A viagem a lazer como experiência (trans)formadora para idosos

Cairo Cézar Braga de Sousa, José Airton Nascimento Diógenes Baquit, Karla Patrícia Martins Ferreira

Resumo


O envelhecimento já se apresenta como uma realidade nas sociedades contemporâneas com o rápido crescimento da população idosa, motivado pelo aumento da expectativa de vida e pela redução da fertilidade e mortalidade. A partir daí, surgem desafios para esse segmento etário, principalmente em países que não se prepararam para tal tendência social, como é o caso do Brasil. Nesse contexto, esta pesquisa propõe-se a compreender os significados da viagem a lazer para o idoso. Como método investigativo, a pesquisa desenha-se como exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa, de enfoque etnográfico. Teve-se como lócus de investigação a cidade de São Luís, Maranhão, a partir de um projeto voltado para o idoso da Universidade Integrada da Terceira Idade – UNITI. Como técnicas e instrumentos de coleta, utilizaram-se entrevistas narrativas, observação participante e diário de campo. Como técnica de análise, utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin, para que se pudesse elaborar categorias. A coleta de dados segmentou-se em três etapas: a expectativa da viagem, a viagem e a pós-viagem. As categorias de análise e a interpretação dos conteúdos nos indicam que a viagem é uma atividade que atribui sentido à vida do idoso e estimula processos de autonomia, independência, qualidade de vida e expectativa de vida saudável, contribuindo para um envelhecimento com qualidade.

Palavras-chave


viagem; lazer; idoso; tempo livre.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Angerami-Camon, V. A. (1992). Solidão: A ausência do outro (2a ed.). São Paulo: Pioneira.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baztán, A. A., & Martins, J. C. (2014). A pesquisa qualitativa de enfoque etnográfico. Coimbra: Grácio editora.

Beauvoir, S. (1990). A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Botton, A. (2012). A arte de viajar. (C. Marques, Trad.) Rio de Janeiro: Intrínseca.

Cardoso, M. C. S., & Ferreira, M. C. (2009). Envolvimento religioso e bem-estar subjetivo em idosos. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(2), 380-393. DOI: 10.1590/s1414-98932009000200013

Cavalcante, S., Mourão, A. R. T., & Ferreira, K. P. M. (2018). Mobilidade. In S. Cavalcante, & G. Elali (Orgs.), Psicologia Ambiental: Conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Petrópolis, RJ: Vozes.

Cuenca, J., Monteagudo, M. J., & Bayón, F. (2014). La contribución del ocio al envejecimiento satisfactorio de las personas mayores en Bizkaia. Bizkaia: Universidad de Deusto. Retrieved from https://www.bizkailab.deusto.es/wp-content/uploads/2013/06/La-contribución-del-ocio-al-envejecimiento-satisfactorio-de-las-personas-mayores-en-Bizkaia.pdf

Diogo, M. J. E., Neri, A. L. & Cachioni, M. (2009). Saúde e qualidade de vida na velhice (3a ed.). Campinas, SP: Alínea.

Doll, J. (2007). Educação, cultura e lazer: Perspectivas de velhice bem-sucedida. In A. L. Neri (Org.), Idosos no Brasil: Vivências, desafios e expectativas na terceira idade (pp. 109-123). São Paulo: Abramo.

Dumazedier, J., & Ripert, A. (1967). Loisir et culture. Paris: Seuil.

Dumazedier, J. (2008). Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva.

Fraiman, A. P. (1995). Coisas da idade. São Paulo: Gente.

Gáspari, J. C., & Schwartz, G. M. (2005). O Idoso e a Ressignificação Emocional do Lazer. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(1), 69-76. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ptp/v21n1/a10v21n1.pdf

Giraldi, R. C. (2014). Espaços de Lazer para a terceira idade: Sua análise por meio de várias vertentes. Rev. Bras. Geriatria e Gerontologia, 17(3), 627-636. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1809-98232014000300627&lng=pt&nrm=iso

Gomes, C. L. (2018). Interface lazer e turismo: O ponto de vista de professores espanhóis. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, 5(2), 68-85.

Ignarra, L. R. (2003). Fundamentos do Turismo. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Krippendorf, J. (2009). Sociologia do turismo: Para uma nova compreensão do lazer e das viagens (3a ed.). São Paulo: Aleph.

Ladislau, L. (2002). Lazer e participação social. A Terceira Idade, 13(25), 7-25. Retrieved from http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=000346271

Lei n. 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. (1994). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm

Lei n. 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. (2003). Retrieved from http://www.presidencia.gov.br/legislacao

Marcellino, N. C. (2012). Pedagogia da animação (5a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Martins, J. C. O. (2016). Lazeres e tempos livres, entre os ócios desejados e os negócios necessários. Revista do Centro de Pesquisa e Formação, (Maio), 51-58.

Melo, C. F., Simões, A., & Brant, L. C. (2014). O envelhe-ser na cena contemporânea. Revista Terceira idade, 1(1), 58-71. Retrieved from https://www.sescsp.org.br/online/artigo/8393_O+ENVELHECER+NA+CENA+CONTEMPORANEA

Monteagudo, M., Cuenca, J., Bayón, F., & Kleiber, D. (2013). Ócio ao longo da vida: As potencialidades dos itinerários de ócio para a promoção do desenvolvimento humano. Revista LusóFona De Estudos Culturais, 1(2), 155-172. DOI: 10.21814/rlec.30

Monteagudo, M. J., Amigo, J. C., & Valle, R. S. S. (Coords.). (2014). Aportaciones del ocio al envejecimiento satisfactorio. Bilbao: Universidad de Deusto.

Netto, A. J. (2001). Universidade aberta para a maturidade: Avaliação crítica de uma avançada proposta educacional e social. In V. Kachar (Org.), Longevidade: Um novo desafio para a educação. São Paulo: Cortez.

Netto, A. P., & Lohmann, G. (2008). Teoria do turismo: Conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.

Oliveira, E. A., Pasian, S. R., & Jacquemin, A. (2001). A vivência afetiva em idosos. Psicologia, Ciência e Profissão, 21(1), 68-83. DOI: 10.1590/s1414-98932001000100008

OMS/INPEA. (2002). Missing Voices: Views of Older Persons on Elder Abuse. Genebra: Organização Mundial da Saúde.

PNAD. (2013). Pesquisa nacional por amostra de domicílios: Síntese de indicadores. Rio de Janeiro: IBGE. Retrieved from https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94414.pdf

Santana, A. (2009). Antropologia do turismo: Analogias, encontros e relações. São Paulo: Aleph.

Silva, R. L., Silva, L. A.., & Rodrigues, S. M. (2018). Lazer e qualidade de vida na terceira idade: O caso de um bairro de assentamento urbano coletivo em Altamira - Pará. Revista Brasileira de estudos do Lazer, 5(2),105-123.

Soares, A, E., & Silva, M. J. (1999). A importância do lazer para a sociabilidade do idoso residente em áreas de periferia. Revista Terceira Idade, 16, 55-62. Retrieved from https://www.sescsp.org.br/online/artigo/8150_A+IMPORTANCIA+DO+LAZER+PARA+A+SOCIABILIDADE+DO+IDOSO+RESIDENTE+EM+AREAS+DE+PERIFERIA

Wong, L. L. R, & Carvalho, J. A. (2006). O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: Sérios desafios para as políticas públicas. R. Bras. Est. Pop., 23(1), 5-26. DOI: 10.1590/s0102-30982006000100002




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i2.e9224

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia