Particularidades do Luto Materno Decorrente de Perda Gestacional: Estudo Qualitativo

Andressa Milczarck Teodózio, Marina Camargo Barth, Jaqueline Wendland, Daniela Centenaro Levandowski

Resumo


O processo de luto decorrente de uma perda gestacional tem sido descrito na literatura como uma vivência específica e pouco reconhecida socialmente. Neste estudo buscou-se compreender as repercussões e as particularidades do processo de luto decorrente de uma perda gestacional por meio do estudo de casos múltiplos (Yin, 2005), de caráter qualitativo e transversal, com quatro mães (18 a 29 anos) que vivenciaram ao menos uma perda gestacional nos últimos cinco anos. Foram aplicados os instrumentos: Questionário de Dados Sociodemográficos e Clínicos, Questionário sobre Vivências de Perdas, Prolonged Grief Disorder, Brief Symptom Inventory, além de uma entrevista sobre a vivência de luto materno e a experiência da maternidade atual. A análise dos casos, baseada na perspectiva psicanalítica, permitiu identificar que os procedimentos físicos diante da perda gestacional possibilitaram uma via de inscrição e elaboração psíquica da vivência, contudo esse processo de luto foi permeado por elementos de ordem narcísica e traumática. Sugerem-se investigações na área com mulheres que não tiveram filhos após a perda gestacional.

Palavras-chave


perda gestacional; luto materno; trauma; narcisismo.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Aguiar, H. C. (2016). Quando a partida antecede a chegada: Singularidades do óbito fetal. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, RJ.

Aguiar, H. C., & Zornig, S. (2016). Luto fetal: A interrupção de uma promessa. Estilos da Clínica, 21(2), 264-281. http://www.revistas.usp.br/estic/article/view/131009

Aragão, R. O. (2012). Narrativas do início da vida: Como contar nosso primeiro capítulo? Primórdios, 2(2), 73-83.

Bailey, S. L., Boivin, J., Cheong, Y. C., Kitson-Reynolds, E., Bailey, C., & Macklon, N. (2019). Hope for the best… but expect the worst: A qualitative study to explore how women with recurrent miscarriage experience the early waiting period of a new pregnancy. BMJ Open, 9, 1-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2019-029354

Brasil. (2009). Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_obito_infantil_fetal_2ed.pdf

Brasil. (2010). Gestação de alto risco: Manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gestacao_alto_risco.pdf

Brasil. (2019). Datasus: Estatísticas vitais: Nascidos vivos por ocorrência pela idade da mãe. Brasília: Ministério da Saúde. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/fet10uf.def

Canavarro, C. (1995). Brief Symptom Inventory. Braga: APPORT.

Canavarro, M. C. (2006). Gravidez e maternidade: Representações e tarefas de desenvolvimento. In M. C. Canavarro (Org.), Psicologia da Gravidez e da Maternidade (pp.17-49). Coimbra: Quarteto.

Canavarro, M. C. (2007). Inventários de Sintomas Psicopatológicos (BSI): Uma revisão crítica dos estudos realizados em Portugal. In. M. R. Simões, C. Machado, M. M. Gonçalves & L. S. Almeida (Orgs.), Avaliação psicológica: Instrumentos validados para a população portuguesa (pp. 305-330). Coimbra: Quarteto.

Côté-Arsenault, D., & Donato, K. (2011). Emotional cushioning in pregnancy after perinatal loss. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 29(1), 81-92. DOI: https://doi.org/10.1080/02646838.2010.513115

Creswell, J. W., & Clark, V.L. (2014). Designing and conducting mixed methods research (3th ed.). Thousand Oaks: Sage.

Curi, P. L. (2016). Da curetagem aos restos psíquicos. Cadernos de Psicanálise, 32(1), 52-59.

Delalibera, M., Delalibera, T., Franco, P. M., Barbosa, A., & Leal, I. (2017). Adaptação e validação brasileira do Instrumento de Avaliação do Luto Prolongado – PG 13. Psicologia: Teoria e Prática, 19(1), 94-106. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v19n1p94-106

Defey, D., Rossello, J. L. D., Friedler, R., Nunez, M., & Terra, C. (1992). Duelo por un niño que muere antes de nacer: Vivencias de los padres del equipo de salud (2a ed.). Montevideo: CLAP.

Derogatis, L. R. (1993). BSI: Brief Symptom Inventory (3th ed). Minneapolis: National Computers Systems.

Duarte, C. A. M., & Turato, E. R. (2009). Sentimentos presentes nas mulheres diante da perda fetal: Uma revisão. Psicologia em Estudo, 14(3), 485-490. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000300009

Faria-Schützer, D. B., Lovorato, G. L., Neto, Duarte, C. A. M., Vieira, C. M., & Turato, E. R. (2014). Fica um grande vazio: Relatos de mulheres que experienciaram morte fetal durante a gestação. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 5(2), 113-132. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n2p113

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Freire, T. C. G., & Chatelard, D. S. (2009). O aborto é uma dor narcísica irreparável? Revista Mal-Estar e Subjetividade, 9(3), 1007-1022.

Freitas, J. L., & Michel, L. H. F. (2014). A maior dor do mundo: O luto materno em uma perspectiva fenomenológica. Psicologia em Estudo, 19(2), 273-289. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-737222324010

Freud, S. (1974). Luto e melancolia. In J. Strachey (Org.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol.14, pp. 271-348). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1915/1917)

Freud, S. (1980). Extratos dos documentos dirigidos a Fliess. In J. Strachey (Org.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 1, pp. 243-380). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1950[1892-1899])

Freud, S. (1976). Sobre o narcisismo, uma introdução. In J. Strachey (Org.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 75-108). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914)

Freud, S. (1980). Sobre a transitoriedade. In J. Strachey (Org.), edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 317-319). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1916 [1915])

Iaconelli, V. (2007). Luto insólito, desmentido e trauma: Clínica psicanalítica com mães de bebês. Revista Latino-Americana de Psicopatologia Fundamental, 4(10), 614-623. DOI: http://doi.org/10.1590/S1415-47142007000400004

Lemos, L. F. S., & Cunha, A. C. B. (2015). Concepções sobre morte e luto: Experiência feminina sobre a perda gestacional. Psicologia, Ciência e Profissão, 4(35), 1120-1138. DOI: http://doi.org/10.1590/1982-3703001582014

Lins, P. G. A., Pati, E. A. M. R., Peron, A. C., & Barbieri, V. (2014). O sentido da maternidade e da infertilidade: Um discurso singular. Estudos de Psicologia, 31(3), 387-392. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-166x2014000300007

Lopes, B.G., Borges, P. K.O., Grden, C. R. B., Coradassi,C. E., Sales, C. M., & Damasceno, N. F. P. (2017). Luto materno: Dor e enfrentamento da perda de um bebê. Rene, 18(3), 307-313. DOI: http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.2017000300004

Maldonado, G., & Cardoso, M. R. (2009). O trauma psíquico das narrativas impossíveis, mas necessárias. Psicologia Clínica, 21(1), 45-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652009000100004

McCallum, C., Menezes, G., & Reis, A. P. (2017). O dilema de uma prática: Experiências de aborto em uma maternidade pública de Salvador, Bahia. História, Ciências, Saúde, 23(1), 37-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702016000100004

McDougall, J. (1997). As múltiplas faces de Eros: Uma abordagem psicanalítica da sexualidade humana. São Paulo: Martins Fontes.

Núcleo de Infância e Família [NUDIF/UFRGS]. (2008a). Questionário de Dados Sociodemográficos (Instrumento não publicado). Núcleo de Infância e Família.

Núcleo de Infância e Família [NUDIF/UFRGS]. (2008b). Entrevista sobre a Experiência da Maternidade. (Instrumento não publicado). Núcleo de Infância e Família.

Perez, M., & Wendland, J. (2016). La mort prénatale suite à une IMG et la grossesse suivante: L’influence du délai de conception après le décès sur la mère et la relation précoce mère-bébé. Revue de Médecine Périnatale, 2(8), 108-114. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s12611-016-0363-y

Postingher, M. (2018). Protocolo de Atendimentos a Mulheres em Situação de Abortamento. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, RS.

Rei, V. A. F., Ramírez, X. Y. A., & Berlinck, M. T. (2014). As dores do parto: Reflexos psicopatológicos em torno da angústia e do narcisismo primitivo. Estilos Clínicos, 19(1), 67-77. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i1p67-77

Reis, A. C., Lencastre, L., Guerra, M. P., & Remor, E. (2010). Relação entre sintomatologia psicopatológica, adesão ao tratamento e qualidade de vida na infecção HIV e AIDS. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(3), 420-429. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722010000300002

Rios, T. S., Santos, C. S. S., & Dell’Aglio, D. D. (2016). Elaboração no processo de luto após uma perda fetal: Relato de experiência. Revista de Psicologia da IMED, 8(1), 98-107. DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p98-107

Silva, I. P. V., & Rodrigues, L. A. (2017). A elaboração da perda gestacional: Transformando sofrimento em testemunho. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 6(1), 1-18.

Silva, P. N. (2012). Maternidade e relação mãe-bebê no contexto do luto materno. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, RS.

Soubieux, M. J. (2014). Le deuil aprés une mort prénatale: Le deuil périnatal, um impensable à penser. Le Carnet PSY, (185), 22-24. DOI: http://dx.doi.org/10.3917/lcp.185.0022

Soubieux, M. J., & Caillaud, I. (2015). Le groupe thérapeutique des mères endeuillées. Le Carnet PSY, (186), 27-31. DOI: http://dx.doi.org/10.3917/lcp.186.0027

Vescovi, G., Esswein, G. C., & Levandowski, D. C. (2017). Questionário sobre Vivências de Perdas (Instrumento não publicado). NEEDS/UFCSPA.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zveiter, M., Progianti, J. M., & Vargens, O. M. C. (2005). O trauma no parto e nascimento sob a lente da enfermagem obstétrica. Pulsional: Revista de Psicanálise, 18(182), 86-92.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i2.e9834

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia