Cotas Raciais na Universidade: Uma Revisão Integrativa da Psicologia Brasileira

Iara Andrade de Oliveira, Luciana Maria Maia Viana, Tiago Jessé Souza Lima

Resumo


As discussões sobre cotas nas universidades reúnem diversos argumentos, polarizando opiniões sobre sua implantação. Acerca disso, estudos relacionam a oposição às cotas ao racismo e apontam, também, para os usos de argumentos que envolvem as ações afirmativas como forma de legitimar a discriminação contra negros e pobres. Na literatura em psicologia ainda são poucos os estudos que abordam a temática do racismo. Partindo disso, este artigo tem como objetivo caracterizar a produção científica brasileira em psicologia sobre cotas raciais nas universidades. Foi realizada uma revisão integrativa da literatura, na qual foram realizadas buscas nas bases de dados SciELO, PePSIC, Index Psi e LILACS, reunindo 11 artigos. A análise dos artigos identificou lacunas nas descrições dos métodos e pequena variedade nas estratégias de coleta e de análise de dados. A teoria das representações sociais foi a base teórica mais utilizada. Em relação ao conteúdo dos artigos, o corpus foi organizado em dois grandes eixos temáticos: (a) opiniões sobre cotas, com a maioria dos artigos, e (b) vivência de estudantes cotistas. O primeiro grupo de artigos tinha o intuito de conhecer o posicionamento de determinados grupos ou documentos sobre a lei de cotas. O segundo grupo, com apenas dois estudos, buscou conhecer a vivência de estudantes que ingressaram na universidade por meio da lei de cotas. Esses achados, provenientes de um reduzido número de pesquisas sobre a temática, apontam para um campo de estudo que ainda precisa ser explorado, priorizando diferentes estratégias metodológicas na compreensão do fenômeno.

Palavras-chave


cotas raciais; cotas universitárias; racismo; revisão integrativa.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bezerra, T., & Gurgel, C. (2011). A política pública de cotas em universidades, desempenho acadêmico e inclusão social. SBIJ, 09,1-22.

Camino, L., Gouveia, L., Maia, L., Paz, M., & Laureano, M. (2013). Repertórios discursivos contemporâneos sobre as desigualdades raciais no Brasil: Um estudo com estudantes paraibanos de pós-graduação. Psicologia & Sociedade, 25(1), 113-122. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4331388

Camino, L., Tavares, T., Torres, A. R., Álvaro, J. L., & Garrido, A. (2014). Repertórios discursivos de estudantes universitários sobre cotas raciais nas universidades públicas brasileiras. Psicologia & Sociedade, 26, 117-128. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/3093/309331565013.pdf

Carvalho, P. (2014). Racismo enquanto teoria e prática social. In J. Jesus, P. Carvalho, R. Diogo & P. Granjo, O que é racismo? (pp. 37-70). Lisboa: Escolar Editora.

Castro, A., Koelzer, L., Camargo, B., & Bousfield, A. (2014). Representações sociais na internet sobre cotas para negros em universidades federais. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, 15(106), 202-220. doi: 10.5007/1984-8951.2014v15n106p202

Creswell, J. (2007). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cruz, I. (2016). Indo muito além do sistema de cotas na Universidade: Quais outras estratégias são necessárias para superação da discriminação institucional? Boletim NEPAE-NESEN, 13(1). Recuperado de http://www.jsncare.uff.br/index.php/bnn/article/view/2862/705#_ftn1

Duarte, R. (2008). Políticas de cotas para minorias raciais: uma questão de justiça? Análise do discurso de estudantes da UFPB sobre política de cotas para minorias raciais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Social, Universidade Federal da Paraíba, PB.

Faro, A., Silva, P., & Machado, A. (2016). Como a sociedade os receberá? Preconceito e expectativas de inserção profissional de estudantes egressos do sistema de cotas. Veredas Favip-Revista Eletrônica de Ciências, 8(2), 6-23. Recuperado de http://www.veredas.favip.edu.br/ojs/index.php/veredas1/article/view/328/321

Ferreira, R., & Mattos, R. M. (2007). O afro-brasileiro e o debate sobre o sistema de cotas: Um enfoque psicossocial. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(1), 46-63. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pcp/v27n1/v27n1a05

Freyre, G. (1933/2017). Casa-Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt.

Guarnieri, F., & Melo-Silva, L. (2010). Perspectivas de estudantes em situação de vestibular sobre as cotas universitárias. Psicologia & Sociedade, 22(3), 486-498. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v22n3/v22n3a09

Guarnieri, F., & Melo-Silva, L. (2017). Cotas universitárias no Brasil: Análise de uma década de produção científica. Psicologia Escolar e Educacional, 21(2), 183-193. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282352996006

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2016). Pesquisa nacional por amostra de domicílio: síntese de indicadores 2015. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf

Instituto de Pesquisa Económica Aplicada [IPEA]. (2014). Situação Social da População Negra por Estado. Recuperado de https://www.mdh.gov.br/biblioteca/igualdade-racial/situacao-social-da-populacao-negra-por-estado-seppir-e-ipea/view

Jesus, J. (2013). O desafio da convivência: Assessoria de diversidade e apoio aos cotistas (2004-2008). Psicologia Ciência e Profissão, 33(1), 222-233. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6123199

Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012 (2012). Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm

Lima, M. E. (2010). Desigualdades raciais e políticas públicas: Ações afirmativas no governo Lula. Novos Estudos-CEBRAP, (87), 77-95. doi: 10.1590/S0101-33002010000200005

Lima, M. E. (2002). Normas sociais e racismo: Efeitos do individualismo meritocrático e do igualitarismo na infra-humanização dos negros. Tese de Doutorado, Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Lima, M. E. (2013). Preconceito. In L. Camino, A. R. Torres, M. E. Lima & M. E. Pereira (Eds.), Psicologia social: Temas e teorias (pp. 589-640). Brasília: TechnoPolitk.

Lima, M. E. (2014). Social psychology: Fundamentals and fundamentalisms. Tends in Psychology/ Temas em Psicologia, 22 (1), 179-193. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/5137/513751527014.pdf

Lima, M. E., Neves, P., & Silva, P. (2014). A implantação de cotas na universidade: Paternalismo e ameaça à posição dos grupos dominantes. Revista Brasileira de Educação, 19(56), 141-163. Recuperado de http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/7037

Lima, M. E., & Vala, J. (2004). As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estudos de Psicologia, 9(3), 401-411. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/%0D/epsic/v9n3/a02v09n3

Lima, T. J. S., Pereira, C. R., Rosas Torres, A. R., Cunha de Souza, L. E., & Albuquerque, I. M. (2019). Black people are convicted more for being black than for being poor: The role of social norms and cultural prejudice on biased racial judgments. PloS One, 14(9), e0222874. doi: 10.1371/journal.pone.0222874

Marques, T., & Santos, B. (2015). Um estudo sobre o pensamento social de jovens universitários acerca da justiça e das cotas raciais. Psicologia e Saber Social, 4(1), 108-125. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/psi-sabersocial/article/view/17559

Mayorga, C., & Souza, L. (2012). Ação Afirmativa na Universidade: A permanência em foco. Revista psicologia política, 12(24), 263-281. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4411537

Melo, C., Dantas, G., Fernandez, Z., Pereira, M. E., & Chaves, A. (2014). Representações sociais de estudantes da UFBA sobre as cotas universitárias. Psicologia e Saber Social, 3(1), 55-69. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/psi-sabersocial/article/view/9482

Mendes, A., Junior. (2014). Uma análise da progressão dos alunos cotistas sob a primeira ação afirmativa brasileira no ensino superior: O caso da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Avaliação de Políticas Públicas e Educação, 82(22), 31-56. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n82/a03v22n82

Mendes, K., Silveira, R. C., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enfermagem, 17(4), 758-764. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/714/71411240017.pdf

Munanga, K. (2012). Prefácio. In I. Corone & M. Bento (Orgs.), Psicologia social do racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil (pp. 9-12). Petrópolis: Vozes.

Naiff, D., Naiff, L., & de Souza, M. (2009). As representações sociais de estudantes universitários a respeito das cotas para negros e pardos nas universidades públicas brasileiras. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(1), 219-232. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/4518/451844628017.pdf

Oliveira, P., Filho.(2009). A mobilização do discurso da democracia racial no combate às cotas para afrodescendentes. Estudos de Psicologia, 26(4), 429-436. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/3953/395335793003.pdf

Pereira, C. R., & Souza, L. (2016). Fatores legitimadores da discriminação: Uma revisão teórica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(2), 1-10. doi:10.1590/0102-3772e322222

Pereira, C. R., & Vala, J. (2011). A legitimação da discriminação em diferentes contextos normativos. In E. M. Techio & M. E. Lima (Eds.), Cultura e produção das diferenças: Estereótipos e preconceito no Brasil, Espanha e Portugal (pp. 363-404). Brasília: Technopolitik.

Sacco, A. M., Couto, M., & Koller, S. H. (2016). Revisão sistemática de estudos da psicologia brasileira sobre preconceito racial. Temas em Psicologia, 24(1), 233-250. doi:10.9788/TP2016.1-16

Schulze, C. (2012). Igualdade, discriminação positiva, cotas e ADPF 186. Revista Jus Navigandi, 17(3228). Recuperado de https://jus.com.br/artigos/21671/igualdade-discriminacao-positiva-cotas-e-adpf-186

Silva, P., & Silva, P. (2012). Representação social de estudantes universitários sobre cotas na universidade. Fractal: Revista de Psicologia, 24(3), 525-542. Recuperado de http://periodicos.uff.br/fractal/article/view/4913

Velloso, J. (2009). Cotistas e não-cotistas: Rendimento de alunos da Universidade de Brasília. Cadernos de Pesquisa, 39(137), 621-644. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/240




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20iEsp1.e9337

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia