Percepções sobre a Deficiência entre os Estudantes de Psicologia

Adrielly Marconato Durante, Arnold Henrique Tavares, João Rodrigo Maciel Portes, Marivete Gesser

Resumo


O objetivo deste estudo foi o de compreender as percepções sobre deficiência entre estudantes de um curso de psicologia de uma universidade comunitária do estado de Santa Catarina. O estudo contou com a participação de dez estudantes que cursaram duas disciplinas de Psicologia e Inclusão I e II. Os dados foram obtidos a partir de um questionário sociodemográfico e de uma entrevista semiestruturada, e analisados com base na análise de conteúdo. O referencial teórico norteador do estudo foi o relativo ao campo dos Estudos da Deficiência. Os resultados apontaram que as percepções sobre deficiência das participantes foram mediadas por concepções de deficiência relacionadas aos modelos médico, social e biopsicossocial. A formação em psicologia, as experiências sociais e as vivências no contexto familiar foram importantes para a constituição das percepções que as entrevistadas têm sobre deficiência. Por fim, destaca-se a importância de os cursos de psicologia oferecerem conhecimentos relacionados à deficiência e suas intersecções para que os profissionais dessa área possam desenvolver uma atuação voltada à garantia dos direitos humanos das pessoas com deficiência.

Palavras-chave


deficiência; percepção; estudantes universitários; psicologia.

Texto completo:

PDF/A

Referências


American Psychological Association [APA]. (2011). Guidelines for assessment of and intervention with persons with disabilities. Link

Baleotti, L. R., & Omete, S. (2014). A concepção de deficiência em discussão: Ponto de vista de docentes de Terapia Ocupacional. Caderno Brasileiro de Terapia Ocupacional, 22(1), 71-78.

Barbosa, A. J. G., & Conti, C. F. (2011). Formação em psicologia e educação inclusiva: Um estudo transversal. Psicologia Escolar e Educacional, 15(2), 231-234. DOI: 10.1590/S1413-85572011000200005

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (3a ed.). São Paulo: Edições.

Batista, S. M., & França, R. M. (2007). Família de pessoas com deficiência: Desafios e superação. Revista de Divulgação Técnicocientífica do ICPG, 3(10), 117-121. Link

Bock, G. L., Gesser, M., & Nuernberg, A. H. (2018). Desenho universal para a aprendizagem: A produção científica no período de 2011 a 2016. Revista Brasileira de Educação Especial, 1(24), 143-160.

Campbell, F. K. (2009). Contours of ableism: The production of disability and abledness. London: Palgrave Macmillan.

Carvalho, M. T. M., & Sampaio, J. R. (1997). A formação do psicólogo e as áreas emergentes. Psicologia: Ciência e Profissão, 17(1), 14-19. DOI: 10.1590/S1414-98931997000100003

Castro, E. L. (2015). Breve análise dos requisitos legais e normativos descritos no instrumento de avaliação de cursos de graduação presencial e a distância do INEP/MEC. Revista Eletrônica de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, 26(2), 80-91.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Decreto Lei nº 6.949 de 26 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Link

Diniz, D. (2003). Modelo social da deficiência: A crítica feminista. Série Anis, 28(1), 1-8. Link

Fontanella, B. J. B., Luchesi, B. M., Saidel, M. G. B., Ricas, J., Turato, E. R., & Melo, D. G. (2011). Amostragem em pesquisas qualitativas: Proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cadernos de Saúde Pública, 27(2), 389-394. DOI: 10.1590/S0102-311X2011000200020

Gaudenzi, P., & Ortega, F. (2016). Problematizando o conceito de deficiência a partir das noções de autonomia e normalidade. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10) 3061-3070. DOI: 10.1590/1413-812320152110.16642016

Gesser, M., Nuernberg, A. H., & Toneli, M. J. F. (2014). Gender, sexuality, and experience of disability in women in southern Brazil. Annual Review of Critical Psychology (Online), 11, 417-432.

Gesser, M., Nuernberg, A. H., & Toneli, M. J. F. (2012). A contribuição do modelo social da deficiência à psicologia social. Psicologia & Sociedade, 24(3), 557-566. DOI: 10.1590/S0102-71822012000300009

Gil, A. C (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gomes, C. A. V., & Simoni-Castro, N. (2017). Medicalização escolar em periódicos de psicologia e educação no triênio 2010-2012. Psico-USF, 22(3), 425-436. DOI: 10.1590/1413-82712017220304

Kittay, E. F. (2015). Centering justice on dependency and recovering freedom. Hypatia, 30(1), 285-291.

Lei n° 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Link

Lomônaco, J. F. B., Cazeiro, A. P. M., & Ferreira, A. M. (2006). Concepções de deficiência e reabilitação: Um estudo exploratório com graduandos de fisioterapia. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional - ABRAPEE, 10(1), 83-97.

Maia, J. C., Baleotti, L. B., & Omote, S. (2009). Concepções de deficiência na perspectiva de estudantes de fisioterapia e de terapia ocupacional. In Universidade de Londrina (Org.), Congresso Brasileiro Multidisciplinar de Educação Especial (vol. 5, pp. 995-1004). Londrina: UEL. Link

Manzini, E. J. (1991). A entrevista na pesquisa social. Didática, 27(1), 149-158.

Marinho, C. C. (2016). Concepções de estudantes de pedagogia sobre educação inclusiva e educação especial e suas atitudes sociais em relação à inclusão. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Marília, PR.

Mello, A. G. (2016). Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: Do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10), 3265-3276. DOI: 10.1590/1413-812320152110.07792016

Mirta, S. (2018). Disability, health and human development. New York: Palgrave Macmillan.

Moraes, M., Mascarenhas, L. T., Fontes, F., & Martins, B. S. (2017). Introdução. In: M. Moraes, B. S. Martins, F. Fontes, & L. T. Mascarenhas (Eds.). Deficiência em questão: Para uma crise da normalidade, 9-21, Rio de Janeiro: Nau.

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (2003). CIF: Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. São Paulo: EDUSP.

Pizzinga, V. H., & Vasquez, H. R (2018). Reificação, inteligência e medicalização: Formas históricas e atuais de classificação na escola. Psicologia Escolar e Educacional, 22(1), 123-131. DOI: 10.1590/2175-35392018012840

Resolução n°5, de 15 de março de 2011. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, estabelecendo normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de Psicologia. Link

Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [CONEP]. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Link

Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016 [CONEP]. Dispõe sobre a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais Ministério da saúde. Link

Santos, W. (2016). Deficiência como restrição de participação social: Desafios para avaliação a partir da Lei Brasileira de Inclusão. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10), 3007-3015. DOI: 10.1590/1413-812320152110.15262016

Sassaki, R. K. (2009). Inclusão: Acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), 12(2), 10-16.

Sawaia, B. B. (2002). O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In B. B. Sawaia (Org.). As artimanhas da exclusão: Uma análise ético-psicossocial da desigualdade (pp 97-118). 2a ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Silva, K. C. B. (2016) O discurso médico-psicológico na configuração do campo da Educação Especial. Revista Eletrônica de Educação, 10(1), 69-87. DOI: 10.14244/198271991198

Vigotski, L. S. (2011). A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, 37(4), 863-869. DOI: 10.1590/S1517-97022011000400012

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Temáticas, 22(44), 203-220




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v20i3.e9948

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia