Pequenos Exercícios Experimentais da Liberdade: Articulações entre Arte, Clínica e Política

Alice Vignoli Reis, Mônica Botelho Alvim

Resumo


O presente trabalho apresenta uma articulação teórica, com um referencial interdisciplinar, que põe em diálogo os campos da arte, da clínica e da política. Tal articulação foi desenvolvida ao longo de uma pesquisa-ação com jovens em favelas cariocas que tinha como mote central a indagação sobre as possibilidades de reinvenção de um espaço urbano fortemente fragmentado e estratificado, demarcado pela segregação socioespacial. A constatação de que a fragmentação urbana característica das grandes cidades no contexto do capitalismo produz diferentes modos de vida e formas de subjetivação, estabelecendo fronteiras de convívio e afetando o estabelecimento de relações de alteridade, nos conduziu a pensar as possibilidades de reconfiguração sensível do mundo comum. Nesse sentido, nossas explorações teórico-práticas deram-se nessa articulação interdisciplinar em torno das temáticas do corpo, da experiência sensível e intercorporal, da alteridade e da criação como invenção e reinvenção da vida, apontando para o entrelaçamento de suas dimensões ética, estética e política. O artigo apresenta, em primeiro plano, o recorte teórico da pesquisa, discutindo uma perspectiva fenomenológica da subjetividade como corporeidade, ancorada no pensamento de Merleau-Ponty, assim como o trabalho clínico inspirado nessa perspectiva, em suas interfaces com o campo da arte e seu caráter de ação política. A partir de um breve olhar para a experiência com os jovens nessa pesquisa-ação, conclui-se considerando que o diálogo da psicologia com a arte tem a potência de ativar a dimensão lúdica, propiciar a criação de uma linguagem comum, permitindo a criação de dispositivos clínico-artísticos que possibilitam a recriação de si e das relações de alteridade na vivência do espaço urbano, atualizando possibilidades de reconfiguração sensível. O corpo teórico de ideias, inseparável de uma ação prática de pesquisar com os jovens, possibilitou criar uma metodologia lúdica de pesquisa e intervenção no espaço urbano.

Palavras-chave


ética; estética; clínica; política; fenomenologia.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alvim, M. (2012). A clínica como poiética. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 12 (3), 1007-1023. DOI: 10.12957/epp.2012.8234

Alvim, M. (2014). A poética da Experiência: Gestalt-terapia, fenomenologia e Arte. Rio de Janeiro: Garamond.

Alvim, M. (2018). Id da situação como solo comum da experiência. In: Robine, J. (org). Self: uma polifonia de gestalt-terapeutas contemporâneos. São Paulo: Editora Escuta.Brett, G. (2005). Brasil Experimental: arte/vida, proposições e paradoxos. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Brett, G. (2005). Brasil Experimental: Arte/vida, proposições e paradoxos. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Chauí, M. (2010, Março 14). Merleau-Ponty: A obra fecunda. Revista Cult, 123. Link

Hardt, M., & Negri, A. (2004). MULTITUDE – War and Democracy in the age of empire. New York: The Penguin Press.

Merleau-Ponty, M. (1999). Fenomenologia da Percepção (2ª ed). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1945)

Merleau-Ponty, M. (2000). O visível e o Invisível (4ªed). São Paulo: Perspectiva. (Originalmente publicado em 1964)

Merleau-Ponty, M. (2011). Fenomenologia da Percepção (4ª ed). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1945)

Merleau-Ponty, M. (2012). La instituición. La passividad. Notas de cursos en el College de France (1954-1955). Barcelona: Anthropos Editorial.

Oiticica, H. (1986). Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco.

Rancière, J. (1996). O Dissenso. In A. Novaes (Org.), A crise da razão (pp. 367-382). São Paulo: Companhia das Letras.

Rancière, J. (2005). A partilha do sensível: Estética e política. São Paulo: EXO Experimental.

Rancière, J. (2012). O espectador emancipado. São Paulo: Editora WWF Martins Fontes.

Reis, A. (2017). Peles urbanas: fronteiras sensíveis de uma cidade fragmentada. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ.

Rolnik, S. (1996). Lygia Clark e o híbrido Arte/Clínica. Percurso- Revista de Psicanálise, 8 (16), 43-48.

Rolnik, S. (1999). Molda-se uma alma contemporânea: O vazio-pleno de Lygia Clark. Link




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e9459

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia