Errância Queer e Nomadismo Feminino: Trajetividades e Resistências de Mulheres no Trecho

Luciana Codognoto da Silva, José Sterza Justo

Resumo


Errância Queer e Nomadismo Feminino: Trajetividades e Resistências de Mulheres no Trecho
Queer Wandering and Female Nomadism: Women's Trajectories and Resistances in the Stretch of Road
Errancias Queer y Nomadismo Femenino: Trayectividades y Resistencias de Mujeres en el Tramo
Erreur Queer et Nomadisme Féminin: Trajectoires et Résistances des Femmes sans Résidence Permanente

10.5020/23590777.rs.v20i2.e9372

Luciana Codognoto da Silva
Doutora com Pós-Doutorado em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP/Assis. Professora Adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS/CPNA.
http://lattes.cnpq.br/4422228441257104

José Sterza Justo
Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP e Livre-Docente em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP/Assis. Professor no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP/Assis.
http://lattes.cnpq.br/9231261609370258

Resumo
Os estudos queer e os recentes debates sobre questões de gênero questionam as formações identitárias normalizadoras, apontando possibilidades outras de existência fora dos padrões estabelecidos e dos processos de sedentarização. O objetivo da presente pesquisa foi examinar, a partir da perspectiva queer, o modo de vida de mulheres que abandonam a vida estacionária e os padrões de feminilidade socialmente estabelecidos e passam a viver como trecheiras, em trânsito constante, de uma cidade a outra. A pesquisa foi realizada em um município de pequeno porte populacional, localizado em um importante corredor de trânsito entre os estados de Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. Participaram da pesquisa duas mulheres que se encontravam de passagem pela cidade, abrigadas numa instituição de assistência a itinerantes. Foram realizadas entrevistas focalizando os motivos de ruptura dessas mulheres com a vida pregressa e os sentidos da busca por uma vida errante. Em suas falas, apareceram relatos de uma vida marcada por violências, vividas no ambiente doméstico e no relacionamento familiar, associados à condição de serem mulheres. A deserção para o trecho significou, para elas, a fuga das agruras de uma vida aprisionada aos padrões e a possibilidade de experimentar outra forma de viver como mulher, ainda que não menos problemática, e visadas à vida anterior. É possível concluir que, entre as várias possibilidades de construção e de configuração das feminilidades, existem aquelas caracterizadas pela ruptura com as clausuras dos espaços geográfico e psicossocial normativos e pela busca de experiências de uma vida errante, em movimento, aberta ao imprevisto e aos estranhamentos.

Palavras-chave


Teoria Queer; mulheres trecheiras; psicologia.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Butler, J. (2013). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Córdoba, D., Sáez, J., & Vidarte, P. (2015). Teoria Queer: Políticas bolleras, maricas, trans, mestizas. Barcelona: Editorial Egales.

Daumer, E. (1992). Queer ethics or the challenge of bisexuality to lesbian ethics. Hypatia, 7(7), 91-105.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, G., & Guatarri, F. (1997). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia (Vol. 5). São Paulo: Editora 34.

Dicio [Dicionário Aurélio online de Português] (2020). Errante [verbete]. Recuperado de https://www.dicio.com.br/errante/

Foucault, M. (1988). História da sexualidade: A vontade de saber (Vol.1). Rio de Janeiro: Graal.

Freitas, C. J. (2014). “Os indesejáveis”: Agentes públicos e a gestão da mobilidade de trecheiros e pessoas em situação de rua. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis, São Paulo.

Freitas, C. J., Justo, J. S., & Peres, W. S. (2017). Nômades, errantes e queering ou da estranheza de se tornar estranho. Revista Ártemis, 24(1), 108-119.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2019). Cidades. Recuperado de: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/nova-andradina/panorama

Jacques, P. B. (2012). Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA.

Justo, J. S. (2011). Andarilhos e trecheiros: Errância e nomadismo na contemporaneidade. Maringá: Eduem.

Justo, J. S. (2012). Vidas errantes: Políticas de mobilidade e experiência do tempo-espaço. Londrina: Eduel.

Justo, J. S. (2018). Problemas e desafios das mobilidades psicossociais contemporâneas. In M. Nalli & S. R. V. Mansano (Orgs), Diagnósticos do presente (pp. 127-147). Maringá: Eduem.

Israel, G, & Toller, P. (2002). Nada sei (Apneia). Em Kid Abelha, Acústico MTV [CD]. São Paulo: Universal Music Brasil.

Lee, R., & Carvalho, R. (1986). Cinderela Aparecida [Letra de música]. Recuperado de https://www.letras.mus.br/rita-lee/277591

Lei n° 8742, de 7 de dezembro de 1993 [LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social]. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8742.htm

Maffesoli, M. (2001). Sobre o nomadismo: Vagabundagens pós-modernas. Rio de Janeiro: Record.

Cunha, J. V. Q., & Rodrigues, M. (Orgs.). (2009). Rua: Aprendendo a contar: Pesquisa nacional sobre a população em situação de rua. Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social. Disponível em: https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Livros/Rua_aprendendo_a_contar.pdf

Orton, N. E. (2017). (Des)igualdade de gênero e a (i)mobilidade urbana contemporânea: Uma visão goffmaniana. Revista Rua, 23(2), 243-266.

Passos, E., Kastrup, V., & Escóssia, L. (2009). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Penedo, S. L. (2014). El labirinto queer: La identidad em tiempos de neoliberalismo. Madrid: Editorial Egales.

Romagnoli, R. C. (2009). A cartografia e a relação pesquisa e vida. Revista Psicologia & Sociedade, 21(2), 166-173.

Rolnik, S. (1997). Cartografia sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade.

Rosa, A. da S., & Brêtas, A. C. P. (2015). A violência na vida de mulheres em situação de rua na cidade de São Paulo. Revista Interface, 19(53), 275-285.

Santos, V. B. (2014). Mulheres em vivência de rua e a integralidade no cuidado em saúde. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Maria, RS.

Rosa, R. M. (2017). A cartografia como estratégia de pesquisa: Agenciamento de afetos. Revista Rizoma, 1(2), 191-202.

Sinués, O. A., & Jiménez, R. M. M. (2015). Los géneros de la violencia: Una reflexión queer sobre la “violência de gênero”. Barcelona: Egales Editorial.

Souza, T. P. (2015). O método da cartografia: Conhecer e cuidar de processos singulares. Revista da Facultad Nacional de Salud Pública, 33(1), 75-83.

Swain, T. N. (2000). A invenção do corpo feminino ou “a hora e a vez do nomadismo identitário?”. Revista Textos de História, 8(1/2), 46-84.

Tiene, I. (2004). Mulher moradora na rua: Entre vivências e políticas sociais. São Paulo: Alínea.

Tiengo, V. M. (2018). O fenômeno população em situação de rua enquanto fruto do capitalismo. Revista Textos e Contextos, 17(1), 138-150.

Virilio, P. (1996). Velocidade e política. São Paulo: Estação da Liberdade.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i2.e9372

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia