Ser Adolescente com Transtorno de Aprendizagem: Um Olhar da Fenomenologia de Merleau-Ponty

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e9376

Palavras-chave:

adolescentes. transtorno de aprendizagem. fenomenologia. mundo vivido.

Resumo

A adolescência é considerada como uma fase de descobertas, marcada por inúmeras mudanças, e a literatura a apresenta como uma passagem da infância para a vida adulta. Os adolescentes com transtornos de aprendizagem vivenciam essa fase com medos e angústias devido aos limites que são impostos pelo transtorno. Neste estudo, objetivou-se compreender a experiência vivida de ser adolescente com diagnóstico de transtorno de aprendizagem sob a ótica da fenomenologia de Merleau-Ponty. Foi utilizado o método fenomenológico crítico para acessar a experiência vivida de adolescentes de 11 a 17 anos que participam de grupos de psicopedagogia num núcleo de atendimento integrado localizado na cidade de Fortaleza. A partir das falas dos adolescentes, foram elencadas cinco categorias: a relação do adolescente com o transtorno e suas limitações; a relação do adolescente com seu meio social; a dificuldade do adolescente em lidar com seu processo de adolescer; os sentimentos do adolescente diante de sua diferença; e a relação dos adolescentes com as exigências do cotidiano. Compreendeu-se que a experiência de ser adolescente com o transtorno é perpassada por sofrimento, uma vez que há diversos significados atribuídos como a vergonha e o sentimento de inutilidade. Considera-se que os adolescentes se encontram em um contexto no qual são destituídos e desresponsabilizados de sua própria experiência, sendo ela sempre considerada a partir de um discurso alheio por conta de uma infantilização exacerbada que, muitas vezes, é atribuída ao transtorno pelos pais e cuidadores.

Biografia do Autor

Roxanne Pucci de Mesquita Ibiapina, Universidade de Fortaleza

Psicóloga graduada pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

João Marcos de Araújo Leite, Universidade de Fortaleza

Mestre em saúde coletiva pela Universidade de fortaleza (UNIFOR). Psicólogo graduado pela UNIFOR. Psicoterapeuta com formação em cínica humanista fenomenológica.

Anna Karynne Melo, Universidade de Fortaleza

Pós-doutora pela Universidade Federal do Ceará. Doutora em Saúde Coletiva pela Associação de IES Ampla (UFC/UECE/UNIFOR). Coordenadora do Curso de Psicologia da Universidade de Fortaleza. Professora titular do curso de graduação de Psicologia da UNIFOR.

Referências

Bignotto, M. M. (2014). O bullying. In M. Lipp (Org.), O adolescente e seus dilemas: Orientação para pais e educadores (pp. 109-124). Campinas, SP: Papirus.

Bloc, L. & Moreira, V. (2016). O normal, o patológico e a cultura. In A. Tatossian, L. Bloc, & V. Moreira, Psicopatologia fenomenológica revisitada (pp. 161-174). São Paulo: Escuta.

Bloc, L., & Moreira, V. (2013). Condições para a mudança psicoterapêutica e intervenções fenomenológicas: Reflexões a partir do caso Fátima. In V. Moreira (Org.), Revisitando as psicoterapias humanistas (pp. 49-60). São Paulo, SP: Intermeios.

Crestani, I. A. (2016). Adolescência: Tentando compreender o que é difícil entender. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e mistos. Porto Alegre: Artmed.

Diniz, M. M. F. (2013). Dificuldades de aprendizagem: análise conceitual. In C. A. S. M. Minervino, & J. N. Nóbrega (Orgs.), Aprendizagem e emoção: Estudos na infância e da adolescência (pp. 93-114). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Fletcher, J. M., Lyon, G. R., Fuchs, L. S., & Barnes, M. A. (2018). Learning disabilities: From identification to intervention. Nova Iorque: Guilford Publications.

Frota, A. M. M. C. (2007). Diferentes concepções da infância e adolescência: A sua importância da historicidade para sua construção. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 7(1), 144-157.

Justos, A. P. (2014). O desafio da escolha profissional. In M. Lipp (Org.), O adolescente e seus dilemas: Orientação para pais e educadores (pp. 235-252). Campinas, SP: Papirus.

Maes, M., Nelemans, S. A., Danneel, S., Fernández-Castilla, B., Van den Noortgate, W., Goossens, L., & Vanhalst, J. (2019). Loneliness and social anxiety across childhood and adolescence: Multilevel meta-analyses of cross-sectional and longitudinal associations. Developmental psychology, 55(7), 1548-1565.

Melo, A. K. S., & Moreira, V. (2008). Fenomenologia da queixa depressiva em adolescentes: Um estudo crítico-cultural. Aletheia, 27(1), 51-64.

Merleau-Ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção (3ª ed.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1945)

Moreira, V. (2004). O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 447-456.

Moreira, V. (2009). Clínica humanista-fenomenológica: estudos em psicoterapia e psicopatologia crítica. Annablume.

Ohlweiler, L. (2016). Introdução aos transtornos da aprendizagem. In N. T. Rotta, L. Ohlweiler, & R. S. Risgo (Orgs.), Transtornos de aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar (2ª ed., pp. 107-111). Porto Alegre, RS: Artmed.

Peixoto, P., Tinoco, D., Erthal, A. & Luquetti, E. (2019). A dislexia no processo de ensino e aprendizagem da leitura e escrita: Considerações sobre a prática educacional. Revista Philologus, 25(73), 44-62.

Tricoli, V. A. C. (2014). O stress emocional e seus efeitos. In M. Lipp (Org.), O adolescente e seus dilemas: Orientação para pais e educadores (pp. 157-177). Campinas, SP: Papirus.

World Health Organization [WHO]. (2019). ICD-11 - Mortality and Morbidity Statistics. Genebra: WHO. Link

Downloads

Publicado

19.06.2021

Como Citar

Ibiapina, R. P. de M., Leite, J. M. de A., & Melo, A. K. (2021). Ser Adolescente com Transtorno de Aprendizagem: Um Olhar da Fenomenologia de Merleau-Ponty. Revista Subjetividades, 21(Esp1), Publicado online: 19/06/2021. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e9376

Edição

Seção

Dossiê: Psicologia & Fenomenologia