Dimensões Psicossociais e Possibilidades Políticas de Ação no Comércio de Feira Agroecológica

Maria Rita Macedo Cuervo, Cristiano Hamann, Adolfo Pizzinato

Resumo


Este estudo, resultado de uma abordagem etnográfica, analisa aspectos psicossociais e possibilidades políticas de agência e negociação no funcionamento de uma feira agroecológica. Além da observação participante, foram realizadas dezenove entrevistas com produtores(as) e consumidores(as) que permitiram construir uma rede de temas recorrentes e atravessamentos discursivos sobre as relações estabelecidas no cotidiano dessa forma de comércio alimentar. O processo de pesquisa possibilitou analisar as relações na feira a partir de duas dimensões centrais: comunitárias e de gestão. Esses aspectos se mostraram articulados a discursos ambientalistas e formas de resistência à economia majoritária e às práticas alimentares industrializadas, tensionando-se com formas de elitização do consumo e idealização do rural.

Palavras-chave


práticas alimentares; cultura alimentar; feira agroecológica; ruralidade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Cabana, R. D. P. L., & Ichikawa, E. Y. (2017). As identidades fragmentadas no cotidiano da Feira do Produtor de Maringá. Organizações & Sociedade, 24(81), 285-304.

Castro, H. C., & Maciel, M. E. (2015). Reflexões sobre o método etnográfico para apreensão das políticas sociais no campo da alimentação e nutrição: Notas de pesquisa em uma cozinha comunitária. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, 10(3), 523-537.

Cé, J. P., Jalmusny, Y., Hamann, C., & Pizzinato, A. (2019). Quilombo do Sopapo: Aproximação etnográfica de um núcleo de “Cultura Viva”. Fractal: Revista de Psicologia, 31(2), 102-110.

Collaço, J., & Menasche, R. (2015). Comer contemporâneo: E não é que comida continua boa para pensar? Sociedade e Cultura, 18(1), 5-11.

Contreras, J., & Gracia, M. (2011). Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Cuervo, M. R., Hamann, C., & Pizzinato, A. (2019). Feira agroecológica enquanto comunidade de prática: Redes de sociabilidade, consumo e resistência. Sociedade e Cultura, 22(1), 281-298.

Dimenstein, M., Macedo, J. P., Leite, J., & Gomes, M. A. (2015). Psicologia, políticas públicas e práticas sociais: Experiências em pesquisas participativas. Pesquisas e práticas psicossociais 10(1), 24-36.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Francisco, L., & Diez-Garcia, R. (2015). Abordagem terapêutica da obesidade: Entre conceitos e preconceitos. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, 10(3), 705-716.

Freitas, M. F. Q. (2018). Psicologia social comunitária como educação política: Resistência e afirmações no cotidiano. Teoría y Crítica de la Psicología, 11, 92-104.

Lei 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre agricultura orgânica e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.831.htm#:~:text=LEI%20No%2010.831%2C%20DE%2023%20DE%20DEZEMBRO%20DE%202003.&text=Disp%C3%B5e%20sobre%20a%20agricultura%20org%C3%A2nica,Art

Minnaert, A. C. (2008). A feira livre sob um olhar etnográfico. In M. C. S. Freitas, G. A. V. Fontes & N. Oliveira (Orgs), Escritas e narrativas sobre alimentação e cultura (pp. 129-148). Salvador: EDUFBA.

Petrini, C. (2009). Slow food: Princípios da nova gastronomia. São Paulo: SENAC.

Prado, M. A. M. (2002). Da mobilidade social à constituição da identidade política: Reflexões em torno dos aspectos psicossociais das ações coletivas. Psicologia em Revista, 8(11), 59-71.

Pizzinato, A., Tedesco, P., & Cé, J. P. (2018). Comunidade Porvir: Emancipação social e configurações comunitárias em um ponto de cultura. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(4), 636-648.

Pollan, M. (2008). Em defesa da comida. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Rancière, J. (2010). A partilha do sensível: Estética e política. Porto: Dafne Editora.

Sato, L. (2012). Feira livre: Organização, trabalho e sociabilidade. São Paulo: EDUSP.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i2.e9304

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia