Biografias Laborais de Pessoas Encarceradas: Entre o Crime e o Trabalho

Sinara Thereza dos Santos Fidelis, Tatiana de Lucena Torres, Pedro F Bendassolli

Resumo


O objetivo do estudo foi compreender a biografia laboral de pessoas privadas de liberdade, considerando suas experiências de trabalho dentro e fora do cárcere, utilizando o aporte teórico de sentidos, significados e função psicológica do trabalho. A pesquisa apresentou delineamento de abordagem qualitativa, descritiva e transversal, com características etnográficas e de observação participante. O contexto do estudo foi a Associação de Apoio e Assistência ao Condenado (APAC) de Macau/RN, e contou com a participação de 11 homens em estado privativo de liberdade. As temáticas das entrevistas individuais foram: história de vida laboral, trabalho na prisão e APAC. As narrativas foram submetidas a análises textuais de classificação hierárquica descendente (CHD) com auxílio de um software. Registros em diários de campo se somaram aos resultados de modo a compor uma análise global, considerando as narrativas dos apenados e a observação participante. Os resultados revelaram que, na APAC, a disciplina faz parte do cotidiano, utilizando o controle do comportamento dos chamados recuperandos, em condições dignas de vida, pautadas em preceitos religiosos e no autocontrole. O cumprimento da pena em condições humanas foi apontado como diferencial da APAC em relação ao sistema comum de encarceramento. Os recuperandos revelaram uma biografia laboral marcada por experiências precárias de trabalho, sofrendo humilhações, histórico de trabalho infantil e posicionamento submisso. O crime não era considerado trabalho por não ser digno. No entanto o crime promovia um posicionamento ativo e, sobretudo, oferecia poder, algo que não acontecia com o trabalho digno. O trabalho no cárcere é marcado pela exaustão e exploração no sistema comum, mas visto como laborterapia na APAC, com oportunidades de aprendizagem e exercício da dignidade humana. Mesmo que também marcado por impedimentos e dificuldades, é um espaço para o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento.

Palavras-chave


apenado; trabalho; função psicológica do trabalho; sentido do trabalho.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Almeida, S. S. (2004). Violência e direitos humanos no Brasil. Estudos de Política e Teoria Social, 1(11), 70-95.

Amado, G., & Lhuilier, D. (2012). L’activité au cœur de l’intervention psychosociologique. Bulletin de Psychologie, (3), 263-276.

Amaral, T. V. F., Barros, V. A., & Nogueira, M. L. M. (2016). Fronteiras trabalho e pena: Das casas de correção às PPPs prisionais. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(1), 63-75. doi:10.1590/1982-3703000852014

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Baratta, A. (2002). Criminologia crítica e crítica ao direito penal: Introdução à sociologia do direito penal (3a ed.). Rio de Janeiro: Editora Revan.

Barbalho, L. A., & Barros, V. A. (2014). Entre a cruz e a espada: A reintegração de egressos do sistema prisional a partir da política pública do governo de Minas Gerais. Psicologia em Revista, 20(3), 33-45.

Barbalho, L. A., & Barros, V. A. (2010). O lugar do trabalho na vida do egresso do sistema prisional: Um estudo de caso. Gerais, Revista Interinstitucional de Psicologia, 3(2), 198-212.

Barros, V. A. (2009). Para que servem as prisões? In R. Torres & V. Matos (Orgs.), Estudos de execução criminal, direito e psicologia (pp. 95-105). Belo Horizonte: TJ/CRP.

Barros, V. A., & Lhuilier, D. (2013). Marginalidade e reintegração social: O trabalho nas prisões. In L. O. Borges & L. Mourão (Orgs), O trabalho e as organizações: Atuações a partir da psicologia (pp. 669-694). Porto Alegre: Artmed.

Barros, V. A., & Nogueira, M. L. M. (2007). Identidade e trabalho: Reflexões a partir de contextos precarizados e excludentes. Revista Educação e Tecnologia, 12(3), 10-12.

Bendassolli, P. F., & Coelho-Lima, F. (2015). Psicologia e trabalho informal: A perspectiva dos processos de significação. Psicologia & Sociedade, 27(2), 383-393. DOI: 10.1590/1807-03102015v27n2p383

Bendassolli, P. F., & Gondim, S. M. G. (2014). Significados, sentidos e função psicológica do trabalho: Discutindo essa tríade conceitual e seus desafios metodológicos. Avances en Psicologia Latinoamericana, 32(1), 131-147. DOI: 10.12804/apl32.1.2014.09

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513-518. DOI: 10.9788/TP2013.2-16

Coelho-Lima, F., & Bendassolli, P. (2018). A ideologia e o significado do trabalho para trabalhadores por conta própria. Estudos de Psicologia (Natal), 23(3), 259-270. DOI: 10.22491/1678-4669.20180025

Clot, Y. (2010). A psicologia do trabalho na França e a perspectiva da clínica da atividade. Fractal: Revista de Psicologia, 22(1), 207-233. DOI: 10.1590/S1984-02922010000100015

Clot, Y. (2008). Trabalho e poder de agir. Paris: PUF.

Coutinho, M. C., & Oliveira, F. (2017). Algumas ferramentas teóricas para o estudo psicossocial do trabalho: Práticas cotidianas, processos de significação e identidades. In L. Sato, M. C. Coutinho & M. H. Bernardo (Orgs.), Psicologia social do trabalho (pp. 81-100). Petrópolis: Vozes.

Faria, A. A. C., & Barros, V. A. (2011). Tráfico de drogas: Uma opção entre escolhas escassas. Psicologia e Sociedade, 23(3), 536-544.

Goffman, E. (1961). Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2002). Entrevista narrativa. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 90-113). Petrópolis: Vozes.

Lei nº 7.210 de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Brasília: Presidência da República.

Lima, M. (2006). Da visita íntima à intimidade da visita: A mulher no sistema prisional. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-24032008-085201/pt-br.php

Ministério da Justiça (2017). Levantamento nacional de informações penitenciárias (INFOPEN). Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Silva, C. L. O., & Saraiva, L. A. S. (2014). Recuperação e resistência na prisão: Um estudo sobre ressignificações de culturas e subjetividades. Revista Alcance, 21(1) 25-45.

Scherrer, C., & Shah, A. (2017). The political economy of prision labor: From penal welfarism to the penal state. Global Labour Journal, 8(1), 32- 48.

Tolfo, S., & Piccinini, V. (2007). Sentidos e significados do trabalho: Explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia e Sociedade, 19(esp.1), 38-46. DOI: 10.1590/S0102-71822007000400007




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i3.e9413

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia