Tédio e Trabalho nas Organizações: Do mal-estar à ressignificação

Cledinaldo Aparecido Dias, Marcus Vinicius Soares Siqueira, Bárbara Novaes Medeiros

Resumo


Contemplar o sujeito no contexto do trabalho não se limita a uma ação produtivista, exclusivamente como agente de mudança ou de transformação do seu meio, como faz a maioria dos estudos norteadores das ciências econômicas e administrativas. Mais do que isso, envolve a percepção do indivíduo como sujeito do desejo, da realização e da busca, no entanto marcado por perdas, frustrações, inquietações e vazio. Nessa perspectiva, o objetivo deste artigo téorico é analisar, a partir de leitura multifacetada, especialmente em âmbito filosófico e psicossocial, o tédio nas organizações contemporâneas à luz do advento, e quase onipotência e onipresença, da ideologia gerencialista nas organizações. É fundamental conceber o tédio para além do mal-estar, de modo que busca-se discuti-lo como potencial para ressignificações e reflexões, como força mobilizadora do desejo de viver. As reflexões realizadas neste ensaio teórico indicam que não é a fuga ou a ignorância do tédio que libertará o homem do encontro com seu vazio existencial. É a valorização do tédio que permitirá o amadurecimento para que o homem possa ressignificar aquilo que já não traz mais contentamento para a vida.

Palavras-chave


tédio; trabalho; mal-estar; ressignificação.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alencar, M. C. B., & Merlo, A. R. C. (2018). A saúde em troca da excelência: O sofrimento de atendentes de nutrição de um hospital público acometidos por LER/Dort. Saúde Soc., 27(1), 215-226. https://doi.org/10.1590/s0104-12902018170873

Azizi, N., Liang, M., & Zolfaghari, S. (2013). Modelling human boredom at work: Mathematical formulations and a probabilistic framework. Journal of Manufacturing Technology Management, 24(5), 711–746. Retrived from https://doi.org/10.1108/17410381311327981 .

Bendassolli, P. (2007). RH e Tédio. GV-Executivo, 6(2), 47-51. Retrieved from http://dx.doi.org/10.12660/gvexec.v6n2.2007.34565.

Bendassolli, P. F. (2012). Psicologia do trabalho como psicologia da ação: O aporte das teorias da atividade. Psico, 43(3), 341-349.

Bendassolli, P. F., & Gondim, S. M. (2014). Significados, sentidos e função psicológica do trabalho. Avances em Psicologia Latinoamericana, 32(1), 131-147. https://doi.org/10.12804/apl32.1.2014.09

Béhar, A. H. (2019). Meritocracia enquanto ferramenta da ideologia gerencialista na captura da subjetividade e individualização das relações de trabalho: Uma reflexão crítica. Revista Organizações & Sociedade, 26(89), 249-268, 2019. https://doi.org/10.1590/1984-9260893

Burrell, G. (2013). Prazer, sensualidade e diversão nas organizações. In E. Davel, & S. C. Vergara (Orgs.), Gestão com pessoas e subjetividade (6a ed., pp. 18-33). São Paulo: Atlas.

Camões, L. V. (1997). Amor é fogo que arde sem se ver. São Paulo: Editora Ediouro.

Castro, M. D. R. G. (2014). Tédio e Modernidade em Baudelaire. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Cummings, M. L., Gao, F., & Thornburg, K. M. (2015). Boredom in the Workplace. Human Factors: The Journal of the Human Factors and Ergonomics Society, 58(2), 279–300. doi:10.1177/0018720815609503.

Elpidorou, A. (2017). The good of boredom. Philosophical Psychology, 31(3), 323-351. doi:10.1080/09515089.2017.1346240

Enriquez, E. (1990). Da horda ao Estado: Psicanálise do vínculo social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Enriquez, E. (1997). A organização em análise. Petrópolis, RJ: Vozes.

Enriquez, E. (2001). Instituições, poder e “desconhecimento”. In J. N. Araújo, & T. C. Carreteiro (Orgs.), Cenários sociais e abordagem clínica (pp. 49-74). Belo Horizonte: Fumec.

Facas, E. P., & Ghizoni, L. D. (2017). Trabalho como estruturante psíquico e sociopolítico em tempos de hipermodernidade. Trabalho (En) Cena, 2(2), 1-2. https://doi.org/10.20873/2526-1487v2n2p1

Feijoo, A. M. L. C., & Dhein, C. F. (2014). Uma compreensão Fenomenológico-Hermenêutica das compulsões na atualidade. Fractal, Rev. Psicol., 26(1), 166-178. doi.org/10.1590/S1984-02922014000100013.

Freitas, M. E. (2000). Contexto social e imaginário organizacional moderno. RAE -Revista de Administração de Empresas, 40(2), 6-15. doi: 10.1590/S0034-75902000000200002.

Fukumitsu, K. O., Hayakawa, J. Y., Kuda, S. E., Musha, E. H., Nascimento, T. C., Oliveira, B. B., … & Vasconcelos, L. P. (2012). Tédio e trabalho na pós-modernidade. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 161-167. doi:10.18065 / RAG.2012v18n2.5

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social (3a ed.). São Paulo: Ideias & Letras.

Gaulejac, V. (2009). Qui est “je”? Paris: Seuil.

Gaulejac, V. (2017). Vivre dans une société paradoxante. Nouvelle revue de psychosociologie, 2(24), 27-40. doi: 10.3917/nrp.024.0027.

Han, T. (2014). How does instant messaging impact boredom in the workplace? (Doctoral Dissertation). Chicago School of Professional Psychology, Chicago, USA.

Johnsen, R. (2016). Boredom and Organization Studies. Organization Studies, 37(10), 1403–1415. doi.org/10.1177/0170840616640849

La Taille, Y. (2009). Formação ética: Do tédio ao respeito de si. Porto Alegre: Artmed.

Liu, Y., & Lu, Z. (2016). The relationship between academic self-efficacy and academic-related boredom. Youth & Society, 49(2), 254–267. doi:10.1177/0044118x14535219.

Londero, R. R. (2017). “Bem vindo à próxima fase”: A cultura do choque e o fim do tédio. Ação e Midiática: Estudos em comunicação, sociedade e cultura, (14), 291-305. https://doi.org/10.5380/2238-0701.2017n14p291-305

Loukidou, L., Loan-Clarke, J., & Daniels, K. (2009). Boredom in the workplace: More than monotonous tasks. International Journal of Management Reviews, 11(4), p.381-405. Retrieved from https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1468-2370.2009.00267.x

Luiz, R. de O., Pereira, A. C. L., Silva, F. S., Oliveira, J. L., & Morelli, P. R. (2009). A experiência do tédio na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, 8(2), 141-143.

Mael, F., & Jex, S. (2015). Workplace Boredom. Group & Organization Management, 40(2), 131–159. doi:10.1177/1059601115575148

Marton, S. Z. (2018). A morte como instante da vida. Curitiba: PUCPRESS.

Mendes, A. M. (2018). Desejar, Falar, trabalhar. Porto Alegre: Editora FI.

Minayo, M. C. S., Teixeira, S. M. O., & Martins, J. C. O. (2016). Tédio enquanto circunstância potencializadora de tentativas de suicídio na velhice. Estudos de Psicologia, 21(1), 36-45. doi.org/10.5935/1678-4669.20160005.

Montezi, A. V. (2017). Tédio e inautenticidade nos dias atuais: Uma análise psicanalítica e social. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 38(2), 203-214. doi: 10.5433/1679-0383.2017v38n2p203.

Nett, U. E., Goetz, T., & Hall, N. C. (2011). Coping with boredom in school: An experience sampling perspective. Contemporary Educational Psychology, 36(1), 49–59. doi:10.1016/j.cedpsych.2010.10.003.

Nietzsche, F. W. (2001). A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras.

Oliveira, A. A. A. O., & Justo, J. S. (2010). Expressões do tédio na contemporaneidade: Uma análise do romance “Encontro Marcado”, de Fernando Sabino. Revista de Psicologia da UNESP, 9(1), 45-57.

Oxtoby, J., King, R., Sheridan, J., & Obst, P. (2016). Psychometric Analysis of the Multidimensional State Boredom Scale and Its Condensed Versions. Assessment, 25(7), 826–840. https://doi.org/10.1177/1073191116662910.

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V., & Descendre D. (1987). O Poder das Organizações: A dominação das multinacionais sobre os indivíduos. São Paulo: Atlas.

Park, G., Lim, B. C., & Oh, H. S. (2018). Why boredom might not be a bad thing after all. Academy of Management Discoveries. doi:10.5465/amd.2017.0033.

Pascal, B. (2005). Pensamentos (M. Laranjeira, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Pereira, G. S. (2017). Matar o tédio, passar o tempo crime e mal-estar na temporalidade. Revista Transgressões: Ciências criminais em debate, 5(2), 3-21. https://doi.org/10.21680/2318-0277.2017v5n2id13009

Perls, F. S. (1979). Escarafunchando Fritz: Dentro e fora da lata de lixo. São Paulo: Summus.

Rodrigues, A. L., Barrichello, A., Bendassolli, P. F., & Oltramari, A. P. (2018). Meaning of work: challenges for the xxi centur Significado do trabalho: Desafios para o século XXI. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 19(spe), eRAMP180206. Retrieved from https://dx.doi.org/10.1590/1678-6971/eramp180206.

Rohm, R. H. D., & Lopes, N. F. (2015). O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-moderno: Uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 332-345. Retrived from https://dx.doi.org/10.1590/1679-395117179

Santos, A. G., & Traesel, E. S. (2018). Clínica psicodinâmica do trabalho: Sentidos do trabalho para agentes comunitários de saúde. Trabalho (En) Cena, 3(3), 18-33. https://doi.org/10.20873/2526-1487v3n3p18

Schopenhauer, A. (2009). Aforismos para a sabedoria de vida (3a ed., J. Barboza, Trad.). São Paulo: M. Fontes.

Serva, M., & Ferreira, J. L. O. (2006). O fenômeno workaholic na gestão de empresas. Revista de Administração Pública, 40(2),179-200. https://doi.org/10.1590/s0034-76122006000200002

Siqueira, M. (2009). Gestão de pessoas e discurso organizacional. Curitiba: Juruá.

Siqueira, M. V. S., Mendes, A. M. & França, A. (2011). Discurso organizacional e instrumentalização do prazer no trabalho. Anais do III Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, João Pessoa, Paraíba.

Steinmetz, K. F., Schaefer, B. P., & Green, E. L. (2016). Anything but boring: A cultural criminological exploration of boredom. Theoretical Criminology, 21(3), 342–360.doi:10.1177/1362480616652686.

Svendsen, L. Filosofia do tédio. (2006) (M. L. X. A. Borges, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Touraine, A., & Khosrokhavar, F. (2004). A busca de si: Diálogos sobre o sujeito. Rio de Janeiro: Difel.

Van Dusen, W.V. (1977). Wu-wei: Não-mente e o vazio fértil. In F. S. Perls, Isto é Gestalt (pp. 123-131). São Paulo: Summus.

Van Wyk, S.M., De Beer, L.T., Pienaar, J., & Schaufeli, W.B. (2016). The psychometric properties of a workplace boredom scale (DUBS) within the South African context. SA Journal of Industrial Psychology/SA Tydskrif vir Bedryfsielkunde, 42(1), a1326. doi. org/10.4102/sajip.v42i1.132.

Weinberg, A. (2016). When the work is not enough: The sinister stress of boredom. In G. Fink, Stress: Concepts, cognition, emotion, and behavior. London: Elsevier.

Whiteoak, J. W. (2014). Predicting boredom-coping at work. Personnel Review. 43(5), 741-763. doi.org/10.1108/PR-09-2012-0161




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i2.e9200

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia