Participação Sociocultural, Ócio, Acessibilidade e Envelhecimento Ativo no contexto de Idosos Institucionalizados

Jenny Sousa

Resumo


Nas últimas décadas, a visão da velhice e do envelhecimento tem-se transformado, originando preocupações com a criação de ambientes favoráveis à população de pessoas idosas, designadamente as institucionalizadas a título permanente. Vive-se, hoje, sob o paradigma do envelhecimento ativo, processo que valoriza a combinação de indivíduo e seu ambiente, bem como a relação que entre eles se cria. Essa relação consubstancia-se em trajetórias positivas de envelhecimento e demarca-se na participação social e cultural enquanto experiência vital de ócio e de desenvolvimento humano, em que a(s) acessibilidade(s) se salienta(m) enquanto fator essencial. Tendo por base esses pressupostos, procurámos compreender de que modo a participação e o usufruto de atividades socioculturais e artísticas, em espaços externos às instituições residenciais de idosos, podem constituir contextos privilegiados de envelhecimento ativo e de construção de experiências de ócio e de desenvolvimento para os indivíduos residentes. O presente artigo está estruturado em duas partes fundamentais: Na primeira parte, apresenta-se o enquadramento teórico, discutindo o processo de envelhecimento ativo no âmbito específico da participação sociocultural; será, ainda, realizada uma discussão em torno do conceito de ócio, analisando-o desde a perspetiva humanista e enquanto elemento central numa velhice saudável e ativa; por fim, será discutida a importância da(s) acessibilidade(s) enquanto elemento determinante da participação sociocultural das pessoas idosas institucionalizadas. Na segunda parte, serão discutidos os resultados obtidos numa investigação qualitativa conduzida junto de 25 pessoas idosas, institucionalizadas a título permanente em cinco estruturas residenciais da região de Leiria, em Portugal. Assim, através da utilização de entrevistas semiestruturadas, percebemos que, quer a participação ativa em atividades de natureza sociocultural e artística, quer o usufruto deste género de atividade são percecionadas pelas pessoas idosas institucionalizadas enquanto elemento essencial no processo de envelhecimento ativo, na vivência de experiências de ócio e no sentimento de bem-estar. Contudo, essa participação sociocultural e artística só é sentida como verdadeiramente benéfica se tiver em linha de conta as questões da acessibilidade, aspeto referenciado como essencial no processo de (re)construção identitária.

Palavras-chave


envelhecimento ativo; institucionalização; participação sociocultural; ócio; acessibilidade cultural.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência [ANACED]. (2016). A arte pertence a todos boas práticas artísticas e culturais. Lisboa: Instituto Nacional para a Reabilitação.

Ander-Egg, E. (2009). Como envelhecer sem ser velho – A animação sociocultural como meio de dar anos à vida e vida aos anos. In J. D. Pereira & M. S. Lopes (Coord.). Animação Sociocultural na Terceira Idade (pp. 240-248). Chaves: Intervenção – Associação para a Promoção e Divulgação Cultural.

Aquino, C., & Martins, J. (2007). Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-Estar e Subjectividade, 7(2), 479-500.

Baptista, M. M. (2013). Ócio, temporalidade e existência: Uma leitura à luz da fenomenologia e hermenêutica heideggereanas. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 1(2), 173-182. Retrieved from http://estudosculturais.com/revistalusofona/index.php/rlec/article/view/40/58

Bogdan, R.C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Lisboa, Difel.

Bourdieu, P. (2011). La ilusión biográfica. Revista Acta Sociológica. 56, 21-128. Retrieved from http://www.revistas.unam.mx/index.php/ras/article/view/29460

Cabral, M., Ferreira, M., Silva, P., Jerónimo, P., & Marques, T. (2013). Processos de envelhecimento em Portugal: Usos do tempo, redes sociais e condições de vida. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Cuenca, M. (2009). Âmbitos da animação turística a partir do horizonte do ócio experiencial. In A. N. Peres & M. S. Lopes (Coord.), Animação Turística (pp. 118-132). Chaves, Associação Portuguesa de Animação e Pedagogia.

Cuenca, M. (2012). Pautas de melhoria e desenvolvimento do ócio comunitário. In C. Cebolo, J. D Pereira & M.S. Lopes (Coord.), Animação sociocultural - Intervenção e educação comunitária: Democracia, cidadania e participação (pp. 319-332). Chaves: Intervenção.

Cuenca, M. (2013). Para além do trabalho: O ócio dos reformados. In J. Pereira, M. S. Lopes, & T. Rodrigues (Coord.), Animação sociocultural gerontologia e geriatria: A intervenção social, cultural e educativa na terceira idade (pp. 157-177). Chaves: Intervenção.

Cuenca, M. (2014). Ocio valioso para el desarrollo humano. In M. Cuenca (Ed.), Ocio y recreación para el desarrollo humano (pp. 11-38). México DF: Universidad YMCA.

Dias, A. (2011). Dos estudos culturais ao novo conceito de identidade. Itabaiana: Gepiade. 5 (9), 151-166. Rtrieved from https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/view/2079/1818

Direção-Geral da Saúde [DGS]. (2017). Estratégia nacional para o envelhecimento ativo e saudável 2017-2025. Portugal: Lisboa. Retrieved from https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/07/ENEAS.pdf

Flick, U. (2013). Introdução à metodologia de pesquisa: Um guia para iniciantes. Porto Alegre: Penso.

Foucault, M. (1988). Vigiar e Punir: Nascimento da prisão (6. ed.). Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (1997). A ordem do discurso. Lisboa: Relógio d’Água.

Giddens, A. (2007). Sociologia (5. ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Governo de Portugal. (2012). Programa de Ação do Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações. Retrieved from http://www.eurocid.pt/pls/wsd/wsdwcot0.detalhe_area?p_cot_id=7271

Guerra, I. (2006). Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo. Cascais: Principia Editora.

Lázaro, Y., Doistua, J., & Romero, S. (2018). El ócio a lo largo de la vida: Un elemento de cohesión social. In A. Ortuzar & A. Elizondo (Ed.), Ocio y participación social en entornos comunitários (pp. 61-75). Logroño: Universidad de la Rioja.

Lima, M. (2010). Envelhecimento(s). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Lima, P., Moraes, L., & Martins, J.C. (2018). Envelhecer e resistir na contemporaneidade: Um estudo sobre a prática de ócio como resistência em um centro-dia em Fortaleza-Brasil. In M. M. Baptista, M. J. Pereira & A. Almeida (Coord.). Ócios e Resistências: Crescer e Envelhecer em Contextos Culturais diversos (pp. 109-116). Coimbra: Grácio Editor.

Martins, M. L. (2010). Os Cultural Studies no Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho. Retrieved from http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/25339

Medrano, C., & Cortés, A. (2007). La investigación narrativa y su relación con la educación. In C. Medrano (Coord.), Las histórias de vida. Implicaciones educativas (pp. 21-46). Buenos Aires: Alfagrama.

Mineiro, C. (Coord.) (2017). Guia de boas práticas de acessibilidade comunicação inclusiva em monumentos, palácios e museus. Lisboa: Turismo de Portugal, I.P. e Direção Geral do Património Cultural. Retrieved from http://www.acessibilidade.gov.pt/boaspraticas/2017_com_inclusiva_monumentos_palacios_museus.pdf

Monteagudo, M. J., & Lema, R. (2016). Iberoamérica en clave de ócio y recreación. Espacios para la construcción ciudadana In R. Lema & M.J. Monteagudo (Eds.), Espacios de ócio y recreación para la construcción de ciudadanía (pp.9-13). Bilbao: Universidad de Deusto.

Organização Mundial de Saúde [OMS]. (2009). Guia Global das Cidades Amigas das Pessoas Idosas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Retrieved from http://www.fbb.pt/sos/wp-content/uploads/sites/10/2014/05/ProjIdosos_GuiaCidades2009.pdf

Organização Mundial de Saúde [OMS]. (2015). Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Retrieved from https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/186468/WHO_FWC_ALC_15.01_por.pdf?sequence=6

Pais, M. J. (2006). Nos rastos da solidão: Deambulações sociológicas. Porto, Ambar.

Paúl, C., & Ribeiro, O. (Coord.) (2012). Manual de gerontologia: Aspetos biocomportamentais, psicológicos e sociais do envelhecimento. Lisboa: Lidel.

Pernas, R. (2011). As histórias de vida na animação sociocultural. In M. S. Lopes, (Coord.), Metodologias de investigação em animação sociocultural (pp. 353-366). Chaves: Intervenção – Associação para a promoção e divulgação cultural.

Pinheiro, K., Rhoden, I., & Martins, J. C. (2010). A experiência do ócio na sociedade hipermoderna. Revista Mal-estar e Subjetividade, 10(4), 1131-1146. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/pdf/malestar/v10n4/04.pdf

Sarraf, V. (2012). Acessibilidade para pessoas com deficiência em espaços culturais e exposições: Inovação no design de espaços, comunicação sensorial e eliminação de barreiras atitudinais. In E. Cardoso & J. Cuty (Org.). Acessibilidade em ambientes culturais (pp. 60-79). Porto Alegre: Marca Visual.

Sassaki, R. (2009). Inclusão: Acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), 12, 10-16. Retrieved from https://acessibilidade.ufg.br/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319

Sousa, J., & Baptista, M.M. (2015). Género e perda emocional profunda. Revista Lusófona de Estudos Culturais. 3(1), 191-212. Retrieved from http://estudosculturais.com/revistalusofona/index.php/rlec/article/view/209/132

Tena, M. (2018). Prevención de la dependência a través de las actividades en el envejecimiento activo. Quaderns d’animació i Educació Social – Revista semestral para animadores e educadores sociales, (28), 1-12. Retrieved from http://quadernsanimacio.net/ANTERIORES/veintiocho/index_htm_files/Prevencion%20de%20la%20dependencia.pdf

The Council for Museums, Archives and Libraries (2005). Museologia Roteiros- Práticos: Acessibilidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. Retrieved from http://www.usp.br/cpc/v1/imagem/download_arquivo/roteiro8.pdf

Tournier, P. (1981). Aprender a envelhecer. Porto: Editorial Perpétuo.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i2.e9237

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia