Ageísmo: Percepção de Pessoas Idosas Usuárias do Cras

Juliana Fernandes-Eloi, Angélica Maria de Sousa Silva, Josevânia da Silva

Resumo


O estudo teve por objetivo avaliar o preconceito contra idade vivenciado por pessoas idosas usuárias de um Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Participaram 217 idosos, com idades entre 60 a 93 anos, sendo maioria do sexo feminino (82,9%). Utilizou-se um questionário de caracterização sociodemográfica, a escala Ageism Survey em sua versão adaptada e um diário de campo. Os dados quantitativos foram analisados através de estatística descritiva e bivariada e os dados qualitativos, através da análise de conteúdo do tipo categorial temática. Os resultados apontaram para uma maior predominância da ocorrência de discriminação contra pessoas idosas em relação a associar dor à idade (61,8%), ser demasiado velho para fazer algo (57,6%) e paternalismo (52,5%), entretanto as pessoas idosas participantes da pesquisa tendem a não perceber tais atitudes como uma forma de preconceito e/ou discriminação. É preciso maior investimento na desnaturalização da vivência do ageísmo, que se faz tão presente no cotidiano das pessoas idosas.

Palavras-chave


ageísmo; preconceito; estereótipo; velhice.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Álvaro, J. L., & Garrido, A. (2017). Psicologia social: perspectivas psicológicas e sociológicas. Artmed Editora.

Aronson, E., Wilson, T. D., & Akert, R. M. (2015). Preconceito: causas e curas. In: E. Aronson (Ed.), Psicologia Social (8a ed). Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora.

Brito, A. M. M., Camargo, B. V., & Castro, A. (2017). Representações sociais de velhice e boa velhice entre idosos e sua rede social. Revista de Psicologia da IMED, 9(1), 5-21. DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i1.1416

Brito, T. L. F. (2018). Fatores motivacionais para a prática de exercício físico em idosos. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará. Recuperado de http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/818

Camargos, M. C. S., & Gonzaga, M. R. (2015). Live longer and better? Estimates of healthy life expectancy in the Brazilian population. Cadernos de saúde publica, 31(7), 1460-1472. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00128914

Cary, L. A., Chasteen, A. L., & Remedios, J. (2017). The ambivalent ageism scale: Developing and validating a scale to measure benevolent and hostile ageism. The Gerontologist, 57(2), e27-e36. DOI: https://doi.org/10.1093/geront/gnw118

Castro, G. G. (2016). Ageism as a cultural trend: Reflections on the production of meanings regarding longer life in today’s world. Galáxia (São Paulo), (31), 79-91. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-25542016120675

Couto, M. C. P. P., & Koller, S. H. (2012). Warmth and competence: Stereotypes of the elderly among young adults and older persons in Brazil. International Perspectives in Psychology: Research, Practice, Consultation, 1(1), 52. DOI: https://doi.org/10.1037/a0027118

Couto, M. C. P. P., Koller, S. H., Novo, R., & Soares, P. S. (2009). Avaliação de discriminação contra idosos em contexto brasileiro - ageismo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25, 509-518. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722009000400006

Fernandes-Eloi, J., Dias, M. D. F., Nunes, T. R. T., & Silva, A. M. S. (2019). Afetos e percepções de idosos universitários acerca do mercado de trabalho na velhice. Revista Kairós: Gerontologia, 22(1), 249-271.

Fernandes-Eloi,., Lima, M. E. G., & Silva, A. M. D. S. (2019). Reinserção de idosos no mercado de trabalho: uma etnografia de tela do filme Um Sr. Estagiário. Pensando familias, 23(1), 199-212.

Guerra, A. C. L. C., & Caldas, C. P. (2010). Dificuldades e recompensas no processo de envelhecimento: A percepção do sujeito idoso. Ciência & Saúde Coletiva, 15(6), 2931-2940. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000600031

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf

Kreuz, G., & Franco, M. H. P. (2017). Reflexões acerca do envelhecimento, problemáticas, e cuidados com as pessoas idosas. Revista Kairós: Gerontologia, 20(2), 117-133. DOI: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2017v20i2p117-133

Minichiello, V., Browne, J., & Kendig, H. (2000). Perceptions and consequences of ageism: views of older people. Ageing & Society, 20(3), 253-278. DOI: https://doi.org/10.1017/S0144686X99007710

Nelson, T. (2005). Ageism: Prejudice against our feared future self. Journal of Social Issues, 61, 207-221. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-4560.2005.00402.x

Palmore, E. (2001). The ageism survey: First findings. The Gerontologist 41, 1-3. DOI: https://doi.org/10.1093/geront/41.5.572

Palmore, E. B. (1990). Ageism: Positive and negative. New York: Springer.

Palmore, E. B. (2004). Research note: Ageism in Canada and the United States. Journal of Cross-Cultural Gerontology, 19(1), 41-46. DOI: https://doi.org/10.1023/B:JCCG.0000015098.62691.ab

Pereira, R. F., Freitas, M. C., & Assunção Ferreira, M. (2018). Velhice para os adolescentes: Abordagem das representações sociais. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(4), 601-609. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167.2014670416

Rocha, P. L., Correia, J. A., & Medina, M. T. (2015). A (re)construção de contextos e culturas da velhice e do envelhecimento: Abordagens da gerontologia social/crítica. Trabalho & Educação, 24(2), 57-70.

Saldanha, A. A. W., Silva, J., Furtado, F. M. S. F, & Silva, V. F. (2019). Vulnerabilidades em saúde no contexto rural. In S. C. Maciel & P. N. Fonsêca, Psicologia Social: Vertentes e perspectivas (pp.147-164). João Pessoa: Editora UFPB.

Schneider, R. H., & Irigaray, T. Q. (2008). O envelhecimento na atualidade: Aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, 25(4), 585-593. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2008000400013

Silva, C. A. A., & Fixina, E. B. (2018). Significados da velhice e expectativas de futuro sob a ótica de idosos. Geriatrics, Gerontolology and Aging, 12(1), 8-14. DOI: https://doi.org/10.5327/Z2447-211520181700081

Silva, E. A. D., & França, L. H. D. F. P. (2015). Violência contra idosos na cidade do Rio de Janeiro. Estudos e pesquisas em Psicologia, 15(1), 155-177. DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2015.16067

Silva, J., Pichelli, A. A. W. S., & Furtado, F. M. S. (2017). O envelhecimento em cidades rurais e a análise das vulnerabilidades em saúde. In C. M. R. G. Carvalho & L. F. Araújo. Envelhecimento e práticas gerontológicas (pp. 291-310). Curitiba/Teresina: CRV EDUFPI.

Sousa, A. C. S. N., Lodovici, F. M. M., Silveira, N. D. R., & Arantes, R. P. G. (2014). Alguns apontamentos sobre o Idadismo: A posição de pessoas idosas diante desse agravo à sua subjetividade. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, 19(3), 853-877.

Teixeira, S. M. D. O., Marinho, F. X. S., Junior, C., Freitas, D., & Martins, J. C. D. O. (2015). Reflexões acerca do estigma do envelhecer na contemporaneidade. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, 20(2), 503-515.

Teixeira, S. M. de O., Souza, L. E. C., & Maia, L. M. (2018). Ageísmo institucionalizado: Uma revisão teórica. Revista Kairós-Gerontologia, 21(3), 129-149. https://ken.pucsp.br/kairos/article/view/41448

Torres, T. L., Camargo, B. V., & Bousfield, A. B. S. (2016). Estereótipos sociais do idoso para diferentes grupos etários. Psicologia: teoria e pesquisa, 32(1), 209-219. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-37722016012114209218

Vieira, R. D. S., & Lima, M. E. O. (2015). Estereótipos sobre os idosos: Dissociação entre crenças pessoais e coletivas. Temas em Psicologia, 23(4), 947-958. DOI: https://doi.org/10.9788/TP2015.4-11




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v20iEsp.e8945

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia