A Criança Contemporânea e a Noção de Cuidado: Uma Reflexão a partir da Fenomenologia Hermenêutica

Maira Prieto Bento Dourado

Resumo


Partindo da perspectiva heideggeriana sobre o ser-aí, apresento uma compreensão da criança na contemporaneidade tendo como fio condutor a noção de cuidado para compreender os modos de ser do homem no ciclo inicial da vida. Utilizei a fenomenologia como metodologia qualitativa, articulando a teoria à prática clínica da autora em psicoterapia infantil. Primeiramente, apresento uma discussão teórica sobre cuidado embasada na filosofia de Heidegger, dialogando com autores afins. Posteriormente, um aprofundamento bibliográfico sobre o percurso histórico das formas de se relacionar com a criança e como acumulam novos conceitos e padrões. Por fim, apresento uma perspectiva heideggeriana do ser-aí da criança. A condução da criança ao psicoterapeuta envolve dificuldades denominadas cientificamente de “distúrbios”, que se referem ao não ajustamento a modelos normativos constituídos na sociedade e na cultura. São determinações históricas acerca do sentido da experiência infantil e constituem o espaço em que o ser do homem se constitui, mas é preciso pensar de que modo esse homem está em jogo em sua constituição. Em Heidegger, o cuidado se encontra na ontologia dos fenômenos e precede qualquer “atitude” ou “situação” vivida, é estar em jogo na sua existência. O filósofo defende que a criança pertence a uma fase cronológica do ser-aí, não há diferenciação entre ser-aí criança ou ser-aí adulto, e aponta a inclinação atual por diagnósticos, que fecham o homem como substância que possa ser examinada, medida e tratada como objeto. “Verdade”, “diagnóstico” e “cura” são palavras que se encaixam no pensamento calculante da ciência moderna, da técnica, e se revelam no discurso dos pais. O espaço terapêutico de cuidado permite a compreensão da criança não a partir de determinações a priori, mas sim naquilo que aparece: a criança será, então, compreendida a partir das suas próprias significações.

Palavras-chave


criança; psicoterapia; cuidado; Heidegger.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ariès, P. (1978). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar.

Angerami, V. A. (2004). O atendimento infantil na ótica fenomenológica e existencial. São Paulo: Pioneira Thompson.

Boss, M. (1988). Angústia, culpa e libertação (4a ed.). São Paulo: Livraria Duas Cidades.

Castro, L. R. (1988). Infância e adolescência na cultura do consumo. Rio de Janeiro: NAU.

Coimbra, C. M. B. (1995). Guardiães da ordem: Uma viagem pelas práticas psi no Brasil do “milagre”. Rio Janeiro: Oficina do Autor.

Cytrynowicz M. B. (2000). O mundo da criança. Revista da Associação Brasileira de Daseinsanalyse, 9, 74-89.

Del Priore, M. (2002). História das crianças no Brasil (3a ed.). São Paulo: Contexto.

Heidegger, M. (2005a). Ser e tempo: Parte 1 (15a ed.). Petrópolis: Vozes. (Originalmente publicado em 1927).

Heidegger, M. (2005b). A questão da técnica. In M. Heidegger, Ensaios e Conferências (pp. 11-38). Petrópolis, RJ: Vozes.

Heidegger, M. (2007). Ser e verdade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Heidegger, M. (2008). Verdade – Ser-aí – Ser-com. In M. Heidegger, Introdução à filosofia (pp. 129-140). São Paulo: Martins Fontes.

Heywood, C. (2018) A history of childhood: Children and childhood in the West from Medieval to Modern times. Cambridge, UK: Potity press.

Mattar, C. (2015). A criança e a família: Aspectos históricos e dilemas contemporâneos. In A. M. Feijoo & E. L. Feijoo (Orgs.), Ser criança: Uma compreensão existencial da experiência infantil. Rio de Janeiro: Edições IFEN.

Rodrigues, T. J. (2006). Terror, medo, pânico: Manifestações da angústia no contemporâneo. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Sá, R. N. (2017). Para além da técnica: Ensaios fenomenológicos sobre psicoterapia, atenção e cuidado. Rio de Janeiro: Via Veritá.

Veyne, P. (2009). A história da vida privada (Vol 1). São Paulo: Ed. Companhia de Bolso.

Yalom, I. D. (1980). Existential psychotherapy. New York: Basic Books.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e9492

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia