(Im)possibilidade de mobilização subjetiva na clínica das patologias do trabalho: o caso das professoras readaptadas

Graziele Alves Amaral, Ana Magnólia Mendes, Emílio Peres Facas

Resumo


A partir da constatação de que os estudos em clínica psicodinâmica do trabalho enfocam trabalhadores em situação de normalidade e não expressam, claramente, como a mobilização subjetiva ocorre a partir da escuta clínica, pretendeu-se, com este artigo, problematizar o conceito dejouriano de mobilização subjetiva em contexto de trabalhadores adoecidos. A pesquisa foi realizada com base no referencial teórico e metodológico da psicodinâmica do trabalho. Foram realizadas 22 sessões de clínica do trabalho com professoras readaptadas do Distrito Federal e os dados foram analisados conforme a técnica de análise clínica do trabalho. A mobilização subjetiva, como um processo de resgate do sentido e do prazer no trabalho, não foi possível de ser alcançada na clínica. Esse resultado se deve ao fato de o trabalho na readaptação se constituir em um trabalho morto, inclusive no sentido de contribuir para o isolamento e a exclusão dessas profissionais, levando ao desmoronamento dos laços sociais e à impossibilidade de uma mobilização coletiva potente o suficiente para mudar as questões estruturais desse não trabalho a que estão submetidas. Apesar de defender a impossibilidade de mobilização subjetiva em um trabalho morto, a grande contribuição da clínica do trabalho realizada foi no sentido de demonstrar a potência política da clínica do trabalho a partir de novos destinos que as professoras adoecidas puderam dar ao sofrimento.

Palavras-chave


mobilização subjetiva; readaptação profissional; clínica do trabalho.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abel, M. C. (2009). Efeitos do trabalho psicanalítico: Condições e causa. In V. Zanello, C. Carneiro & M. N. Campos (Orgs.), Fronteiras em psicanálise (pp. 91-108). Guarapari, ES: Ex Libris.

Amaral, G. A., & Mendes, A. M. (2017). Readaptação profissional de professores como uma promessa que não se cumpre: Uma análise da produção científica brasileira. Educação em Revista, 18(2), 105-119.

Antunes, S. M. P. S. N. (2014). Readaptação docente: Trajetória profissional e identidade. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP.

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: Estudo de psicopatologia do trabalho (5a Ed.). São Paulo: Cortez Oboré.

Dejours, C. (1996). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J. F. Chanlat (Coord.), O indivíduo na organização: Dimensões esquecidas (Vol.1, pp. 149-174). São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2011a). Entre sofrimento e reapropriação: O sentido do trabalho. In S. Lancman & L. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 433-448). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2011b). Inteligência prática e sabedoria prática: Duas dimensões desconhecidas do trabalho real. In S. Lancman & L. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 381-408). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2011c). Addendum: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In S. Lancman & L. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 57-123). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2011d). Saúde mental entre impulsos individuais e requisitos coletivos (sublimação e trabalho). In S. Lancman & L. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 409-430). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C., & Abdoucheli, E. (2009). Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli & C. Jayet, Psicodinâmica do trabalho: Contribuições da Escola Dejuriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (pp. 119-145). São Paulo: Atlas.

Duarte, F. S., & Mendes, A. M. (2013). Cuerpo docente: Análisis psicodinámico del trabajo de professores reubicados de Brasilia, Brasil. Praxis Revista de Psicología, (23), 115-131.

Facas, E. P., Mendes, A. M., Freitas, L. G., Amaral, G. A., & Duarte, F. S. (2017). A psicodinâmica do trabalho na Região Centro-Oeste do Brasil. In J. K. Monteiro, R. D. Moraes, A. M. Mendes & A. R. C. Merlo, Psicodinâmica do trabalho no Brasil: Práticas, avanços e desafios. Curitiba: Juruá.

Fantini, A. J. E., Silveira, A. M., & La Rocca, P. F. (2010). Readaptação ocupacional de servidores públicos: A experiência de uma universidade pública. Revista Médica de Minas Gerais, 20 (Supl2), 59-65.

Ferreira, J. B. (2011). O poder constituinte do trabalho vivo: Análise psicodinâmica da criação literária. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Universidade de Brasília, Brasília.

Ferreira, J. B. (2016). Quantos anos de solidão? Violência, assédio moral e paralisia das formas de vida no trabalho. In B. Farah (Org.), Assédio moral e organizacional: Novas modulações do sofrimento psíquico nas empresas contemporâneas (pp. 127-135). São Paulo: LTr80.

Freitas, L. G. (2006). Processo de saúde-adoecimento no trabalho dos professores em ambiente virtual. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

Ghizoni, L. D. (2013). Cooperação. In F. O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Orgs.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 99-102). Curitiba: Juruá.

Gernet, I., & Dejours, C. (2011). Avaliação do trabalho e reconhecimento. In P. F. Bendassoli & L. A. P. Soboll (Orgs.), Clínicas do trabalho (pp. 61-70). São Paulo: Atlas.

Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das funções públicas federais. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8112compilado.htm

Mendes, A. M. (2007a). Da psicodinâmica à psicopatologia do trabalho. In A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas (pp. 29-48). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M. (2007b). Novas formas de organização do trabalho, ação dos trabalhadores e patologias sociais. In: A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas (pp. 49-61). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M. (2014). Escuta analítica do sofrimento e o saber-fazer do clínico do trabalho. In A. M. Mendes, R. D. Moraes, & A. R. C. Merlo (Orgs.), Trabalho & sofrimento: Práticas clínicas e políticas (pp. 65-80). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M. (2016, setembro). Entrevista com Ana Magnólia Mendes concedida a Sonielson Luciano de Sousa. Recuperado de http://encenasaudemental.net/post-destaque/parte-das-atuais-patologias-sociais-e-decorrente-da-negacao-da-dimensao-do-sujeito-diz-a-profa-dra-ana-magnolia/

Mendes, A. M., & Araújo, L. K. R. (2012). Clínica psicodinâmica do trabalho: O sujeito em ação. Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M., & Duarte, F. S. (2013a). Mobilização subjetiva. In F. O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Orgs.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 259-262). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M., & Duarte, F. S. (2013b). Notas sobre o percurso teórico da psicodinâmica do trabalho. In L.G. Freitas (Coord.), Prazer e sofrimento no trabalho docente: Pesquisas brasileiras (pp. 13-24). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M., & Ghizoni, L. D. (2016). Editorial. Sofrimento como potência política para o trabalho do sujeito vivo. Trabalho En(Cena), 1(2), 1-3.

Mendes, A. M., Merlo, A. R. C., Duarte, F. S., & Araújo, L. K. R. (2014). Práticas clínicas no contexto da psicodinâmica do trabalho brasileira. In P. F. Bendassolli & L. A. P. Soboll (Orgs.), Métodos de pesquisa e intervenção em psicologia do trabalho (pp. 63-79). São Paulo: Atlas.

Moraes, R. D. (2015). Trabalho e emancipação: Um olhar da psicodinâmica do trabalho. In R. D. Moraes & A. C. L. Vasconcelos (Orgs.), Trabalho e emancipação: A potência da escuta clínica (pp.61-69). Curitiba: Juruá.

Nunes, B. O. (2000). O sentido do trabalho para merendeiras e serventes em situação de readaptação nas escolas públicas do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Ricardo, G. L. C., Barreto, M. J. C., Campos, C. de O. & Castro, T. C. M (2014). Clínica do trabalho: A aposta em uma categoria saudável no SINPRO-DF. In A. M. Mendes, C. G. Bottega & T. C. M. Castro. Clínica psicodinâmica do trabalho de professores: Práticas em saúde do trabalhador (pp. 39-51). Curitiba: Juruá.

Vasconcelos, A. C. L. (2013). Inteligência prática. In F. de O. Vieira, A. M. Mendes & A. R. C. Merlo (Orgs.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 237-242). Curitiba: Juruá.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i2.e8987

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia