Percepções dos Profissionais da Saúde sobre a Morte de Pacientes

Daniela Trevisan Monteiro, Jussara Maria Rosa Mendes, Carmem Lúcia Colomé Beck

Resumo


O presente estudo objetivou conhecer as percepções dos profissionais da saúde sobre a morte de pacientes. Realizou-se um estudo descritivo e exploratório de cunho qualitativo. A coleta de dados foi realizada através de entrevistas semiestruturadas e observações. Foram entrevistados dezessete profissionais, médicos e enfermeiros, que trabalham na unidade de pronto socorro em um hospital de ensino do Rio Grande do Sul. Os dados obtidos foram submetidos à triangulação a partir da análise de conteúdo. Os resultados mostraram que são utilizadas estratégias defensivas para o enfrentamento de situações consideradas estressantes. Ademais, os sentimentos suscitados não são elaborados pelos profissionais. Concluiu-se que são utilizadas estratégias defensivas quando ocorre a morte de pacientes, mas isso não diminui o sofrimento dos profissionais, por isso é importante que a morte seja tema de formação inicial e continuada entre os profissionais da saúde.

Palavras-chave


morte; atitude frente à morte; pessoal de saúde; serviço hospitalar de emergência.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Azevedo, F. A., Araújo, N. D., Novais, N. C., Silva, J. V., & Passos, R. A. (2016). Significados de morte: O discurso do sujeito coletivo da enfermagem. Revista Ciências em Saúde, 6(1), 52-58. DOI: 10.21876/rcsfmit.v6i1.458

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70.

Bordignon, M., Ferraz, L., Beck, C. L. C., Amestoy, S. C., & Trindade, L. L. (2015). (In)satisfação dos profissionais de saúde no trabalho em oncologia. Revista Rene, 16(3), 398-406. DOI: 10.15253/2175-6783.2015000300013

Borges, M. S., & Mendes, N. (2012). Representações de profissionais de saúde sobre a morte e o processo de morrer. Revista Brasileira de Enfermagem, 65(2), 324-331. DOI: 10.1590/S0034-71672012000200019

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (2016). Resolução 510/2016. http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/reso510.pdf

Carvalho, D. O., Santos, N. N. R. C., Silva, A. R. V., & Carvalho, G. C. N. (2015). Percepção do profissional de enfermagem acerca do cuidado humanizado no ambiente hospitalar. Revista Interdisciplinar, 8(3), 61-74. https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/680/pdf_237

Campos, E. P. (2011). Quem cuida do cuidador: Uma proposta para os profissionais da saúde. (4. ed.). Petrópolis: Vozes.

Drane, J. (2014). O suicídio: Algumas reflexões bioéticas. In L. Pessini, L. Bertachini, C. P. Barchifontaine (Org.), Bioética, cuidado e humanização: sobre o cuidado respeitoso (pp. 93-107). São Paulo: Edições Loyola.

Hossne, W. S., & Pessini, L. (2014). O tratamento médico fútil e/ou inútil: Da angústia à serenidade do equacionamento bioético. In: L. Pessini, L. Bertachini, C. P. Barchifontaine (Org.), Bioética, cuidado e humanização: sobre o cuidado respeitoso (pp. 109-135). São Paulo: Edições Loyola.

Kovács, M. J. (1992). Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M. J. (2010). Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: Cuidando do cuidador profissional. O Mundo da Saúde, 34(4), 420-429. https://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/79/420.pdf

Lima, M. J. V., & Freire, J. C. (2016). Uma leitura ética do cuidado na morte e no morrer. Encontros Universitários da UFC, 1(1), 2268. http://periodicos.ufc.br/index.php/eu/article/view/14852

Magalhães, M., & Melo, S. (2015). Morte e luto: O sofrimento do profissional da saúde. Psicologia e Saúde em Debate, 1(1), 65-77. http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/7

Marconi, M. M., & Lakatos, E. M. (2007). Técnicas de pesquisa: Planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados (6a ed). São Paulo: Atlas.

Martins, J. T., Robazzi, M. L. C. C., & Bobroff, M. C. C. (2010). Prazer e sofrimento no trabalho da equipe de enfermagem: Reflexão à luz da psicodinâmica dejouriana. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 44(4), 1107-1111. DOI: 10.1590/S0080-62342010000400036

Mendes A. M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (11a ed.). São Paulo: Hucitec.

Miorin, J. D., Camponogara, S., Pinno, C., Freitas, E. O., Cunha, Q. B., & Dias, G.L. (2016). Estratégias de defesa utilizadas por trabalhadores de enfermagem atuantes em pronto-socorro. Enfermagem em Foco, 7(2), 57-61. DOI: 10.21675/2357-707X.2016.v7.n2.796

Monteiro, M. C., Magalhães, A. S., Carneiro, T. F., & Machado, R. N. (2016). Terminalidade em uti: Dimensões emocionais e éticas do cuidado do médico intensivista. Psicologia em Estudo, 21(1). DOI: 10.4025/psicolestud.v21i1.28480

Santana, J. C. B., Pessini, L., & Sá, A. C. (2017). Vivências de profissionais da saúde frente ao cuidado de pacientes terminais. Enfermagem Revista, 20(1), 1-12. http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/15410

Santos E. L., Dórea S. N. A., Maciel M. P. G. S., Santos L. K. F., Silva M. B. &, Moraes M. G. L. (2018). Assistência humanizada: Percepção do enfermeiro intensivista. Revista Baiana de Enfermagem, 32, 1-8. DOI: 10.18471/rbe.v32.23680

Santos, M. A., Aoki, F. C. O. S., & Oliveira-Cardoso, E. A. de. (2013). Significado da morte para médicos frente à situação de terminalidade de pacientes submetidos ao transplante de medula óssea. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2625-2634. DOI: 10.1590/S1413-81232013000900017

Santos, M. A., & Hormanez, M. (2013). Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: Revisão da produção científica da última década. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2757-2768. DOI: 10.1590/S1413-81232013000900031

Santos, R. A., & Moreira, M. C. N. (2014). Resilience and death: The nursing professional in the care of children and adolescents with life-limiting illnesses. Ciência & Saúde Coletiva, 19(12), 4869-4878. DOI: 10.1590/1413-812320141912.18862013

Silva, C. T., Silva, S., Almeida, M. V., & Araújo, I. (2014). Integralidade e suas interfaces com a produção do cuidado. Revista Cuidarte, 5(2), 731-738. DOI: 10.15649/cuidarte.v5i2.85

Silva, M. R. F. D., Silveira, L. C., Pontes, R. J. S., & Vieira, A. N. (2015). O cuidado além da saúde: Cartografia do vínculo, autonomia e território afetivo na saúde da família. Revista Mineira de Enfermagem, 19(1), 249-254. DOI: 10.5935/1415-2762.20150020

Silva, R. M. C. R. A., Pereira, E. R., Silva, M. A., Teixeira, E. R., Refrande, S. M., & Pereira, P. C. R. (2013). Morte como fenômeno transdisciplinar na prática em saúde: Reflexão existencial a partir de Norbert Elias. Revista de enfermagem UFPE, 7(7), 4984-4992. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11760

Simões, J. S., Otani, M. A. P., & Siqueira, A. C., Jr. (2015). Estresse dos profissionais de enfermagem em uma unidade de urgência. REGRAD - Revista Eletrônica de Graduação do UNIVEM, 8(1), 75-95. http://revista.univem.edu.br/REGRAD/article/view/862

Tamada, J. K. T., Dalaneza, A. S., Bonini, L. M. M., & Melo, T. R. C. (2017). Relatos de médicos sobre a experiência do processo de morrer e a morte de seus pacientes. Revista de Medicina, 96(2), 81-87. DOI: 10.11606/issn.1679-9836.v96i2p81-87

Tome, L. Y., Popim, R. C., & Dell’Acqua, M. C. Q. (2011). Enfermagem cuidando de paciente adulto e família no processo de morte em sala de emergência. Ciência, Cuidado e Saúde, 10(4), 650-657. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v10i4.18307

Vicensi, M. C. (2016). Reflection on death and dying in the ICU from a professional perspective in intensive care. Revista Bioética, 24(1), 64-72, 2016. DOI: 10.1590/1983-80422016241107




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i1.e9164

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia