Neoliberalismo e Teoria dos Discursos: Os Usos do Corpo na Contemporaneidade

Tiago Humberto Rodrigues Rocha

Resumo


De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, nos últimos anos houve um salto de 5% para 30% do número de homens que se submetem à cirurgia plástica com finalidade estética. Estes números refletem uma mudança nas formas do uso do corpo masculino na contemporaneidade. O neoliberalismo extrapolou os limites da economia, invadiu os modos de agir e desejar e tornou o corpo um bem a mais a ser produzido e consumido. O presente artigo é fruto de uma pesquisa que procurou tensionar o neoliberalismo à teoria dos discursos de Lacan a fim de perceber os possíveis efeitos subjetivos sobre os corpos na contemporaneidade. Para isto, traçamos um panorama geral do neoliberalismo apoiados nas teorias de Roland Gori, Christian Laval, Pierre Dardot e Dany-Robert Dufour que conjugam uma concepção semelhante sobre o atual momento histórico: modos de subjetivação seduzidos pela possibilidade de se autogerir. O desenvolvimento da pesquisa segue com a teoria dos discursos de Jacques Lacan, com especial destaque para dois de seus principais desdobramentos: o discurso do capitalista e o discurso da ciência. Para embasar tal discussão, a pesquisa tomou como pano de fundo uma entrevista realizada com um sujeito que apresentava um uso particular de seu corpo: o faz em confluência com as exigências do mercado, procurando através das modificações estéticas manejar a incidência da castração. Diante da inevitabilidade desta, percebemos que o alargamento do imaginário contemporâneo – alimentado pelos avanços das tecnociências – pode conduzir o indivíduo a tornar o próprio corpo um objeto a mais a ser consumido.

Palavras-chave


neoliberalismo; teoria dos discursos; corpo; contemporaneidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Beer, P. A. C. (2015). Questões e tensões entre psicanálise e ciência: considerações sobre validação. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bruno, P (2010). Lacan, passeur de Marx: l’invention du symptôme. Toulouse: Érès.

Castro, J. C. L. (2012). Consumo contemporâneo e discurso do capitalismo. Lumina Revista do Programde de Pós-Graduação em Comunicação. Universidade Federal de Juiz de Fora, 6 (1), pp. 1-7.

Cevasco, R. (2014). Acto y saber en la lógica colectiva de Lacan. In : Gallano, C. (org) Política de lo real : nuevos movimientos sociales y subjectividad. Barcelona : Ediciones S&P.

Dardot, C & Laval C. (2015). La nouvelle raison du monde : essai sur la société néolibérale. Paris : Éditions La Découverte

Dufour, D-R. (2007). Le divin marché:la révolution culturelle libérale. Paris: Denoël.

Freud, S. (1996) O Mal-estar na civilização. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol XXI, pp. 81-177. Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1930).

Gaspard, J-L. (2012) Nouveaux symptoms et lien social contemporain. In Jodeau-Belle & Ottavi, L. Les fondamentaux de la psychanalyse lacanienne: rérères épistémologiques, conceptuels et cliniques. Rennes: PUR.

Gori, R. (2015) L’individu ingouvernable. Paris : Éditions Les Liens qui Libèrent.

Lacan, J. (2006) Le Séminaire, livre 16: d’un Autre à l’autre. Paris: Le Seuil. (Orginalmente publicado em 1968/1969).

Lacan, J. (1991) Le Séminaire, livre 17: l’envers de la psychanalyse. Paris : Le Seuil, (Originalmente publicado em 1969/1970)

Lacan, J. (1978) Discours de Jacques Lacan à l’Université de Milan. Milano: La Salamandra. (Originalmente publicado em 1972).

Laval, C. (2007). L’homme économique : Essai sur les racines du néolibéralisme. Paris : Gallimard.

Marx, K. (2012) O capital. São Paulo : Saraiva, 2012. (Originalmente publicado em 1867).

Melman, C. (2005) O homem sem gravidade: gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro: Compahina de Freud.

Miller, Jacques-Alain. (1997). Lacan elucidado: palestras no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Pacheco Filho, R. A. (2015). Compra um Mercedes Benz prá mim? Rev. Psic. São Paulo, v. 24, n1, pp. 15-44.

Prudente. S. E. L. (2015). Dimensões da vergonha no avesso da psicanálise: uma contraexperiência política do sujeito. Tese de Doutorado em Psicologia Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: São Paulo.

Quinet. A. (2009). Psicose e laço social: esquizofrenia, paranoia e melancolia. Rio de Janeiro: Zahar.

Rocha, T. H R., Paravidini, J. L P. & Silva Júnior, N. (2014). Subjetividade, alteridade e desamparo nos tempos atuais. Fractal: Revista de Psicologia, 26(3), 803-816.

Safatle. V. P. (2008). Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo.

Soler, C. (2011). O discurso do capitalista. In Stylus. Rio de Janeiro, n. 22, pp. 55-67.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i1.e9710

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia