Feminino e Transmissão Geracional em Beira rio beira vida, de Assis Brasil

Fabiano Chagas Rabêlo, Reginaldo Rodrigues Dias, Karla Patrícia Holanda Martins

Resumo


Partindo da assertiva de que a realização do feminino não se limita à identificação às insígnias fálicas, comenta-se o livro Beira rio beira vida de Assis Brasil. Reconhece-se que cada uma das personagens da história – avó, mãe e filha – confronta-se com o desafio de desenvolver uma forma própria de se tornar mulher, valendo-se, para tanto, dos significantes e semblantes que lhes chegam da linhagem familiar. Defende-se que a sobredeterminação dos enunciados de Luíza e as respostas lacônicas, opacas e evasivas de Mundoca incitam uma tomada de posição ética e política do leitor diante do enigma do feminino e da transmissão intergeracional da maldição familiar, tal como é designada a prostituição no livro. Conclui-se que a prostituição não é um destino inexorável para as personagens e que Mundoca, a terceira geração, não transparece uma posição subjetiva nítida, o que dá margens para se conjecturar diferentes possibilidades de realização do legado familiar. Identifica-se, por sua vez, do lado de Luíza e Cremilda, a invenção de alguns semblantes que podem ter servido de barreira à devastação e ao agravamento de algumas situações de vulnerabilidade psíquica. Ao final, destaca-se a importância de determinados arranjos em torno do feminino que acompanham algumas experiências de sofrimento em mulheres, considerando os possíveis destinos da transmissão familiar. Cita-se, como exemplo disso, o trabalho de perlaboração por Luíza de seu devir feminino e de seu lugar na linhagem de mulheres que acompanha a costura das roupas da boneca Ceci. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, não sistemática, que interroga as vicissitudes do feminino e da transmissão a partir do diálogo da psicanálise com a literatura, em interlocução com estudos de gênero, culturais e literários.

Palavras-chave


Assis Brasil; psicanálise; feminino; sexuação; transmissão intergeracional.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Andrade, S. (2012). Assis Brasil: A máquina de escrever [Entrevista]. Revestrês, (1). Recuperado de: https://www.revistarevestres.com.br/entrevista/assis-brasil-maquina-de-escrever/

Assunção, R. C. B. (2014). Entre a maternidade e a prostituição: Identidade feminina e relações de poder em “A chave do amor” de Assis Brasil. Letras Em Revista, 5(1), 152–167. Recuperado de: https://ojs.uespi.br/index.php/ler/issue/view/7/ENTRE%20A%20MATERNIDADE%20E%20A%20PROSTITUI%C3%87%C3%83O:%20IDENTIDADE%20FEMININA%20E%20RELA%C3%87%C3%95ES%20DE%20PODER%20EM%20%E2%80%98A%20CHAVE%20DO%20AMOR%E2%80%99%20DE%20ASSIS%20BRASIL

Brasil, A. (1979). Beira rio beira vida. In A. Brasil, Tetralogia piauiense (pp. 15-132). Rio de Janeiro: Nórdica.

Brito, E. B. (2017). A autonomia das personagens femininas como configuração do neorregionalismo brasileiro. Imburana: Revista Do Núcleo Câmara Cascudo De Estudos Norte-Rio-Grandenses, 7(14), 71-96. Recuperado de: https://periodicos.ufrn.br/imburana/article/view/12355

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira. (Originalmente publicado em 1990).

Coelho, N. N. (1995). Dicionário crítico da literatura infantil/juvenil brasileira: Séculos XIX e XX. São Paulo: EDUSP.

Cossi, R. K., & Dunker, C. I. L. (2016). A crítica de Judith Butler ao conceito de simbólico em Lacan. In C. Greiner, Leituras de Judith Butler (pp. 59-88). São Paulo: Anna Blume do corpo.

Cunha, F. (1979). A consciência do autêntico. In A. Brasil, Tetralogia piauiense (p. 133-138). Rio de Janeiro: Nórdica.

Freud, S. (1997a). Der Dichter und das Phantasieren. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. X, pp. 169-181). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente publicado em 1908)

Freud, S. (1997b). Hysterische Phantasien und ihre Beziehung zur Bisexualität. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. VI, pp. 187-196). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente publicado em 1908)

Freud, S. (1997c). Der Familienroman der Neurotiker. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. IV, pp. 221-226). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente publicado em 1909)

Freud, S. (1997d). Totem und Tabu (Einige Übereinstimmungen im Seelenleben der Wilden und der Neurotiker). In S. Freud, Studienausgabe (Vol. IX, pp. 287-444). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente Publicado em 1913)

Freud, S. (1997e). Zur Einleitung der Behandlung: Weitere Ratschläge zur Technik der Psychoanalyse I. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. Ergänzungsband, pp. 181-204). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente Publicado em 1913)

Freud, S. (1997f). Erinnern, wiederholen und durcharbeiten: Weitere Ratschläge zur Technik der Psychoanalyse II. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. Ergänzungsband, pp. 205-216). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente Publicado em 1914)

Freud, S. (1997g). Einige psychische Folgen des anatomischen Geschlechtsunterchiedens. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. V, pp. 253-266). Frankfurt: Fischer Verlag. (Originalmente publicado em 1925)

Freud, S. (1997h). Die Frage der Laienanalyse. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. Ergänzungsband, pp. 273-349). Frankfurt: Fischer Verlag. (Originalmente publicado em 1926)

Freud, S. (1997i). Über die weibliche Sexualität. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. V, pp. 273-294). Frankfurt: Fischer Verlag. (Originalmente publicado em 1931)

Freud, S. (1997j). Neue Folge der Vorlesungen zur Einführung in die Psychoanalyse. Vorlesung XXXII - Die Weiblichkeit. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. I, pp. 544- 565). Frankfurt: Fischer Verlag. (Originalmente publicado em 1933)

Freud, S. (1997k). Konstruktion in der Analyse. In S. Freud, Studienausgabe (Vol. Ergänzungsband, pp. 393-406). Frankfurt: S. Fischer. (Originalmente Publicado em 1937)

Inglez-Mazzarella, T. (2006). Fazer-se herdeiro: A transmissão psíquica entre gerações. São Paulo: Escuta.

Kon, N. M. (2010). “Ele não tem xoxota!”: A lógica do falo ou a lógica da diferença? Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., 13(3), 517-521. doi:10.1590/S1415-47142010000300011.

Kon, N. M. (2014). Freud e seu duplo: Reflexões entre psicanálise e arte. São Paulo: EDUSP.

Lacan, J. (1986). Seminário, Livro I: Os escritos técnicos de Freud (1953-54). Rio de janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). Seminário, Livro XI: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2012). Seminário, livro XIX: ... ou pior (1971-72). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1985). Seminário, livro XX: Mais, ainda (1972-73). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2003a). Nota sobre a criança. In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 369-370). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1969)

Lacan, J. (2003b). Aturdito. In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 434-745). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1972)

Lacan, J. (2003c). Televisão. In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 508-543). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1973)

Pinto, U. M. (2009). O surgimento do romance psicológico e o retrato da vida interior. Letrônica, 2(1), 353–360. Recuperado de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/letronica/article/view/5235

Pollo, V. (2012). Travessias e obstáculos da devastação mãe-filha. In V. Pollo, O Medo que Temos do Corpo: Psicanálise, Arte e Laço Social (pp. 73-83). Rio de Janeiro: 7 letras.

Ribeiro, F. (2011). Vértice e base na pirâmide social na Tetralogia piauiense de Assis Brasil. Revista Crioula, 9(1). Recuperado de: http://www.revistas.usp.br/crioula/article/view/55370/58974

Rivera, T. (2003). O outro ou o outro: Guimarães Rosa e a transferência. Psychê, 7(12), 47-64. Recuperado de: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=307/30701204

Soler, C. (2005). O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Soler, C. (2008). La Maldición sobre el Sexo. Buenos Aires: Manatial.

Willenmart, P. (2014). Psicanálise e teoria literária: O tempo lógico e a roda da escritura e da leitura. São Paulo: Perspectiva.

Zalcberg, M. (2003). A Relação Mãe e Filha. Rio de Janeiro: Elsevier.

Zalcberg, M. (2013). Entre Mãe e Filha: Quando os Semblantes Vacilam. Revista da Escola Letra Freudiana, 45(1), 153-162.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i3.e9537

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia