Org), Anais do XIX Encontro de Psicologia. Assis, SP: UNESP.

Silva, C. M. da, & Macedo, M. M. K. (2016). O Método Psicanalítico de Pesquisa e a Potencialidade dos Fatos Clínicos. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(3), 520-533. DOI: 10.1590/1982-3703001012014

Tachibana, M., Ambrosio, F. F. e, Beaune, D., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2014). O imaginário coletivo da equipe de enfermagem sobre a interrupção da gestação. Ágora, XVII(2), 285-297. DOI: 10.1590/S1516-14982014000200009

Vinuto, J. (2016). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Temáticas, 22(44), 203-220. DOI: 10.20396/tematicas.v22i44.10977

Winnicott, D. W. (1983). Distorção do Ego em termos de Falso e Verdadeiro Self. In D. W. Winnicott (Org.), O Ambiente e os Processos de Maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp.128-139). Porto Alegre: Artmed (Originalmente publicado em 1963)

Winnicott, D. W. (1984). Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil. Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1970)

Winnicott, D. W. (1993). Preocupação materna primária. In D.W. Winnicott (Org.), Textos selecionados: Da pediatria à psicanálise (pp.399-405). Rio de Janeiro: Francisco Alves (Originalmente publicado em 1956)

Winnicott, D. W. (1994). O Jogo do Rabisco. In C. Winnicott, R. Sheperd& M. Davis (Orgs.), Explorações psicanalíticas D.W. Winnicott (pp.230-243). Porto Alegre: Artes Médicas (Originalmente publicado em 1968)

Winnicott, D.W. (1996). L’autisme. In J. Johns, R. Sheperd& H. T. Robinson (Orgs.), L’enfant, la psyche et le corps (pp.258-280). Paris: Éditions Payot &Rivages. (Originalmente publicado em 1966)

Zavaglia, M. M. F. (2020). A experiência vivida de mães de filhos diagnosticados como autistas e sofrimento social. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, SP.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e8868

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia