A Normatização do Corpo Feminino e os Modos de Subjetivação na Contemporaneidade

Thaís Pinto Fontinele, Márcio José de Araujo Costa

Resumo


O presente artigo visa discutir e problematizar os modos de subjetivação em relação ao corpo feminino em meio às discussões de gênero e suas relações com a sociedade de consumo contemporânea. Para tanto, realizou-se um estudo teórico, a partir dos conceitos de biopoder e sociedade de controle propostos por Foucault e Deleuze, para identificar as formas de agenciamento dos corpos na contemporaneidade e os padrões de beleza normatizadores. Compreendendo o corpo ideal a partir do entendimento dos jogos de poder que perpassam as relações sociais, buscou-se refletir sobre as práticas discursivas que possibilitam a construção do gênero e engendram modos de subjetivação possíveis no tecido social, a partir da discussão das teorias de gênero formuladas por Judith Butler.

Palavras-chave


gênero; corpo; subjetividade; normatização; poder.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agrela, L. (2019). Estes são os dez países que mais usam o Instagram. Recuperado de https://exame.abril.com.br/tecnologia/estes-sao-os-dez-paises-que-mais-usam-o-instagram/

Buitoni, D. H. S. (1981). Mulher de papel: A representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Edições Loyola.

Butler, J. (2007). Corpos que pesam: Sobre os limites discursivos do “sexo”. In G. L. Louro, O corpo educado: Pedagogias da sexualidade (pp. 151-167). Belo Horizonte: Autêntica.

Butler, J. (2015a). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade (8a ed.). Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

Butler, J. (2015b). Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica.

Campbell, C. (2006). Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In L. Barbosa & C. Campbell (Orgs.), Consumo, cultura e identidade (pp.47-64). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Costa, J. F. (2005). O vestígio e a aura: Corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamond.

Debord, G. (1997). A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34.

Featherstone, M. (1995). Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel.

Foucault, M. (1988). A vontade de saber (História da Sexualidade I). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2001a). Poder-corpo. In M. Foucault, Microfísica do Poder (pp.145-152). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2001b). Genealogia e Poder. In M. Foucault, Microfísica do Poder (pp.167-178). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2006). História da Sexualidade: A vontade de saber (17ª ed). São Paulo: Graal.

Foucault, M. (2010). Aula de 7 de janeiro de 1976. In M. Foucault, Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976) (pp.3-24). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2014). O sujeito e o poder. In M. Foucault, Ditos & escritos IX: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade (pp.192-206). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Goellner, S. V. (2009). Imagens da mulher no esporte. In M. Del Prior, & V. A. de Melo (Orgs.), História do esporte no Brasil: Do Império aos dias atuais. São Paulo: Editora UNESP.

Guareschi, P. (2004). Psicologia social crítica como prática de libertação. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Hjarvard, S. (2014). Mediatization: conceptualizing cultural and social change. MATRIZes, 8(1), 21-44. DOI: 10.11606/issn.1982-8160.v8i1p21-44

Jakobson, R. (1969). Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix.

Kehl, M. R. (2004). Visibilidade e Espetáculo. In E. Bucci, E. M. R. Khel (Orgs.), Videologias: Ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo.

Lauretis, T. (1994). A tecnologia de gênero. In H. B. Holanda (Org.), Tendências e impasses: O feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Ed. Rocco.

Le Breton, D. (2003). Adeus ao copo: Antropologia e sociedade. Campinas, SP: Papirus.

Lipovetsky, G., & Charles, S. (2004). Os Tempos Hipermodernos. São Paulo: Barcarolla.

Lipovetsky, G. (2005). A Era do Vazio. Barueri, São Paulo: Manole.

Lipovetsky, G. (2015). A estetização do mundo: Viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras.

Louro, G. L. (2016). Um corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

Maldonado, G. R. (2006). A educação física e o adolescente: a imagem corporal e a estética da transformação na mídia impressa. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 5(1), 59-76.

Maroun, K., & Vieira, V. (2008). Corpo: Uma mercadoria na pós-modernidade. Psicologia em Revista, 14(2), 171-186.

Novaes, J. V. (2006). O intolerável peso da feiúra: Sobre as mulheres e seus corpos. Rio de Janeiro: Garamond.

Ribeiro, S., & Mezzaroba, C. (2019). Mídia, corpo e mercado: (im)possibilidades formativas diante do poder simbólico. Perspectiva, 37(1), 160-183. DOI: 10.5007/2175-795X.2019.e52240

Rodrigues, L. V. (2005). A representação da mulher na imprensa feminina. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, (28), 1-8. Rio de Janeiro: UERJ.

Sampaio, R. P. A., & Ferreira, R. F. (2009). Beleza, identidade e mercado. Psicologia em Revista, 15(1), 120-140.

Sant’Anna, D. B. (2000). As infinitas descobertas do corpo. Cadernos Pagu, (14), 235-249.

Santaella, L. (2004). Corpo e comunicação: sintoma da cultura. São Paulo: Paulus.

Sibilia, P. (2016). O show do Eu: A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Thompson, J. B. (1995). Ideologia e cultura moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Traquina, N. (2012). Teorias do jornalismo: Porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i1.e9739

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia